A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 03 de Dezembro de 2016

25/12/2014 07:45

Depois do diagnóstico do câncer, o Natal passou a ter um significado maior

Paula Maciulevicius
Para Mica, a ceia e o almoço deste ano vem carregado de gratidão. (Foto: Lusival Junior)Para Mica, a ceia e o almoço deste ano vem carregado de gratidão. (Foto: Lusival Junior)

A reunião da noite de Natal na casa da família Santos trouxe de volta o espírito natalino que há muitos anos já não reunia mais todos os irmãos. A varanda da residência no bairro Mata do Jacinto, aqui em Campo Grande, contou com quase 50 pessoas, entre familiares e amigos mais próximos que tinham muito a comemorar, em especial dona Mica. Para ela, a ceia e o almoço deste ano vem carregado de gratidão.

Veja Mais
Despedida dominou a web na semana em que todo mundo coloriu de verde o coração
Datilografado, pedido de casamento revelou primo apaixonado em 1980

Dois anos atrás, nesta mesma época ela passava por exames que diagnosticaram um câncer de mama. No ano passado, por conta das quimioterapias e radioterapias não houve comemoração e dos quatro irmãos, cada um passou para um lado.

Neste ano, há pouco mais de um mês, a filha Nayara Santos Rodrigues, de 32 anos, compartilhou no grupo de WhatsApp da família o, de certa forma, apelo.

"Há dias tenho feito uma retrospectiva de nossa família... Neste ano, em setembro, nós recebemos uma das melhores notícias, a estabilidade do tratamento da minha mãe. Em 2013, juntos choramos... Foram meses de aflição, dor medo, mas todos - como família - demos as mãos... O que mais quero é que juntos externemos nossa gratidão a Deus como família realizando um lindo Natal em família. Sei que muitos já fizeram planos para de viagem, eu sugiro que façamos até mesmo antes do dia 24..."

Filha Nayara foi quem fez o apelo, para que do mais velho ao mais novo, todos se reunissem neste Natal. (Foto: Lusival Junior)Filha Nayara foi quem fez o apelo, para que do mais velho ao mais novo, todos se reunissem neste Natal. (Foto: Lusival Junior)

A mensagem era extensa e por isso Nayara até se desculpou. No entanto, tocou o coração de toda família. Quem tinha compromissos e viagens cancelou para poder fazer do Natal de 2014 um momento de gratidão e o anfitrião da noite foi um dos irmãos de Mica, aqui na Capital.

"Na verdade nós temos vários motivos de gratidão, um deles é minha mãe. O Natal do ano passado foi completamente diferente", conta-nos, ao vivo, Nayara.

A mãe, de nome é chamada de Waldenir Santos Rodrigues. Tem 55 anos e o apelido de Mica. "O diagnóstico acabou tirando o chão de todo mundo. Foi um ano bem difícil, na verdade a gente nunca sabe o que vai acontecer amanhã, mas eu vivia só por hoje", descreve.

E foi num momento assim que dona Mica viu o valor que precisa dar à vida, à família, a quem compartilhamos sorrisos, lágrimas e de onde tiramos força para superar uma notícia dessas. "Eu pude ver a morte de perto e um dos motivos hoje, do Natal, é de compartilhar a felicidade e o mais importante: é a gratidão a Deus, que faz milagres", continua.

Neste ano os cinco irmãos se reuniram para uma ceia muito especial ao lado da mãe, dona Luzia. (Foto: Lusival Junior)Neste ano os cinco irmãos se reuniram para uma ceia muito especial ao lado da mãe, dona Luzia. (Foto: Lusival Junior)

A reunião familiar começou com um culto de ação de graças, se estendeu às brincadeiras do amigo da onça, até a vasta ceia de Natal. "Não estou de alta ainda, estou em observação devido às quimioterapias", explica. Foram mais de 40 sessões de quimio e outras 35 de radio. A última delas, há dois meses.

"A vida passa muito rápido e às vezes, infelizmente, você acaba se perdendo da família. A gente deixa em segundo plano", compreende hoje dona Mica. A filha Nayara acompanha o pensamento e ainda estende a responsabilidade que tem em manter a família unidade. "É a essência do vô, o que ele deixou em nós. Ele não deixou herança, mas deixou a família".

O sentimento de dona Mica não é só por causa do Natal. Depois do diagnóstico, do tratamento e da estabilização da doença, ela aprendeu a valorizar os segundos.

"Hoje é um dia especial para mim, sempre foi, mas depois da doença, cada momento é mais importante. Aprendi a dar valor nas árvores, nos pássaros. Cada sol que nasce e que se põe é de um dia que foi dedicado a você e são coisas que às vezes na correria a gente nem percebe. E tudo tem um sentido, não só no Natal, mas em cada segundo da vida da gente".

Como há muitos anos não se via, a foto é registro da união dos Santos, desta vez por gratidão, acima de tudo.  (Foto: Lusival Junior)Como há muitos anos não se via, a foto é registro da união dos Santos, desta vez por gratidão, acima de tudo. (Foto: Lusival Junior)



imagem transparente

Compartilhe

Classificados


Copyright © 2016 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.