A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 07 de Dezembro de 2016

20/02/2016 07:12

Casal juntou as mochilas na Bahia, se mudou para Bonito e hoje fotografa a vida

Paula Maciulevicius
Jescika e Phillipe no Universo Paralello, durante o mochilão que está fazendo pela Bahia. (Fotos: Arquivo Pessoal)Jescika e Phillipe no Universo Paralello, durante o mochilão que está fazendo pela Bahia. (Fotos: Arquivo Pessoal)

Jescika e Phillipe. Ela teve de sair de Campo Grande e ele de Minas Gerais para se encontrarem na Bahia, reconhecerem um no outro o amor entre si, pela vida e pela fotografia. Donos de perfis no Instagram com fotos para lá de apaixonantes, eles vivem fotografando Bonito e vivendo as belezas naturais do lugar que escolheram chamar de lar.

Veja Mais
Casal queria poetizar início, mas soube rimar como ninguém o "fim" do amor
Monogâmico ou não, gays e lésbicas querem o direito de viver a afetividade

Ela é publicitária e ele, estudante e agente de turismo. Em 2014, depois de três anos de formada, Jescika decidiu passar um tempo em Arraial D'Ajuda, na Bahia, onde conheceu Phillipe. Em seguida, quando o genro seria apresentado aos pais dela, eles estavam numa dúvida cruel: se morariam em Florianópolis ou Bonito. Os dois buscavam um lugar para começarem uma história juntos que mesclasse natureza e paz.

"Ele se encantou com Bonito e acabamos conseguindo emprego na área do turismo e lá ficamos", resume Jescika Cristina Lemes da Silva, de 27 anos.

Casal no Abismo Anhumas: em cada detalhe que se olha, é uma beleza diferente que encanta.Casal no Abismo Anhumas: "em cada detalhe que se olha, é uma beleza diferente que encanta".
Em meio a multidão - Jescika e Phillipe na Lagoa da Capela."Em meio a multidão" - Jescika e Phillipe na Lagoa da Capela.

Os últimos dois anos têm sido assim, as coisas foram fluindo, eles encontraram emprego e viram nisso uma oportunidade de aliar fotografia, que sempre foi a grande paixão dos dois, à paz e ao amor.

"A gente já tirava umas fotos legais na Bahia antes de ir para Mato Grosso do Sul. Aí quando começamos a conhecer os passeios em Bonito, os cenários foram ficando cada vez mais maravilhosos", descreve Jescika.

Ao postarem só imagens dos passeios, eles perceberam que recebiam um intenso feedback de seguidores pedindo indicações de lugar e informações. Como já trabalhavam em agências de turismo, passaram a conseguir muitos clientes através das redes.

"Aí vimos nisso e na nossa história, uma oportunidade de focar na fotografia e nas mídias sociais e como o nosso sonho era qualidade de vida junto à natureza, resumimos em seguir "vivendo bonito", completa a publicitária. O perfil pessoal de cada um deles soma mais de 100 mil seguidores e o "Vivendo Bonito", o nome da conta do projeto no Instagram, do site e da página no Facebook, tem pouco mais de 1 ano e é o que encanta o casal. 

Selfie com a anta, no passeio do Rio do Peixe. Selfie com a anta, no passeio do Rio do Peixe.
Os 220m de profundidade da Lagoa Misteriosa. Os 220m de profundidade da Lagoa Misteriosa.

"É muito gostoso a gente ver que tem realizado os sonhos de outras pessoas, sabe? Já montamos pacotes para aniversariantes, ajudei em surpresa de pedido de casamento, pacotes para lua de mel", enumera Jescika.

De Bonito mesmo, apesar das viagens desde criança, Jescika conta que não conhecia nem 1/3 do que é oferecido e que se impressiona e se emociona cada vez mais. "Nosso Mato Grosso do Sul é sinistro, não é?", brinca.

Quando não está trabalhando, o casal está nos passeios. Em toda folga que tem, apenas uma na semana, eles embarcam em alguma aventura. Entre as postagens, têm registros de Bodoquena, Jardim e de Rio Verde, de passeios que também são vendidos partindo de Bonito ou do Sítio Passarim, que os dois conheceram nas férias em setembro. 

Comemorando 1 ano e meio de moradia em Bonito, com Lara, a arara doce e fotogênica. Comemorando 1 ano e meio de moradia em Bonito, com Lara, a arara doce e fotogênica.
Foto no Aquário Natural, um dos passeios mais requisitos em Bonito. Foto no Aquário Natural, um dos passeios mais requisitos em Bonito.

A principal renda não vem da fotografia em si. Por enquanto, o casal vive da venda de pacotes para Bonito, mas guardam o sonho de viverem dos registros. Vontade não falta. Os dois anos na cidade foram de intenso trabalho para eles voltarem ao local onde se conheceram, Bahia. É de lá que o casal dá a entrevista, durante um mochilão que já está durando dois meses.

"Trabalhamos que nem uns condenados para virmos juntos para o Universo Paralello, o maior festival de música eletrônica do mundo, em busca de boas experiências mesmo, novos lugares lindos de natureza, que eu sempre curti e priorizava estar perto", conta.

A ideia, além de curtirem o lugar e relembrar a história deles, era de acrescentar mais conteúdo às postagens, para tentar, num futuro, gerar renda através das divulgações. No entanto, o casal não contava com o furto do telefone celular de Jescika e a queima da GoPro.

"Ela tem uma case que é a prova d'água, mas possivelmente não vedou bem e entrou água. Levamos na assistência na hora, foi feita a limpeza e desoxidação, mas infelizmente queimou uma peça", relata Jescika. O casal agora está correndo atrás do prejuízo para continuar a fotografar e divulgar Bonito pelo mundo.

As fotos são postadas diariamente no Instagram de Jescika Lemes, Phillipe Millard, além do Vivendo Bonito.

Curta o Lado B no Facebook.

Durante percurso do passeio de duck pelo Rio Formoso.Durante percurso do passeio de duck pelo Rio Formoso.



imagem transparente

Compartilhe

Classificados


Copyright © 2016 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.