A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 04 de Dezembro de 2016

25/07/2014 06:23

Grupo sai de Campo Grande para trabalhar em projeto humanitário no Piauí

Elverson Cardozo
Voluntários ajudam na cozinha e contam com apoio dos próprios moradores. (Foto: Everson Cabral)Voluntários ajudam na cozinha e contam com apoio dos próprios moradores. (Foto: Everson Cabral)

A vontade de fazer o bem, ajudar o próximo e arrancar sorrisos fez com que um grupo de campo-grandenses deixasse Mato Grosso do Sul para uma viagem até Capitão Gervásio de Oliveira, no interior do Piauí, uma das regiões mais pobres e afastadas do país.

Veja Mais
Despedida dominou a web na semana em que todo mundo coloriu de verde o coração
Datilografado, pedido de casamento revelou primo apaixonado em 1980

No município que, segundo o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), conta com população estimada de 3.975 mil moradores, eles se reuniram com mais de 200 pessoas, de vários locais do Brasil, para uma missão humanitária, batizada de "Impacto Capitão Gervásio". Cada um pagou a própria viagem.

O projeto é das ONGs “Livre Ser”, que mantém abrigos em São Paulo e se dedica a cuidar de crianças abandonadas, vítimas da exclusão social, tráfico de órgão e prostituição infantil, entre outras situações, e da “Mais Aguá”, focada na distribuição de dessalinizadores, aparelhos que garantem a distribuição de água potável, sem o excesso de sal.

Na cidade, os voluntários instalaram os aparelhos em duas comunidades, mas também cantaram, tocaram, atuaram, se divertiram com as crianças, fizeram visitas de casa em casa, levaram atendimento médico-odontológico aos que necessitam, distribuíram cestas básicas, roupas e ergueram até uma igreja.

Conversa com crianças é uma das ações do projeto. (Foto: Everson Cabral)Conversa com crianças é uma das ações do projeto. (Foto: Everson Cabral)

“Escolhemos essa localidade porque ela faz parte do polígono da seca, onde fica 3, 4 anos sem chover e onde as pessoas morrem por causa disso. É a região mais pobre do país”, explica o vice-presidente das organizações, o advogado Niutom Ribeiro Chaves Junior, de 38 anos.

O trabalho, explica, tem a duração de 10 dias contados e costuma acontecer nos meses de janeiro e julho. A experiência, desta vez, ainda não terminou, mas quem já retornou e viu de perto a dura realidade, tem dificuldade de expressar em palavras o que viveu.

Apesar de conhecer a iniciativa desde 2010, o pastor batista Mauro Clementino da Silva, de 55 anos, fez a viagem pela primeira vez e voltou maravilhado com a experiência. “Você vai pensando em ajudar, fazer alguma coisa que possa contribuir. Isso, de fato, acontece, mas a gente ganha muito mais. É impossível não mudar. Não acredito que alguém tenha voltado do mesmo jeito”, conta.

A dificuldade que os moradores tem para conseguir água chamou a atenção. “Aqui a gente nem pensa. Abre a torneira e ela já cai. Eles não. Precisam correr atrás”, observa. O olhar de cada um também ficou na memória.

População recebe atendimento médico. (Foto: Everson Cabral)População recebe atendimento médico. (Foto: Everson Cabral)
E carinho... (Foto: Everson Cabral)E carinho... (Foto: Everson Cabral)

“As crianças tem aquele olharzinho de 'será que alguém pensou em mim?', jovens e adolescentes ficam naquela de 'quando será a minha vez de sair daqui?', o adulto tem o olhar de desesperança e o idoso parece conformado a morrer naquele lugar”, descreve. “Ninguém pensa neles, em investir neles”, lamenta.

E “eles”, prosseguem, estão tão acostumados à situação que estranham a bondade. “Teve um senhorzinho que veio me agradecer. Apertou minha mão e disse: obrigado pela esmola que vocês deram para a gente. Eu falei que não era esmola, mas bençãos de Deus na vida deles”, relembra.

Niutom Ribeiro, o vice presidente das ONGs, comenta que relatos assim são frequentes. A realidade choca mesmo, mas ensina. “A miséria lá não é como nos grandes centros. É uma miséria, uma pobreza de oportunidade, de não conhecimento e total abandono. Todas as vezes que eu vou para lá volto com uma lição maior e me sentindo mais humano”, diz.

Para conhecer a ONG Livre Ser, clique aqui. A Mais Água ainda está sendo institucionalizada.

Município de Capitão Gervásio de Oliveira tem menos de 4 mil moradores. (Foto: Everson Cabral)Município de Capitão Gervásio de Oliveira tem menos de 4 mil moradores. (Foto: Everson Cabral)
Água tratada com dessalinizador é uma das conquistas. (Foto: Everson Cabral)Água tratada com dessalinizador é uma das conquistas. (Foto: Everson Cabral)

Assista, abaixo, a mesma ação no município de Betânia do Piauí, em janeiro de 2014.




imagem transparente

Compartilhe

Classificados


Copyright © 2016 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.