A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 20 de Janeiro de 2017

09/05/2016 16:55

Amigos tentam identificar morador de rua para que não vire indigente

Ângela Kempfer
Sandro foi fotografado em 2014 pelo Lado B."Sandro" foi fotografado em 2014 pelo Lado B.

A tarefa parece inglória, mesmo assim, gente que por muito tempo viu o “Mudinho” perambulando pela Avenida Mato Grosso tenta uma identificação para que o homem que virou personagem do cotidiano não seja enterrado como indigente.

Veja Mais
Na Mato Grosso, morador de rua tem coleção de equipamentos eletrônicos
Depois de 42 anos na mesma casa, ladrões furtaram o maior xodó de dona Rosa

Dono de muitos apelidos e nenhum nome oficial, o homem de sorriso frequente morreu com pneumonia na semana passada, depois dos dias de frio na virada do mês. O corpo ainda está no IMOL (Instituto Médico e Odontológico Legal) porque há muito tempo ele não carregava documentos.

Segundo a prefeitura, foram muitas as tentativas de socorro. No dia 27 de abril, foi levado ao Cetremi (Centro de Triagem e Encaminhamento do Migrante) para dormir, mas depois acabou deixando o local.

Em 1º de maio, no período noturno, outra vez as assistentes sociais o encontraram e ele voltou ao Cetremi, já doente. No dia seguinte, foi encaminhado ao CRS (Centro Regional de Saúde) do bairro Tiradentes, com quadro de pneumonia e tuberculose. Não resistiu e morreu no dia 5 de maio.

“Sandro”, como costumava se identificar, não falava, mas escutava muito bem. Em janeiro de 2014, o Lado B conversou com ele no ponto que praticamente lhe servia de endereço, a fachada do restaurante Manura.

Cheio de equipamentos eletrônicos que recolhia pelo lixo ou ganhava dos amigos, ele chamava a atenção pela vontade de dominar a tecnologia. Ficava horas mexendo em aparelhos e algumas carcaças.

Antes dos computadores serem algo fácil, Sandro já era conhecido como fiel frequentador de uma lan house na Antônio Maria Coelho. Ajudava tanta gente a dominar os jogos, que ficou querido no lugar.

Apesar de todos os estigmas de um morador de rua, quem o conhecia diz que Sandro não consumia bebida alcoólica, “Só Fanta e suco de laranja”. Para se alimentar, apesar de muitas doações, um ovo cozido estava de bom tamanho.

Agora, sem passado ou RG, ficou a homenagem de tantas pessoas que passaram pela vida do Mudinho, como o fotógrafo Roberto Higa, que tantas vezes o fotografou na Mato Grosso. “Era um humano do bem...Por aqui vamos continuar com a nossa peregrinação, Na esperança de que, se um dia gente se cruzar de novo, Eu possa voltar a fotografá-lo em uma situação diferente”.

Para quem quiser ajudar, informações devem ser repassadas à Assistência Social da prefeitura, pelo telefone 3314-4450. Pela legislação, um corpo permanece por 90 dias no IMOL, a espera de identificação. Caso isso não ocorra, é sepultado como ignorado ou "não reclamado".

 

 




conheci muito bém o mudinho ou sandro nao saia do cyber da planeta informatica era fera no GTa, uma boa pessoa ...
 
Uenes Souza em 09/05/2016 21:14:06
conheci muito o mudinho ou sandro nao saia do cyber da planeta informatica muito boa pessoa educado era muito bom no GTA...
 
Uenes Souza em 09/05/2016 21:11:07
imagem transparente
Busca

Compartilhe

Classificados


Copyright © 2017 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.