A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 09 de Dezembro de 2016

23/02/2015 06:13

Casal descobriu talento por acaso e ganha a vida fazendo música para fazendeiros

Elverson Cardozo
Carlão e Cleonir estão juntos há mais de 40 anos. (Foto: Alcides Neto)Carlão e Cleonir estão juntos há mais de 40 anos. (Foto: Alcides Neto)

Muita gente não sabe e talvez nem os vizinhos tenham se dado conta, mas uma casa simples do bairro Monte Castelo, em Campo Grande, abriga um casal de artistas que se descobriram cantores e compositores por acaso e que, hoje, de tão queridos, são requisitados para compor músicas em homenagens a fazendeiros de Mato Grosso do Sul.

Veja Mais
Aos 56 anos, Márcia é parceira do filho do tênis de LED ao Pokémon Go
Papai é a estrela, mas Mamãe Noel pode fazer toda diferença no Natal

Foi em uma viagem para Corumbá, há pouco mais de 15 anos, que Cleonir Teles, 60, resolveu criar uma canção. “Vi uma chuva passando e ela parou em cima de um monte. Ficou aquele véu branco sobre a montanha bicuda. Coisa mais linda. […] Aí veio aquela coisa assim: meu amor é tão bonito, igual chuva na montanha, que alegra os passarinhos, me aquece, me assanha. / Igual Bela Adormecida, veio logo a despertar, carinhosa e faminta, com desejo de amar...., contou, e cantou “Chuva na Montanha”, título da primeira obra assinada por ela.

À época, o marido, Benedito Carlos Rodrigues, 67, acompanhou a mulher. Naquele dia, os dois chegaram cantarolando à Cidade Branca. Na mesma data, à noite, Cleonir teve outra inspiração.

“Sentada nessas cadeiras de lanchonete, fiquei olhando o céu de Corumbá. Era um azul marinho que a gente mergulhava nele. As estrelas... parecia que se eu subisse em uma escada, poderia tocar nelas com a mão. Na hora veio na minha cabeça assim: hoje estou em Corumbá, noites quentes de verão, céu azul tão estrelado, refletindo uma paixão. / Ouço as aves a cantar, anunciando o alvorecer. / A chalana a deslizar, navegando com você. / Me sinto surpreendida encontrar tantas belezas. / Parece um altar sagrado, no meio da natureza”.

As duas músicas – Chuva na montanha e Corumbá Pantaneira - são as preferidas do casal, que decidiu, a partir dessa experiência, seguir carreira. Ele, até então, só havia cantando na igreja e por pouco tempo. Ela, ao contrário, cresceu em uma família de músicos. O avó era compositor e violeiro. O pai, catireiro. As tias, cantoras.

Arte do segundo CD, lançado há cerca de 7 anos. (Foto: Arquivo Pessoal)Arte do segundo CD, lançado há cerca de 7 anos. (Foto: Arquivo Pessoal)

Quando encomendadas por fazendeiros, a música vem em um CD gravado com outras 13 canções que o cliente gosta. Quem ouve, garantem eles, costuma elogiar, mas nem sempre imagina o trabalho que dá resumir e musicar uma biografia.

“Muitas vezes a história é complicada. O nome da pessoa é difícil para falar e tem alguns que querem que coloque o genro, a nora, o boi, bezerro, cachorrinho...”, revela Cleonir, ao comentar que, em uma dessas músicas, teve de dar um jeito de incluir, na letra, o nome de 7 fazendas. “Foi a esposa que pediu. E para encaixar?”, comenta.

Outras são mais tranquilas, mas nem por isso menos trabalhosas. A que fizeram para um fazendeiro de Maracaju, por exemplo, tem narrativa simples, mas uma história peculiar, como as restantes. A letra diz o seguinte: “Amigos, prestem atenção na história que vamos contar. / Hoje é 15 de abril, data para se comemorar. / É aniversário de um homem trabalhador e honrado. / É um médico de respeito e muito bem conceituado...”

Do carro para os palcos - Fato é que, por acaso, marido e mulher formaram a dupla Carlão e Cleonir, de olho no público do sertanejo raiz e romântico. Da cantoria no carro, indo para Corumbá, vieram os primeiros convites para apresentações.

Com o passar do tempo, os dois acabaram, de certa forma, apadrinhados por cantores mais conhecidos, como Delinha, considerada a grande Dama do Rasqueado.

“Ela incentivou muito porque fazia a gente cantar. A gente tinha vergonha de ir no palco e cantava sentado”, lembra Carlão. “Eu queria matar a Delinha”, completa a esposa. O marido continua o relato: “Ela erguia aquela mãozinha magra dela para cima e falava: gente, gente, tem um casal de amigos aqui, o Carlão e a Cleonir, que vão vir cantar umas modas que eles escrevem. É muito bonito. Até hoje ela faz isso”.

Apesar da vergonha no início, a ajuda de Delinha valeu muito a pena, reconhecem. Foi em um desses eventos, cantando para empresários, que a dupla conseguiu apoio para o gravar o primeiro CD (Duo Pantaneiro), que saiu em setembro de 2000.

Último CD, de 2012. (Foto: Alcides Neto)Último CD, de 2012. (Foto: Alcides Neto)

As primeiras músicas, escritas a caminho de Corumbá, fazem parte do disco, que tem mais 12 canções. De lá para cá, muitos shows aconteceram e mais dois CDs e dois DVDs (um fazendo participações especiais) foram gravados.

O reconhecimento, entre fãs e artistas locais, admiradores do ritmo, veio rápido. Das pequenas aparições, o casal passou a fazer trabalhos maiores. “Logo fomos cantar em uma mostra da Vale do Rio Doce em Corumbá. Tinha umas 50 mil pessoas. Foina [praça] General Ponce”, conta a mulher.

 Ela lembra de outro momento emblemático na carreira: a apresentação no velório da cantora Helena Meireles, a Dama da Viola, outro ícone da música Sul-Mato-Grossense.

“Cantamos no funeral dela, quando estava descendo o caixão”, diz. “Saímos no Jornal Nacional”, destaca o esposo. A música, que conta a vida de Helena, eles tem de cabeça: “Cantando conto história, da cabocla violeira, dedilhando a viola, cruzando muitas fronteiras. / De casa jovem saiu, em busca dos sonhos seus. / O passaporte é o sucesso, a viola quem lhe deu...”

No auge da carreira, que nunca foi estrondosa, a dupla fazia de 6 a 7 shows por mês. Atualmente, a média de é 1 a 2. Eles se apresentavam mais, dizem, graças à Fundac (Fundação Municipal de Cultura), mas a “paradeira” desta administração não está ajudando.

CDs de homenageados. (Foto: Alcides Neto)CDs de homenageados. (Foto: Alcides Neto)

Canções de homenagens - O sorte é que, desde os início, Carlão e Cleonir aprenderam a segurar o orçamento fazendo composições de homenagens. A lista de clientes, que tem pelo menos 40 nomes, é composta, em sua maior parte, por fazendeiros de Mato Grosso do Sul.

Mas qualquer pessoa pode encomendar. É só pagar. Uma música sai por R$ 5 mil, valor que a cantora considera barato. “Demora uns dois meses. A gente perde noite. Enquanto um dorme o outro acorda com alguma coisa na cabeça”, valoriza.

Para criar, o casal pede ao contratante a história do homenageado por escrita. A partir do relato é que eles compõe. O trabalho exige cuidado, criatividade e, mais que isso, um grande domínio de rimas para o sertanejo sai perfeito.

Serviço - O contato com a dupla Carlão e Cleonir pode ser feito pelo e-mail carlaoecleonir@hotmail.com e pelos números (67) 9908-7865, 9225-1790 ou 3222-8358.

Ouça, abaixo, a  música "Corumbá Pantaneira", a segunda composta pelo casal. 




imagem transparente

Compartilhe

Classificados


Copyright © 2016 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.