A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 05 de Dezembro de 2016

12/03/2015 09:05

Parecia assunto velho, mas últimos dias provam: é bom falar da Ditadura Militar

Aline Araújo
Festival Cinema para a Verdade debate a ditadura militar. (Foto: Alcides neto)Festival Cinema para a Verdade debate a ditadura militar. (Foto: Alcides neto)

Segundo o relats, os gritos que eram ouvidos no dia 6 de agosto de 1971, em um apartamento no Centro de Salvador, Bahia, eram “por favor, não atire”, depois que Iara Iavelberg correu para para apartamento vizinho e se encolheu entre a pia e a parede, onde foi morta. No outro dia, as manchetes do jornais publicaram que Iara havia cometido suicídio.

Veja Mais
Final de semana tem a volta de Anjos da Noite, comédia nacional e animações
Semana tem ação com a volta de Jack Reacher, além de ficção e terror

Parece até assunto velho, mas as imagens dos últimos meses no Brasil, com gente vestindo uniforme militar para defender intervenção, provam o quanto a história é importante e precisa ser lembrada, para garantir o que a gente sofreu tanto para conquistar, a democracia. 

Militante do Movimento Revolucionário 8 de Outubro (MR-8), contra a ditadura, a história de Iara é contada no filme “Em Busca de Iara”, exibido no 1º dia do Festival Cinema para a Verdade, realizado na UFMS (Universidade Federal de Mato Grosso do Sul). O programa do Ministério da Justiça, em parceria com o Ministério da Cultura, quer trazer para o debate os "anos de chumbo".

Renan lamenta a falta de interesse na história do País. (Foto: Alcides neto)Renan lamenta a falta de interesse na história do País. (Foto: Alcides neto)

Iara é só uma das personagens, que poderia ser uma lembrança de período histórico do País, mas hoje tem outro peso diante das discussões sobre impeachment e golpes.  

O festival está na 4ª edição e nunca teve um papel tão importante na atual conjuntura politica. No dia 15 de março. um movimento pretende pedir o afastamento da presidente Dilma Rousseff e os discursos de que defende uma intervenção militar sempre surgem durante as manifestações.

“Após a ditadura houve uma tentativa de se apagar a história. Nos livros didáticos, o assunto é tratado de maneira superficial. E é necessário entender melhor o que foi esse momento e como carregamos resquícios disso até hoje em nossas leis. Nós ainda somos uma sociedade militarizada, andamos em ruas com nomes de ditadores e achamos a homenagem normal”, comenta o acadêmico de Economia, Renan Araújo, de 21 anos.

Guilherme é o responsável pelo projeto no Mato Grosso do Sul. (Foto: Alcides Neto)Guilherme é o responsável pelo projeto no Mato Grosso do Sul. (Foto: Alcides Neto)

Interessado no debate, Renan sempre se surpreende em ver o tema intervenção militar sair da história e se tornar uma possibilidade na opinião de algumas pessoas. “Me assusta quando eu vejo jovens afirmando que a Brasil cresceu no período militar sem prestar atenção a que custo esse desenvolvimento foi possível. A gente vive uma crise na democracia, porque as pessoas não acreditam mais nas nossas instituições politicas. Se o problema é a corrupção, é sobre isso que a gente tem que discutir. Mas a ditadura tem que ser tratada com a repugnância que ela merece”, pontua o estudante, indignado.

Entre os estudantes que se identificam com o tema, todos acham que é necessário trazer para as pessoas a oportunidade de conhecer um pouco mais sobre o que foi a ditadura. O acadêmico de jornalismo, Guilherme Pimentel, de 21 anos, é o agente mobilizador do festival em Mato Grosso do Sul, ele acredita que é fundamental por o assunto em debate.

“Uma das lutas da Comissão da Verdade é conseguir colocar um pouco mais da história da ditadura nos livros didáticos. É importante frisar que foi uma ditadura Civil-militar, porque não só os militares, mas grandes Empresas apoiaram e ajudaram a sustentar a ditadura. O que a gente pode fazer é um paralelo com o que está acontecendo hoje. São pessoas querendo deslegitimar um processo democrático do País. Um grupo com empresários e pessoas que acreditam que vão se beneficiar com o golpe e apoiam essa revolta burguesa” , afirma.

Eva se assusta quando escuta pessoas elogiando a ditadura. (Foto: Alcides Neto)Eva se assusta quando escuta pessoas elogiando a ditadura. (Foto: Alcides Neto)

E ele não está sozinho, mais de 90 pessoas resolveram prestigiar o evento e conhecer um pouco mais sobre a história da ditadura. Eva Curz, de 22 anos, diz que já encontrou pessoas que discordam dela e acreditam que a ditadura foi “algo bom”. “Já discuti muito com as pessoas por conta disso. Acho assustador a falta de conhecimento sobre a nossa história e ver pessoas elogiando a ditadura, sem lembrar das torturas e de quanto sangue foi derramado”.

O festival. O próximo filme, “Democracia em preto e branco” será exibido no dia 16 de março, no anfiteatro 1, Mutimídia, da Universidade Federal. Após a sessão, sempre acontece um debate com uma mesa de convidados para discutir sobre o tema.

O projeto é promovido pelo ICEM (Instituto Cultura em Movimento), com patrocínio do BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social) e apoio da Comissão da Anistia do Ministério da Justiça.A entrada é franca.




Ditadura nunca é boa, não importa se é militar ou socialista/comunista. A sociedade tem o dever de dar liberdade individual ao seu cidadão. Mas TÁ UMA PALHAÇADA a situação em que vivemos no BR.
E as pessoas falam como se fosse algo tão complicado, é só ir no youtube e ver os vídeos REAIS daquela época, EU NÃO QUERIA ESTAR VIVO NAQUELA ÉPOCA. As pessoas estão confundidos INTERVENÇÃO CONSTITUCIONAL MILITAR com a Intervenção Militar Ditatorial/golpe de estado.
A internet esta ai, só digitar que você vai saber. Se você não sabe é porque você que tá lendo NÃO QUER SABER
 
Cyro Escobar Ribeiro Neto em 12/03/2015 13:13:41
A ditadura do Brasil foi a mais branda do mundo, onde apenas 400 pessoas foram tidas como desaparecidas, e na época o BRasil já possuía mais de 100 milhões de habitantes, pra se ter uma ideia na Argentina desapareceram mais de 6 mil pessoas e o pais não tinha 20 milhões de habitantes.
E foi a ditadura que construiu no brasil rodovias, ferrovias, universidades, hospitais, etc. E tinha-se segurança, hoje a violência e a corrupção tomou conta do Brasil, Volte Ditadura, Volte!!
 
wild em 12/03/2015 11:17:17
imagem transparente

Compartilhe

Classificados


Copyright © 2016 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.