A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 19 de Janeiro de 2017

18/05/2014 07:53

Fotógrafa iniciante quer ser especialista em corpos transgêneros

Elverson Cardozo
Ensaio no ferro velho. (Foto: Pamella Paine)Ensaio no ferro velho. (Foto: Pamella Paine)
Pamella começou a se interessar por fotografia ainda na graduação. (Foto: Arquivo Pessoal)Pamella começou a se interessar por fotografia ainda na graduação. (Foto: Arquivo Pessoal)

O interesse de Pamella Paine pela fotografia nasceu durante a graduação em Artes Visuais na UFMS (Universidade Federal de Mato Grosso do Sul), em Campo Grande, mas só depois de formada é que ela resolveu investir no ofício.

Veja Mais
Guardiã de João, por uma semana repórter cuidou do Fusca sem freios de Júlia
Na novena que atrai milhares, até padre vai em busca de graça

Em 2012, com o diploma na mão, mudou-se para São Paulo em busca de emprego, disposta a estudar para concursos, e com a ideia fixa de se tornar uma fotógrafa erótica, especialista em corpos transgêneros.

O projeto inicial era clicar travestis, revelar o mundo particular delas, saber um pouco das histórias e anseios de cada personagem, mas, apesar dos contatos e das várias tentativas, pessoalmente e pela internet, não houve retorno.

Ninguém aceitou ser fotografada, talvez porque "não estão acostumadas a ganhar nada de graça”. Se desse certo, não seria uma fotografia comum, salienta. “Eu queria trabalhar justamente essa coisa do esteriótipo. Fotografar, mas também perguntar o que elas gostam, o que sentem, como sentem prazer, que roupas preferem...” explica, ao comentar que o objetivo, desde o início, era mostrar o lado humano das pessoas.

Sem retorno, Pamella, que se apresenta como transgênero (nem travesti e nem transexual, “porque ainda não tem um diagnóstico de médico, de nada”), continua disposta a tentar, mas, agora, busca tirar o projeto do papel em Campo Grande.

Registro do artista José Henrique Yura. Registro do artista José Henrique Yura.

O problema é que, aqui, também é difícil convencer as “meninas”. Nenhuma aceitou. O jeito, então, foi expandir a ideia com outros “personagens”. Como começou agora, Paine tem fotografado amigos mais próximos para montar o próprio portfólio.

“Tem transgêneros, héteros, bissexuais, algumas mulheres que gostam de gays. São pessoas com certa liberdade sexual”, conta, ao dizer que não quer trabalhar só com “pessoas do nicho” e nem com os “agraciados socialmente”, mas gordos, magros, peludos e por aí vai.

“A pessoa que estiver disposta a se despir para mim, como eu faria com as travestis, eu topo”, afirma. “Acho até que o heterossexual machista, homofóbico, tem algo a dizer. Também tenho que mostrar o lado dele”, completa.

Por uma questão de “sobrevivência”, Pamella aceita fazer fotos comerciais, para anúncios, por exemplo, mas garante que vai manter o padrão nu artístico, mais poético. A sessão que, nas palavras dela, pode durar um hora ou um dia (porque é um trabalho mais conceitual) custa a partir de R$ 800,00.

Esse valor inclui maquiagem e 40 fotos tratadas, disponibilizadas em arquivo digital. Pamella não trabalha com estúdio, apenas em locação externa. Outras informações podem ser obtidas pelo e-mail pamellayule@gmail.com ou no telefone (67) 8129-6505.




imagem transparente
Busca

Compartilhe

Classificados


Copyright © 2017 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.