A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 19 de Janeiro de 2017

22/07/2013 06:57

Banca vende de ervas naturais à sinceridade, mesmo quando o cliente não pede

Anny Malagolini
Na 15 de Novembro, a banca que vende mais que ervas naturais. (Fotos: Marcos Ermínio)Na 15 de Novembro, a banca que vende mais que ervas naturais. (Fotos: Marcos Ermínio)

Quem anda pelo centro de Campo Grande já está acostumado a ver as inúmeras bancas de ervas naturais a cada esquina. A promessa dos produtos vão do aumento da libido ao fim das quilos "extras", mas até quem vende avisa: "Planta para emagrecer até tem, mas nada mais eficaz do que carpir um terreno".

Veja Mais
Guardiã de João, por uma semana repórter cuidou do Fusca sem freios de Júlia
Na novena que atrai milhares, até padre vai em busca de graça

O "dono" de tanta sinceridade e da banca, na rua 15 de Novembro, próximo ao Mercadão Municipal é Estevão Fernandes dos Santos, de 63 anos, que mesmo com tantas verdades, até inconvenientes, ditas na cara dos clientes, de alguma forma consegue cativá-los, e fazer com que voltem. É assim que a banca sobrevive há quatro anos.

Mas quem não gosta de tamanha sinceridade é a esposa, Antonia Gomes Viana dos Santos, com também 63 anos. "Eu olho feio, e às vezes até saio de perto com vergonha das coisas que ele diz", revela a esposa, que também é alvo da sinceridade do marido, mas que não se intimida com os clientes, discute ali mesmo e até faz piadas sobre o relacionamento dos dois. "Às vezes me dá uma vontade de casa de novo", comenta Estevão, que sob o olhar torto da esposa nega a brincadeira. E assim, até quem não quer comprar nada se rende aos dois.

"Entre tapas e beijos", o casal completou 43 anos de casamento, tempo suficiente para ter filhos, criá-los e dar novos rumos a vida a dois, e foi o que fizeram. Ela conta que há pouco mais de quatro anos veio morar em Campo Grande com o esposo, e então resolveram abrir a banca com o que sabiam lidar: o mato do cerrado.

Os dois são de Rio Verde de Mato Grosso, município distante à 205 quilômetros da Capital, trabalharam a vida toda em fazendas e, com o trabalho duro e o peso da idade, partiram para Campo Grande. "Para melhorar de vida", explica Antonia.

Estevão, conhecido pela sinceridade, diz que o melhor remédio natural para emagrecer é carpir.Estevão, conhecido pela "sinceridade", diz que o melhor remédio natural para emagrecer é carpir.
Antonia até olha feio para o marido. Entre tapas e beijos os dois 'discutem' na frente dos clientes.Antonia até olha feio para o marido. Entre tapas e beijos os dois 'discutem' na frente dos clientes.

A biologia das plantas foi aprendida na vivência, e é Estevão que vai para o mato caçar as ervas que são vendidas na banca e para não ter engano, ele leva com ela uma revista comprada assim que chegou em Campo Grande, com as classificações e denominações das plantas e raízes. De volta com o material, é a vez de Antonia colocar a mão na massa, e é ela quem embala e organiza os produtos para vender.

Cada embalagem custa de R$3 a R$10,00, e são ervas dos mais variados tipos e nomes, como o "Desata nó", que serve para resolver problemas intestinais. Os nomes das iguarias foram criados por eles mesmo, mas têm algumas ervas que só pelo nome fica difícil saber a identidade da raiz, como o "Nó de cachorro", que serve para acabar com a dor nos nervos, e o mais procurado pelos homens, segundo Estevão, a erva de "Ver gateza", para o fim da impotência sexual.

Na dúvida? tem até "Para tudo", o próprio nome já diz. O remédio tem a promessa de acabar com todo tipo de problema, mas Estevão avisa "só não dá fim a problema financeiro, mas de resto eu garanto".




kkkkkkk que figura!
 
julian da costa em 22/07/2013 14:36:52
imagem transparente
Busca

Compartilhe

Classificados


Copyright © 2017 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.