A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 19 de Janeiro de 2017

25/01/2016 06:41

Há 336 dias, Santa Casa vê o sorriso de Edna a Luiz, única comunicação do casal

Paula Maciulevicius
Há quase 1 ano, o quarto 417 é a casa de Luiz. (Foto: Fernando Antunes)Há quase 1 ano, o quarto 417 é a casa de Luiz. (Foto: Fernando Antunes)

O número 417 é para seu Luiz Carlos mais do que a indicação do quarto. Virou referência de lar depois que a Santa Casa passou a ser endereço fixo. Há 336 dias ele entrou por aquela porta, vindo de Aquidauana, com a esposa Edna. Juntos, eles viram passar no calendário o aniversário, de casamento, o dela, o dele, Páscoa, Natal e o ano virar.  

Veja Mais
Guardiã de João, por uma semana repórter cuidou do Fusca sem freios de Júlia
Na novena que atrai milhares, até padre vai em busca de graça

Depois do último AVC e um histórico de saúde complicado há 20 anos, Luiz Carlos entende a esposa pelo sorriso ou pelo choro. É a única forma de comunicação entre os dois. "Ela respira pela traqueostomia, quando é um 'sim', ela sorri, quando 'não', faz cara de choro", explica Luiz Carlos Barbosa, de 61 anos. Marido, pai de três filhos, caminhoneiro e corintiano. 

Três camisas, duas dela do time do coração, é o que compõem o guarda-roupa dele, ao lado de duas bermudas e chinelos. Vai fazer um ano que a vida é assim, de acompanhante da esposa, de dormir na poltrona, de morar no quarto 417. 

Luiz Carlos entende a esposa pelo sorriso ou pelo choro. (Foto: Fernando Antunes)Luiz Carlos entende a esposa pelo sorriso ou pelo choro. (Foto: Fernando Antunes)

Os dois têm 61 anos e reconhecem um 'sim' ou um 'não' só de olhar pelo tempo de convivência. Eles tinham entre 10 e 11 anos quando Edna ia com o pai pescar às margens do Rio Miranda e se recusou a dançar com Luiz na matinê de domingo. "Por isso que é uma história boa...", ri Luiz ao contar da trajetória de amor do casal. Depois disso teve escola, trabalho num posto de gasolina juntos, o casamento, até a tatuagem escrita "Edna" e um coração, como presente de 40 anos de casados dele para ela.

Ao longo da vida juntos, Edna aprendeu a ser caminhoneira. Viajou com o marido até antes dos filhos chegarem. Depois só o aguardava entrar na cidade, vindo da estrada, para por cerveja para gelar e carne na churrasqueira. "Vinte anos atrás ela teve um aneurisma viajando comigo, tinha pressão alta já", lembra Luiz. Eles estavam em Três Lagoas, onde foi socorrida e transferida para a Santa Casa de Campo Grande, pela primeira vez.

Os dois anos seguintes foram de sequelas, até que "por Deus", como atribui o marido, Edna se curou e ainda cuidou durante quase uma década da mãe com mal de Alzheimer. No ano passado, ao comemorarem 40 anos juntos, ele resolveu provar o amor na pele.

Três camisas, 2 bermudas e uma poltrona fazem do quarto, moradia dele. (Foto: Fernando Antunes)Três camisas, 2 bermudas e uma poltrona fazem do quarto, moradia dele. (Foto: Fernando Antunes)

"Era o nome dela, da minha mãe, do meu pai e do meu neto, mas ia ficar muito grande. Fiz só o dela para provar que dela eu gosto. Eu vejo muita gente botar nome e depois ter que borrar. O dela eu jamais faria isso, porque ela jamais me abandonaria e eu jamais abandonaria ela, nunca, por nada nesse mundo".

A declaração de amor traz um pouco de remorso, de quem admite que pelas estradas da vida nunca foi santo. "Judiei um pouco dela sim, eu era muito namorador. Mas ela é tão maravilhosa".

No início do ano passado, o problema começou com infecções no rim, tireoide e pressão alta, Luiz Carlos estava no meio da reforma da casa em Aquidauana quando ela passou mal. "O coração parou, correram com ela para o hospital, faltou oxigênio. Chegamos aqui dia 22 de fevereiro, às 11h da noite..." capítulo que não terminou até hoje, quase um ano depois.

Luiz Carlos entrou na Justiça contra o Estado para conseguir os equipamentos necessários para poder levar a esposa para casa. O processo já sofreu alteração desde que ela deixou para trás limitações maiores e agora a única coisa que precisaria era a instalação de oxigênio em casa e a transferência para o Hospital de Aquidauana, recusada até então.

Ela precisaria ir primeiro para o hospital do município, para que a equipe de lá acompanhe o quadro e as adaptações necessárias na casa. "Eles prometeram, mas não levam. Não querem receber ela lá, não sei porque", questiona o marido.

A casa dos dois é descrita a nós como quem explica como é o melhor lugar do mundo. "Tem 23 tipos de fruta lá, é uma casa maravilhosa, tem varanda, cozinha para fora, grande. Três quartos". A residência de lá ficou só na escritura, já que no sentido literal, é no quarto andar da Santa Casa onde Luiz e Edna dormem e acordam. Ela na cama hospitalar, ele na poltrona ao lado. "Faltar não falta nada aqui, é igual panela de mãe, está sempre cheia", brinca com o hospital.

Sobre a tatuagem, a mesma que fica evidente quando Luiz penteia os cabelos da mulher, ele diz que Edna adorou.

"Desenhei o nome dela também no meu caminhão e uma frase: Edna, na lembrança do teu sorriso eu viajo feliz. O que é o sorriso dela para mim? Ele paga tudo, todo o meu sacrifício. Eu jamais deixaria, ela é tudo para mim. Eu sei que ela vai morrer, mas eu só queria que ela ficasse, pelo menos numa cadeira de rodas, para eu ligar o rádio para ela, ela adora música. E eu ficaria grudado nela até o dia que ela tivesse vida".

Curta o Lado B no Facebook.

Tatuagem foi feita para marcar os 40 anos de casados, dias antes do último AVC de Edna. (Foto: Fernando Antunes)Tatuagem foi feita para marcar os 40 anos de casados, dias antes do último AVC de Edna. (Foto: Fernando Antunes)



O amor é lindo, o amor é cego, o amor é bom, o amor é tudo!
Melhor diz a Bíblia:
"O amor é paciente, o amor é bondoso. Não inveja, não se vangloria, não se orgulha.
Não maltrata, não procura seus interesses, não se ira facilmente, não guarda rancor.
O amor não se alegra com a injustiça, mas se alegra com a verdade.
Tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta".
1 Coríntios 13:4-7
Esse homem ama verdadeiramente essa mulher! Vida longa, saúde e alegrias a eles
 
Elaine Manzig em 13/02/2016 23:27:15
Que história linda. Emocionante!
 
Kelly Onishi em 25/01/2016 18:36:32
Oh meu Deus! Que história bonita! Meus olhos estão marejados... Força para ambos!
 
JESSICA MACHADO GONÇALVES em 25/01/2016 10:08:13
imagem transparente
Busca

Compartilhe

Classificados


Copyright © 2017 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.