A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 03 de Dezembro de 2016

16/01/2015 09:58

Depois que a chácara foi invadida, dona sentiu o que é ter o apego roubado

Paula Maciulevicius
Quando a tristeza bateu à porta, a dentista Dirlene Dal Bem, de 52 anos, percebeu que se afastando do meio em que foi criada, também ficou longe dos sorrisos. (Foto: Arquivo Pessoal)Quando a tristeza bateu à porta, a dentista Dirlene Dal Bem, de 52 anos, percebeu que se afastando do meio em que foi criada, também ficou longe dos sorrisos. (Foto: Arquivo Pessoal)

Há 12 anos o remédio para a depressão foi voltar para as raízes. Sentir o cheiro da terra molhada, os pés na grama, a distração de cuidar das plantas e criar abelhas. Quando a tristeza bateu à porta, a dentista Dirlene Dal Bem, de 52 anos, percebeu que se afastando do meio em que foi criada, também ficou longe dos sorrisos.

Veja Mais
Despedida dominou a web na semana em que todo mundo coloriu de verde o coração
Datilografado, pedido de casamento revelou primo apaixonado em 1980

"Fui criada em fazenda, no interior do Paraná. Me formei aqui, mas antes de formar já casei, vieram as meninas. A gente tenta trabalhar, se dedicar e vai ficando na vidinha, muito presa..." tenta encontrar palavras. Dirlene viu com o crescimento das filhas que era hora de voltar para si. "Chegou um final de ano que eu só chorava, abriu uma tristeza, uma coisa ruim. Gente o que eu estou fazendo da minha vida?" se perguntava. E cada vez que ia para chácara de amigos, conhecidos, voltava no tempo. Respirava o ar puro e tirava um fôlego para aguentar um pouco mais.

Chácara é palco de festas juninas desde 2008. (Foto: Arquivo Pessoal)Chácara é palco de festas juninas desde 2008. (Foto: Arquivo Pessoal)

"Descobri que estava precisando era do contato com a natureza de volta e comecei a procurar um lugar. Procurei por um ano", conta. Até que numa das infinitas conversas que tem com os pacientes que se tornam amigos no consultório, Dirlene ouviu de um deles que seria dono de uma chácara sem ter vontade.

"Eu fiquei perguntando, mas quantos hectares são? Eu só queria um cantinho para ser o rancho no final de semana, encher de fruta..."

Um certo dia a dentista foi com o paciente/amigo até a chácara. Apesar de ser um pouquinho maior do que o planejado, a área era de encantar os olhos. "Quando eu cheguei e vi aquela cumbaru no meio. Aquela árvore enorme, eu dei um abraço. Eu pirei, comprei a chácara e fui ficando revigorada".

O bem que o cantinho fez a ela é notável aos olhos e até mesmo na doçura das palavras. "Me sinto muito bem, gosto demais de lá. Eu sou outra pessoa quando estou lá, às vezes nem tenho companhia, mas fico cuidando das flores, das coisas".

Panelas e até fogão industrial foi levado. (Foto: Arquivo Pessoal)Panelas e até fogão industrial foi levado. (Foto: Arquivo Pessoal)

Das três décadas de consultório e do grupo de amigos formados através das festas da Colônia Paraguaia, Dirlene tinha gente para tanto espaço, animação para as festas e público que acompanhasse de perto a alegria que a chácara lhe proporcionava. Há oito anos, a dentista passou a realizar em junho para os amigos e familiares o "Arraial de João de Barro", onde as panelas enormes tomam conta do fogão industrial para servir tantos convidados caipiras.

"A primeira festa teve 100 pessoas, a quarta, 400. Se a chácara é a minha paixão? Nossa e que paixão", resume. 

No final do ano que passou, Dirlene foi surpreendida, mas para o negativo. Numa quarta-feira chegou à chácara e percebeu que o alarme estava desligado, as luzes não acendiam, havia algo errado. "Eu abri a porta da sala e encontrei tudo arregaçado. Eles entraram pelos fundos e levaram tudo. As panelas, o som, até uma maquininha de fazer macarrão que eu ganhei de uma pessoa que já está com quase 100 anos. Quando dei falta dessa máquina, eu fiquei desesperada". 

Alguns dos objetos, com a ajuda da Polícia, Dirlene conseguiu reaver. Incluindo a tal maquininha. "Quando eu vi, eu quase chorei. Mas sabe que depois do roubo eu não prestei para mais nada? Eu fiquei muito triste. Era o meu cantinho, eu chegava lá de peito aberto, tranquila..." 

Ver o apego roubado doeu muito. "Lá é um lugar de descansar, de ficar embaixo das árvores, de jogar conversa fora. De ficar dando risada. É este o meu sentimento, de você pensar será que nem aqui vou ter paz?" questiona.

O "remédio" para a depressão foi posto à prova. Dirlene resistiu. "Eu não sei como estaria hoje se não tivesse voltado para o mato. Depois daquilo eu fiquei pensando, não é por aí. Vou fazer minhas coisas, meus doces, minhas festas. Receber amigos que eu gosto e fui animando de novo. Ainda estou com a unha encardida com coisa da terra, mas não tem problema é o meu hobby". O Natal já foi na chácara e as festas voltaram a ter sede. Quando o apego é roubado, é preciso buscar nas memórias as boas lembranças e tudo o que ainda pode vir a acontecer.

A árvore que foi paixão à primeira vista. E com razão. (Foto: Arquivo Pessoal)A árvore que foi paixão à primeira vista. E com razão. (Foto: Arquivo Pessoal)



imagem transparente

Compartilhe

Classificados


Copyright © 2016 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.