A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 03 de Dezembro de 2016

08/01/2014 06:12

As mil e uma histórias que o edifício Dona Neta tem para contar

Paula Maciulevicius
Dois blocos, 104 apartamentos e histórias dos moradores da melhor idade que hoje vivem na Dona Neta. (Fotos: Cleber Gellio)Dois blocos, 104 apartamentos e histórias dos moradores da melhor idade que hoje vivem na Dona Neta. (Fotos: Cleber Gellio)
O pequeno portão cinza. É ali a entrada de um dos mais tradicionais prédios de Campo Grande.O pequeno portão cinza. É ali a entrada de um dos mais tradicionais prédios de Campo Grande.

Embaixo, uma galeria da década de 60. Acima, duas torres dos anos 80. O comércio e a residência dividindo um só nome: Dona Neta. Na avenida Afonso Pena, entre as ruas 13 de Maio e 14 de Julho, o que os 104 apartamentos têm de história para contar, tem de idade também. O pequeno portão cinza, ao lado da empresa de ônibus, leva quem dedica tempo para ver e ouvir, às antigas construções de edifícios e a velhos moradores.

Veja Mais
Datilografado, pedido de casamento revelou primo apaixonado em 1980
Super-heroi, Pedro precisa de ajuda para continuar salvando a alegria da família

Dividido em dois blocos, são em torno de 300 vizinhos. Na primeira torre são apartamentos maiores, dois por andar, já na segunda, os cômodos diminuem, mas comparado aos de hoje, ainda são luxo. Uma sala para dois ambientes, quartos, banheiros, cozinha, lavanderia e quarto e banheiro de empregada na área de serviço. Fátima, a diarista oficial do edifício é quem deve adorar ter um quarto para cada dia de trabalho. É que no prédio, uma moradora foi indicando a outra e Fátima passa a semana toda limpando apartamentos na Dona Neta. As donas de casa ‘dividem’ a faxineira.

O prédio parece ter saído de cena de filme. A maioria dos moradores são idosos, aposentados e mulheres que batem ponto diariamente no Alemão, depois das caminhadas matutinas. O prédio tem salão que só recebe bingos da terceira idade. Das centenas de apartamentos, há, no máximo, seis crianças que perdem o ranking para o número de chineses, que já estão em oito famílias. Por estar no centro do comércio de Campo Grande, Dona Neta passou a ser a escolha deles apenas para dormir. Apesar do Lado B ter ido quatro vezes ao edifício, não encontrou nenhum chinês sequer. Isso porque, pelo que nos disseram, a rotina de trabalho deles é das 6h da manhã às 10h da noite e de domingo a domingo.

De suspensórios, 'seo' Daniel ou coronel Carneiro é síndico há duas décadas e hoje está com 80 anos.De suspensórios, 'seo' Daniel ou coronel Carneiro é síndico há duas décadas e hoje está com 80 anos.

Daniel - O primeiro contato que, obrigatoriamente, tivemos de fazer foi com o coronel Daniel Carneiro. Baiano, militar reformado e sistemático. Dos 80 anos de idade, as duas últimas décadas foram passadas ali, fazendo o que ele parece ter nascido para fazer: ser síndico. Por isso que era obrigação visita-lo primeiro.

Militar, médico veterinário, advogado, sanitarista, ex-seminarista e ex-estudante de Medicina. Se a gente passasse a tarde ali, só da vida dele o Lado B já teria uma boa história. Nascido em Salvador, foi pelas atividades para a pátria que foi pulando de estado em estado até chegar em Mato Grosso do Sul. “Me casei aqui e geralmente o homem mora junto da família da mulher, não é mesmo? Meus amigos brincava, quem faz carreira no mato é veado”, conta.

As mudanças de casa na Capital o trouxeram para o prédio em 1982, logo que o alvará saiu. “Vim mudando, morando em alguns edifícios e gostei. Aqui tem quartos bem amplos e boa localização”.

Da história do edifício, ele fala que a construção é bem antiga, de 1965 ou 1966. “A base, os pilares e essa galeria estavam desde o início, depois incorporou”. Antigos também são os moradores. “Se somar as idades aqui, dá uns 17 mil anos, você retorna à Idade da Pedra”, brinca.

Daniel é um dos poucos homens de Dona Neta. A vizinhança é formada mesmo por mulheres já viúvas, talvez com histórias como a de Neta, a dona de um amplo sobrado e de um imenso terreno que começava na Afonso Pena e ia até a Barão. Antônia de Moraes Ribeiro Corrêa da Costa é quem dá o nome à galeria e ao edifício. O apelido Neta vem de família, já o dona, o tempo se encarregou de dar.

Por dentro, a decoração dos apartamentos não muda muito, revelando que ali, os vizinhos têm os mesmos gostos. Por dentro, a decoração dos apartamentos não muda muito, revelando que ali, os vizinhos têm os mesmos gostos.
Na porta de casa, Ana, que brinca que está no asilo Dona Neta.Na porta de casa, Ana, que brinca que está no asilo Dona Neta.
Maria se orgulha em dizer que faz 90 anos em maio. Sabe que não parece ter a idade que tem.Maria se orgulha em dizer que faz 90 anos em maio. Sabe que não parece ter a idade que tem.

A homenagem não foi dada à toa. Antônia e a família compraram um palacete inacabado em 1915. Segundo a Fundação Edson Contar, eles se mudaram para a casa nova, que na época era uma das mais finas de Campo Grande. Ela morreu ali, em 1963 e no lugar do palacete, os herdeiros mandaram construir o prédio. Dona Neta foi erguida pelas mãos do engenheiro Annes Salim Saad.

Ana - O bom humor em pessoa. A senhora do sorriso aberto. Quando Ana de Moraes revela a idade, 81 anos, pergunto se só para morar ali, é preciso ter passado dos 80 e se por acaso, ela conhece quem tenha menos. “Deve ter, mas as que eu conheço é de 80 pra lá. 80, 84, 85, 89. Aqui é o asilo Dona Neta, desde quando eu mudei, já morreu bastante velha”.

Dona Ana morava no bairro Giocondo Orsi. Mas a filha casou, o marido morreu e ela acabou por comprar um apartamento ali, onde tem muitas amigas e com quem faz as caminhadas pela manhã. Ela é uma das que divide a diarista Fátima com mais não “sei quantas” e é vizinha de porta de um dos chineses. “Agora tem bastante. Alguns falam com a gente, mas não dá para entender nada, você não sabe se eles estão te xingando. Mas eu respondo o que deve ser o bom dia. São vizinhos bons, não mexem com a gente”.

Maria - Honrando a faixa etária, Maria Selem Dib completa 90 anos em maio. A moradora encontrou na Dona Neta um lar há 17 anos. No coração da cidade, na avenida Afonso Pena e com todas as amigas vizinhas. A primeira iniciativa, depois de desencaixotar a mudança, foi de vender o carro. “Eu morava longe, aí tinha que ter condução, mas aqui? Para que eu quero carro? Não tem necessidade”.

Para ela os cumprimentos no elevador e as idas até o Alemão não escondem de ninguém. Na Dona Neta só moram idosos. “É difícil ver casa que tem estudante. Agora no Alemão, você chega e a Dona Neta em peso está lá”.

Para morar de aluguel no edifício, inquilino paga em média, R$ 1,2 mil incluindo condomínio e IPTU. A taxa aos condôminos não sobe, permanece abaixo de R$ 300 para acompanhar a aposentadoria. Lá tem apartamentos para alugar. Mas poucos locatários. Quem muda, se apaixona e acaba comprando uma partezinha da Dona Neta.

A Dona Neta também dá uma bela vista da Cidade Morena.A Dona Neta também dá uma bela vista da Cidade Morena.



Acho que é o Edificio Dona Neta que depois de pronto foi verificado que esta "torto" - fora do prumo em mais de metro - e que deveria ter sido demolido, mas com "jeitinho"foi liberado o habite-se e pode cair a qualquer momento causando uma grande catástrofe. Engraçado que ninguém fale disso, foi assunto de muita polemica na época.
 
Aparecido Mariano de Oliveira em 15/01/2014 16:10:21
Adorei a materia, minha mae, dona Jurandy, 82 mora la ha duas decadas, ja quis trocar o ap por um mais moderno mas ela nao quer, ali estao suas amigas, de jogar cartinhas rezar o terco, que elas dividem tambem as casas, etc, parece que todo o edificio e um lugar so delas.
Parabens pela materia.
 
jussara Clotworthy em 15/01/2014 06:41:23
O meu sonho é morar no Ed. Dona Neta,,, tenho certeza que irei conseguir em breve!!!Esta reportagem veio reforçar esta meta...serei uma moradora jovem, mas que tem uma profunda admiração e respeito pelos mais "velhos"......Parabéns jornalista Paula Maciulevicius.
 
Bernardina Paes de Souza de Oliveira em 09/01/2014 00:48:03
Nota 10 para a reportagem que aliou competência e sensibilidade. Jornalismo que mostra a cara da nossa capital. Quanto ao síndico, é o CARA! Manoel Afonso
 
manoel afonso em 08/01/2014 20:53:52
Tudo muito belo, mas já ouvi falar que ele ficou muito tempo embargado (não sei se procede) devido a falta de segurança em caso de incêndio, pois dificultaria o acesso dos Bombeiros. O fato é que construções bem mais modernas já vieram abaixo e ele continua firme e forte.
 
Valter Oliveira em 08/01/2014 18:39:28
Nossa! Bom saber que o senhor Daniel esta vivo e bem, saudade! Prestei serviços de massoterapia para família atendendo a esposa, filha, e em memória sogra. Apesar do regime militar é uma excelente pessoa! sua esposa nem se fala. Adorei a matéria.
 
Maria Madalena Alves em 08/01/2014 18:38:16
Nossa morei lá anos e anos !!!!!!!!!! foram anos de muitas amizades e bagunças boas demais !!!!!!!!!!
 
Paula Nachif em 08/01/2014 17:07:14
fora o último parágrafo, poesia pura, parabéns.
 
marcos silva em 08/01/2014 16:16:06
Quando eu estudava no Joaquim Murtinho , passava em frente toda noite , o prédio ainda não era o que é hoje e diziam que não poderia ser concluído por ser um prédio condenado. Isso era uma lenda , e o tempo só provou que não passava de lenda mesmo.
 
Paulo Lessa em 08/01/2014 14:31:00
ótima matéria, revelaram um pouco da cultura de Campo Grande, pois igualmente a eu, muitos não sabem dessa bela história.
Que venham a fazer mais e mais matérias como esta.
Parabéns a toda equipe do campogrande news, em especial a jornalista Paula Maciulevicius
 
Valdir Viana em 08/01/2014 12:04:12
Putz, curti mesmo a matéria. Gosto muito do jeito que a Paula Maciulevicius escreve, sempre bem humorada, a matéria fica leve, a gente começa a ler, quando se dá conta, já terminou.
Entrei no D. Neta uma vez, e lá morava uma senhora...viúva. Gostei muito do estilo do apartamento, se pudesse, moraria lá. Seria, nesse caso, de acordo com a matéria, um dos poucos jovens a viver lá.
 
Leonardo de França em 08/01/2014 11:54:53
Mãe, leia matéria sobre o Edifício Dona Neta, curti!
 
Marcelo Blan em 08/01/2014 11:38:36
Sou moradora do condomínio Ed D Neta, um belo local para se morar com certeza, cartão postal de Campo Grande, sem dúvida alguma um refúgio para moradores que desejam estar perto de todas as comodidades do centro da cidade, porém faço uma ressalva ao quanto merecemos uma fachada(pintura) e melhorias para o condomínio que encontra-se há tempos na nossa principal avenida, e outras inúmeras situações em que poderia enumerar, mas que não vem ao caso nesse momento, temos que lutar para esse famoso condomínio não vir a ruína....
 
cacilda aparecida da silva kirnew kirnew em 08/01/2014 09:46:16
Coronel Carneiro, O CARA das datas! Grande professor, fico feliz em vê-lo com saúde.
 
Luiz Sergio em 08/01/2014 08:45:14
Fico orgulhosa de saber que o edifício dona neta tem tantas histórias e que eu faço parte de uma delas.
No ano de 1984, meu atual esposo trabalhava no edifício como porteiro do prédio, morávamos no mesmo bairro e estávamos naquele primeiro flerte porém já havia se passado meses e nada dele tomar iniciativa eu sinceramente já estava desistindo.
Me arrumei toda e fui visita-lo no serviço dele . Chegando lá ele ficou muito sem graça e não podia conversar comigo ali na portaria, pediu pra alguém segurar pra ele ali na portaria por alguns minutos e me levou na sacada do prédio com a desculpa de olhar a cidade do alto. Chegando lá ele muito sem graça, e com pressa me lascou um beijo daqueles e me pediu em namoro. Estamos casados a 28 anos e temos três filhos.
 
terezinha fatima de jesus em 08/01/2014 08:12:14
Bela reportagem parabens ao campograndenews
 
narbal marchezan cunico em 08/01/2014 07:37:51
imagem transparente

Compartilhe

Classificados


Copyright © 2016 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.