A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 09 de Dezembro de 2016

23/06/2014 06:46

Há 29 anos, ele é pai 24h por dia e supera ao lado do filho as dores do autismo

Paula Maciulevicius
Deir não tem profissão, além de ser pai em tempo integral de Marquinho, autista com um grau considerado severo da doença. (Fotos: Cleber Gellio)Deir não tem profissão, além de ser pai em tempo integral de Marquinho, autista com um grau considerado severo da doença. (Fotos: Cleber Gellio)

“Marquinho! Hoje é seu aniversário, meu filho querido, sei que você não está bem, mas saiba que sinto sua dor também, meu filho. Parabéns, nunca vou te abandonar, estarei todos os dias, na madrugada, na noite, sempre ao seu lado, porque é muito especial para mim. Parabéns papai te ama”.

Veja Mais
Caligrafia da escola rendeu à Marystella a profissão de designer de lousas a giz
Luis ganhou o título de presidente e hoje é dono da própria cadeira no bar

O texto acima foi postado dia 16 de junho, segunda-feira passada, quando Marco Aurélio completou 29 anos. O pai, Deir Ferreira de Arruda, viu na data motivo para comemorar. Razões que a gente, de fora, se pergunta quais são.

Deir não tem profissão. Aos 49 anos é pai 24h por dia, 7 dias por semana, em tempo integral. Pai de um filho autista, com um grau considerado severo da doença. Um homem com traços envelhecidos, um ar cansado, que vem nos abrir a porta e explica a cara de sono dizendo que está de pé desde 2h da manhã, quando Marquinho levantou.

Os cuidados são os mesmos longe ou perto das lentes, o carinho se repete diariamente.Os cuidados são os mesmos longe ou perto das lentes, o carinho se repete diariamente.

Na casa humilde, alugada e de poucos cômodos, Marquinho passa pulando de um lado para o outro. Está tranquilo e os pulos são no ritmo do som, no rádio do jovem está tocando Pitty, artista que ele mais gosta. É na melodia que ele encontra uma terapia. Se acalma, ou se agita, conforme a música dita. “O autista é assim”, resume o pai sobre o comportamento do filho. Marquinho não fala, enxerga, mas a gente não sabe dizer o que ele vê.

Na semana passada, as mãos tocaram o bolo de aniversário. Deir nunca pode levar Marquinho às festas de criança sem que pudesse tirar os olhos do menino. Ele explica que é porque em qualquer descuido, o filho colocava a mão no bolo destruindo glacê e o que viesse de recheio.

Há muito tempo não se festejava o aniversário de Marquinho. Deir não sabe precisar quando foi o último dia 16 de junho passado assim. Na casa da tia, o aniversariante recebeu os familiares, ou melhor, a família o recebeu. Balões, refrigerantes e as velinhas. “Para mim ele sabia que a festinha era para ele. Ele ficou bem feliz”, comenta.

Quem soprou as velinhas foi Deir, é o pai que vê motivo e razão na chegada de mais um ano de vida. “Ele estabilizou, venci uma etapa que é a estabilização da saúde dele”.

Quando o Campo Grande News conheceu Marco Aurélio, há 3 anos, o pai estava em desespero. O autista colecionava convulsões e a família só recebia más notícias, desde a piora no estado de saúde até o encerramento do atendimento em psiquiatria pela Santa Casa.

Registro da festa em família para Marquinho. (Foto: Arquivo Pessoal)Registro da festa em família para Marquinho. (Foto: Arquivo Pessoal)

Só neste ano é que Deir conseguiu, pela Justiça, direito aos medicamentos e fraldas para o filho de graça, pela Casa de Saúde. Até então, era tudo do bolso dele, que sem emprego, vivia apenas da renda do INSS.

Hoje, Deir ainda carrega nos olhos o peso de quem não dorme e não come direito, de quem pensa mais no filho e mal se lembra de si. Constatação que ele mesmo faz em voz alta. “Tem medicamento, tem que fazer almoço. Você esquece de você”.

O filho começa a demonstrar agitação, talvez pelas visitas, ou pela atenção que o pai dispensava a nós. “Vamos até aquela avenida nova? Ele adora passear, falou de por o tênis, ele já sabe”, descrevia Deir.

Dito e feito, ao chamar Marquinho para calçar o tênis, o menino magro, na altura do seu 1,71m, se sentou esperando o pai colocar um pé depois do outro. Em mãos, duas tampas que ele não desgruda. “Autista se apega a objetos e você não pode trocar, mas são sempre tampa de garrafa ou plástico”.

Na região do bairro Santo Eugênio, o rapaz respira o ar da manhã, toma um sol e caminha lado ao lado do pai. Não é cena para foto. O que Deir faz diante da lente da câmera ele também faz quando não se tem plateia: carinho ao filho.

Nos olhos e na voz, ele descreve o medo que tem, de quantos aniversários ainda pode ter pela frente. “Tenho medo de dar algum problema em mim, quem vai ficar com ele?” No soprar das velinhas e no corte do primeiro pedaço de bolo, os desejos vem do pai, para que ele tenha mais anos de vida junto do filho.

O que lhe falta? Deir podia discorrer horas sobre uma lista de necessidades, mas não, se restringe a dizer sobre o atendimento multidisciplinar ao filho. “Aquele atendimento eu ainda não consegui. É um local que tenha psicólogo, assistente social, fonoaudiólogo, nutricionista. Aqui em Campo Grande só tem ONG que oferece e o Marquinho já tem 29 anos”.

A saúde do autista está melhor, o quadro é considerado estável, por ora. “A partir do momento em que você aceita, você enxerga as perspectivas, se sente melhor, mais feliz, embora ainda sofra muito”, resume o pai. E que venham muitos anos de vida junto do filho.

E que venham muitos anos de vida junto do filho.E que venham muitos anos de vida junto do filho.



Parabéns ao Marquinho por mais um aniversário presente de Deus.Parabéns ao pai do Marquinho,Sr. Deir que leva a sério sua missão incondicional de pai 24h.Uma pergunta.O que aconteceu com a mãe do Marquinho ?Faleceu? ou abandonou o lar com um filho necessitando de tanta ajuda?Tem mãe e pai que abandonam filho(a) nessas condições, infelizmente. Não estou dizendo que seja esse o caso da mãe do Marquinho porque ninguém tem o direito de dizer uma inverdade sem conhecer os fatos. Gostaríamos de saber se possível o que aconteceu com a mãe do Marquinho. Concluo dizendo que Deus abençoe ricamente a vida do Marquinho que sempre vai cuidar dele com o pai ou sem o pai, precisamos crer nisso. Parabéns ao pai por tanta dedicação ao filho. Isso é que é ser pai de verdade, existem mães de verdade também.
 
JOÃO ALVES DE SOUZA em 23/06/2014 15:16:21
imagem transparente

Compartilhe

Classificados


Copyright © 2016 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.