A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 08 de Dezembro de 2016

18/02/2014 13:55

Doar ou vender roupas é desapego mesmo ou só uma desculpa para descartar lixo?

Anny Malagolini
De acordo com psicólogo, se apegar ao material, é uma forma de preencher uma falta.  (Foto: Marcos Ermínio)De acordo com psicólogo, se apegar ao material, é uma forma de preencher uma falta. (Foto: Marcos Ermínio)

A prática do desapego material, o “não” ao acúmulo, são ideologias recorrentes,  coisa da moda. Mas o desapego existe ou é uma forma de se livrar do que não tem mais uso? Donas de brechó, por exemplo, sabem que muitas vezes isso é só discurso para se desfazer de coisa velha, sem serventia.

Veja Mais
Na hora de conhecer o bom velhinho, simpatia da Mamãe Noel faz toda a diferença
Casal queria poetizar início, mas soube rimar como ninguém o "fim" do amor

Gilvania Maciel, de 44 anos, é proprietária de um brechó, e diz que fica evidente a venda de objetos usados com a intenção de se fazer dinheiro. Ela acredita, que até pode existir o desapego, mas na maioria das vezes, vender ou doar roupas é uma forma de jogar fora o que não tem uso. “Já peguei sacola com roupas velhas, e até roupa íntima furada. Isso não é desapego”, reclama.

Dona do “Brecharia”, Bruna Fagundes passa pela prova do desapego alheio diariamente, recebendo roupas para revender. Com tanto coisa velha pela frente, ela teve de estabelecer critérios para comprar as roupas e não virar ponto de descarte.

“Eu já explico o jeito que eu quero. Com sinal de usada não compro e aconselho a levarem roupas em um estado que a própria pessoa compraria. Não quero apenas um descarte do guarda-roupa”, explica.

Bruna aponta que a maioria é muito consumistas, pessoas que fazem “limpas” do guarda-roupa para comprar mais. Há muitas peças de grife, e sempre em bom estado. “Tem gente que precisa de dinheiro que faz a limpa. Vende e compra mais. Tem dó de doar, já que a roupa está nova. Não perder o dinheiro pago pela roupa”.

Uma das fornecedoras do brechó e a nutricionais Lais Lunardon, de 36 anos, que admite “Gosto muito do verbo 'comprar', e por conta disso, o guarda-roupa vive lotado, e para poder comprar mais, o jeito é se desfazer das peças". A funcionária de Laís é quem a avisa quando o guarda-roupa está cheio. "Ela percebe pela falta de cabides”, comenta.

A nutricionista explica que grande parte de suas roupas são vendidas ao brechó e às amigas, principalmente, as que não foram usadas e ainda estão com etiqueta. Mas ela também diz que doa o que pode às funcionárias. “Eu me sinto muito melhor com o desapego".

Para o psicólogo Fabrício Basso, o apego funciona como uma manobra de se lidar com a falta. “É o nome da interminável busca de preenchimento e dominação da falta”, resume.

Por conta disso, o desapego não é uma tarefa fácil, se tornou um exercício. “Se livrar do material seria o mesmo que se livrar do sentimento empregado a este produto” e completa “Por natureza, temos esta busca de preencher uma falta. O que seria possível, então, é trocar um 'dado' apego por outro, então, fica quase que impossível se desapegar destes produtos”. Fabrício sugere aos consumidores compulsivos que procurem ajuda psicológica para que encarem seu “real desejo”.

Ele lembra que o objeto só se torna importante porque um dia houve algum sentimento envolvido. Para ele, o valor emocional também conta, e querer se livrar quer dizer que está disposto a fazer transformações, sejam sentimentais, ou materiais.

Alguns brechós criaram critérios para não receber peças de descarte (Foto: Facebook)Alguns brechós criaram critérios para não receber peças de descarte (Foto: Facebook)



Para mim é descarte de lixo que ainda tenha algum valor financeiro ou utilidade social (no caso de doações).
 
João Dias em 18/02/2014 22:31:02
olha ai que legal ,,,vou vender minhas roupas usadas tenho muitaaaa ,,, uma graninha e sempre bem vinda ,,,,=)
 
vilma santos em 18/02/2014 16:20:08
Se doamos roupas e outros pertences que estejam em bom estado, portanto, em condições de ser utilizado por quem os recebe, então nada tem a ver com descarte de lixo. A prática da doação deveria ser rotineira entre todos, a tal ponto de as pessoas precisarem comprar cada vez menos. Em minha casa, desde sempre é assim: se entra algo novo, outro produto semelhante, e e bom estado, tem que sair. Isto aprendi de berço, e tenho passado para minhas filhas, parentes e amigos. Pena que tem muita gente que só gosta de receber, receber e receber, e nunca abre o coração para outros.
 
Fernando Silva em 18/02/2014 15:47:27
imagem transparente

Compartilhe

Classificados


Copyright © 2016 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.