A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 03 de Dezembro de 2016

26/09/2016 13:02

Drama dos guarani-kaiowá em documentário é de se aplaudir em pé

Paula Maciulevicius
Cena do filme Martírio. (Foto: Ernesto de Carvalho/Divulgação)Cena do filme "Martírio". (Foto: Ernesto de Carvalho/Divulgação)

A estreia foi na quinta-feira, no Festival de Brasília do Cinema Brasileiro. Do diretor Vicent Carelli, o documentário "Martírio" estampa nas telonas o drama vivido pelos índios guarani-kaiowá em Mato Grosso do Sul e a luta para ficar no território que lhes faz parte. 

Veja Mais
Final de semana tem a volta de Anjos da Noite, comédia nacional e animações
Semana tem ação com a volta de Jack Reacher, além de ficção e terror

Em entrevista ao Correio Braziliense, Carelli explica desde o início das filmagens até o porquê da volta. “É o caso mais grave da nossa questão indígena, é urgentíssimo, uma vergonha, eu filmei de 1988 a 1999 e fiz a série Índios do Brasil. Fiquei muito tempo sem ir e volto só 15 anos depois, quando a matança começa a ficar demais”.

O documentário é o segundo da trilogia do diretor em cima da questão indígena. O primeiro foi Corumbiara e neste, Carelli se propõe a ir mais além e dizer que Martírio é o genocídio contemporâneo. Em 2011, o diretor voltou ao projeto, gravou duas temporadas e recorreu ao crowdfunding, para finalizar. Financiamento que revela a quantidade de público interessada na questão. 

O documentário - Na entrega de milhares de quilômetros de terra para os "brancos", em troca os indígenas tiveram aniquiladas sua língua e cultura e é este o tom da narrativa no documentário, que registra tudo o que foi feito pelos hectares. 

No longa, o cineasta ainda usa dados do código florestal e das "maracutaias" na afirmação dos moldes da PEC 215 e da visão dos índios como invasores —, chegando à morte do cacique Nízio Gomes.

Gravações de arquivo e até uma reportagem de TV da década de 80 remontam boa parte do passados dos kaiowá até a denúncia feita, pelo então governador, André Puccinelli, no Congresso. Na ocasião, Puccinelli exibiu o vídeo onde aparecia um proprietário rual ensanguentado, amarrado e cercado por índios.  

Fato que, checado pelo diretor do documentário, se revelou ser o contrário do que as cenas traziam. Pouco antes de começar a ser gravado, o homem amarrado estava com um revólver apontado para um grupo de mulheres e chegou até a disparar e só não as matou, porque foi imobilizado pelo índio. 

Do jornalista Rubens Valente, Martírio é recebido com palmas e classificado como um "monumento à melhor tradição do documentário brasileiro". Além de ter pleno domínio do assunto, o diretor leva para a produção o ar indígena que respira há 40 anos. 

"Ao longo de “Martírio”, há jornalismo da melhor qualidade. Carelli desfila dados fundamentados e inquestionáveis, como a cronologia de toda a errática política indigenista que impactou esses milhares de brasileiros e o tratamento omisso, quando não assassino, do Estado brasileiro", disse Rubens.

No material da Carta Capital, o texto assinado por Felipe Milanez, se concentra num diálogo que parece traduzir todo o massacre, quando um índio diz: "O que tá pegando a gente é o capitalismo."

"É um documentário que traduz uma profunda indignação que caracteriza a vida de VincentCarelli: essa imposição de gritar, de se indignar, se insurgir, uma revolta contida dentro do peito de Vincent desde a primeira vez em que ele esteve entre os Kaiowa e Guarani nos anos 1980".

Definido como um filme-evento, Felipe Milanez ainda descreve que Martírio conduz quem assiste para o coração das trevas do agronegócio, e mostra a luz e a beleza que move os Kaiowa e Guarani a lutarem para existir. "Essa luz é expressa pelas reflexões, cantos, a religiosidade sempre presente e marcante, e uma epistemologia extremamente sofisticada, uma forma de ver, analisar e pensar o mundo que é única.

Martírio traz uma profundidade inédita na cinematografia sobre a luta Guarani e Kaiowa. Um filme filmado de dentro, junto, e pelos indígenas também. E traz o que se pode chamar de o “outro lado” do genocídio através dos vômitos racistas no Congresso Nacional, cenas deploráveis de um leilão da morte, a fala mansa dos matadores". 

Em Campo Grande, ainda não há previsão de estreia. 

Diálogo em guarani, entre dois personagens do documentário. Diálogo em guarani, entre dois personagens do documentário.



imagem transparente

Compartilhe

Classificados


Copyright © 2016 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.