A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 06 de Dezembro de 2016

05/11/2014 10:23

Filme sobre imigração japonesa traz tradições de MS para a telona

Aline Araújo
Cena do filme em Campo Grande.  (Foto: Divulgação)Cena do filme em Campo Grande. (Foto: Divulgação)

Os atrasos e problemas técnicos durante a exibição do filme Sobá, Trilhos e Silencio não foram problema para o público que lotou o Teatro Aracy Balabanian na pré estreia do longa-metragem, rodado em Campo Grande, em homenagem ao centenário da imigração japonesa. A direção é assinada por Miguel Horta.

Veja Mais
Final de semana tem a volta de Anjos da Noite, comédia nacional e animações
Semana tem ação com a volta de Jack Reacher, além de ficção e terror

Com uma fotografia linda, de paisagens encantadoras, e uma captação em alta qualidade, o filme conta a história de Elisa, uma cineasta que mora em São Paulo e retorna ao Mato Grosso do Sul a fim de conhecer a história da mãe. A trama para resgatar suas origens acaba ficando em segundo plano e os aspectos que abordam o cotidiano da colônia japonesa e os hábitos culturais no Estado acabam se sobressaindo no roteiro.

Higa interpretou ele mesmo no filme.  (Foto: Marcos Ermínio)Higa interpretou ele mesmo no filme. (Foto: Marcos Ermínio)

O filme, com a duração de 75 minutos, tem três personagens centrais, Elisa, vivida por Tatiany Furuse, que também é produtora do filme; Oshiro, interpretado pelo ator Chao Chen; e Bernardo, vivido por Renato Rabelo, que atua no humorístico Zorra Total. Eles contracenam com muitas pessoas da colônia japonesa que aceitaram participar da produção em homenagear os 100 anos de imigração em Campo Grande.

Quem assiste, gosta do que vê. “Além do entretenimento é informação, pois mostra muito da cultura japonesa”, avalia a professora Regina Rocker, de 42 anos.

Os planos são para levar o filme além de Campo Grande e exibir em salas de São Paulo também.

Em um das cenas, Oshiro prepara um sobá para a Prima Elisa que aprova a iguaria japonesa, adaptada a cultura sul-mato-grossense. Em outra, Bernardo oferece o tereré para ela, e nesses detalhes o filme pode levar um pouco daqui ao Brasil.

Tatiany foi a produtora do longa.  (Foto: Marcos Ermínio)Tatiany foi a produtora do longa. (Foto: Marcos Ermínio)

O que era para ser um curta, ganhou proporções maiores em pouco mais de cinco meses. O intercâmbio feito com atores do Rio de Janeiro foi proposital, com o intuito de abrir portas, mas não foi tarefa fácil diante da cobrança local.

“Eu senti um bairrismo muito forte, e acredito que nesse caso a gente ganha mais quando divide. Eu ganho o nosso espaço lá com eles e também facilita vender o filme para outros estados”, justifica o diretor. Também compõem o elenco os atores sul-mato-grossenses Espedito di Montebranco, Silvio Mori, Alvaro Soares e Marcelo Benites.

Quem faz uma participação especial na produção é o fotografo Roberto Higa, que interpreta ele mesmo em uma cena. “É a primeira vez que faço um papel em um filme, antes tinha participado de documentário apenas. Vvaleu a experiência”, comenta.

As locações que encantaram a professora Eliane Matos, de 37 anos, uma das pessoas na plateia de ontem à noite, foram feitas também nas cidades de Sidrolândia e Terenos.

O filme explora bem as paisagens de um sitio, o pôr do sol e as características presentes nas fazendas daqui. “Achei lindas as paisagens do filme”, reforça Eliane.

Chao Chen ficou contente com o resultado do longa. (Foto: Marcos Ermínio)Chao Chen ficou contente com o resultado do longa. (Foto: Marcos Ermínio)
Renato Rabello achou a experiência enriquecedora.  (Foto: Marcos Ermínio)Renato Rabello achou a experiência enriquecedora. (Foto: Marcos Ermínio)

Os atores que fizeram questão de participar da pré estréia, Chao Chen e Renato Rabello, dizem ter adorado o projeto em terras sul-mato-grossenses. “Foi incrível e enriquecedor. Eu não imaginava que aqui tinha essa presença japonesa tão forte. Foi ótimo poder conhecer as tradições, ainda mais que a gente gravou na casa de japoneses. Eu estou muito feliz”, diz Rabello, responsável por arrancar boas gargalhadas do público nas cenas de comédia.

“Eu já tinha feito filmes em outros estados, mas esse foi especial, porque foi feito de uma maneira bem artesanal e caseira”, comenta Chao Chen.

O filme também será exibido nesta quarta (5), às 19h, no Plenarinho da Câmara Municipal. Também haverá sessão na quinta (6), às 19h, no Auditório da MACE e na sexta (7), às 20h, na Associação Okinawa.




imagem transparente

Compartilhe

Classificados


Copyright © 2016 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.