A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 09 de Dezembro de 2016

15/05/2015 06:45

“Supernanny” de Campo Grande ganha R$ 300 por dia para colocar bebês nos eixos

Aline Araújo
Miriam já trabalha a 33 anos educando. (Foto: Fernando Antunes)Miriam já trabalha a 33 anos educando. (Foto: Fernando Antunes)

Em alguns casos, mãe de primeira viagem, ou até de segunda empreitada, pena para colocar ordem na vida depois da maternidade. Tudo muda. Para ajudar, principalmente na rotina de crianças que não conseguem dormir e não deixam os pais dormirem, a enfermeira Miriam Nunez, de 52 anos, oferece um serviço diferente.

Veja Mais
Caligrafia da escola rendeu à Marystella a profissão de designer de lousas a giz
Luis ganhou o título de presidente e hoje é dono da própria cadeira no bar

Tá bem! Não é nada barato, a diária custa cerca de R$ 300,00, mas quem pode pagar tem o compromisso de transformar o caos de algumas famílias. É uma das profissionais em versão campo-grandense da “Supernanny”, a Cris Poli do programa que passava no SBT envolvendo famílias em crise pela desobediência dos pequenos.

Ela explica que estudou muito para entender o comportamento dos bebes.  (Foto: Fernando Antunes)Ela explica que estudou muito para entender o comportamento dos bebes. (Foto: Fernando Antunes)

Miriam fica lisonjeada com a comparação. “Ela é muito boa!”, justifica. Mas explica que o trabalho já é antigo, feito há 33 anos. Tudo aconteceu com o tempo, já que ela sempre gostou de trabalhar com crianças. Então, estudou muito sobre o assunto, e quando se deu conta já estava ajudando os pais.

“A gente estuda os bebês e os pais, observo para saber onde eu posso intervir, ajudar a melhorar e mostrar onde estão os erros e acertos na educação da criança”, explica.

Ela se apega as crianças, e recebe carinho de volta, mas isso depois de muito trabalho, diz. Pede liberdade aos pais para impor limites, estabelecer horários, regras para os pequenos de até 1 ano começarem a se acostumar com a rotina.

“Eu já aviso para as mães que eles vão chorar, mas para elas ficarem tranquilas que eles não estão com dor, nem com fome. È natural, a criança vai testar a mãe para ver até onde ela vai e em alguns casos elas ficam a merce dos filhos, não conseguem nem comer, nem fazer nada para elas”, comenta.

O pacote depende do interesse dos pais e da situação, pode ser diário, semanal ou mensal. Depois que passa um período com a família, ela sempre fica à disposição pelo telefone para dar dicas para as clientes e, quando dá, ainda visita algumas famílias.

Cris Poli é a Supernnay do programa de TV. Cris Poli é a Supernnay do programa de TV.

Dos lugares que já trabalhou, guarda histórias. Em uma das famílias, a mãe estava desesperada, a filha de três anos e a de nove meses dormiam na cama do casal. Em três dias, as duas crianças estavam dormindo a noite toda e sozinhas.

“Eles não acreditavam, mas tudo é técnica. Na maioria das vezes tem que educar os pais primeiro e é mais difícil que educar os filhos”, afirma.

As mães chegam a ela por indicação. Gaúcha de Santa Maria (RS), mesmo com mais de 30 anos em MS, ela preserva o sotaque. É firme, fala com clareza sobre o quanto estudou para o trabalho que desenvolve e demonstra ternura com crianças que já passaram pela sua vida.

A “Tia Mi” , como é chamada pelas crianças, também é mãe de três filhos, já crescidos e educados.

Se estiver precisando da ajuda da Supernanny do MS, você pode falar com ela pelo 9272-5399. A agenda costuma estar cheia, mas Miriam faz o possível para atender a todos.




imagem transparente

Compartilhe

Classificados


Copyright © 2016 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.