A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 09 de Dezembro de 2016

04/08/2013 11:57

Hora do Mamaço tem adesão recorde, participação de pais e boas histórias

Elverson Cardozo
Segundo organização, mais de 50 mamães compareceram ao evento. Ano passado o público foi de 10. (Foto: Cleber Gellio)Segundo organização, mais de 50 mamães compareceram ao evento. Ano passado o público foi de 10. (Foto: Cleber Gellio)

Pelo menos 50 mulheres participaram, na manhã deste domingo (4), da “Hora do Mamaço”, no Parque das Nações Indígenas, em Campo Grande. O evento, que acontece em outras cidades, estados e países, em comemoração à Semana Mundial do Aleitamento Materno, promovida no início de agosto, teve maior adesão nesta segunda edição, mais que o quádruplo de público do ano passado, e reuniu não só mães de primeira viagem, mas quem deixou de amamentar há anos e até quem ainda está esperando o bebê.

Veja Mais
Aos 56 anos, Márcia é parceira do filho do tênis de LED ao Pokémon Go
Papai é a estrela, mas Mamãe Noel pode fazer toda diferença no Natal

Os pais, desta vez, compareceram em peso. Representantes de entidades e profissionais da saúde também estiveram presentes. No local marcado, próximo à entrada lateral da lagoa, o gramado ficou tomado de mães e de crianças de colo, acompanhadas de pais e avós “corujas”.

Não faltaram máquinas fotográficas para eternizar o momento. Em cada canto, com cada mãe, se encontrava uma história. Todas, em geral, sabem da importância do aleitamento materno, defendem a amamentação, valorizam e destacam os pontos positivos da iniciativa que, nas palavras delas e dos organizadores, deve continuar.

Para a médica veterinária Denise deMiranda, de 41 anos, que foi com a filha, Anahy, de 2 meses, a proposta vai além da divulgação da importância do ato porque reforça que o contato com o filho não deve ser dispensado. “Tem muito dessa questão humana. Aqui em Campo Grande temos poucas iniciativas que valorizam essa maternidade ativa, onde a mãe é protagonista e se envolve em todo o processo".

Denise leva isso tão à sério que fez questão de ter a filha por parto normal. Foi um "sufoco". Dez horas esperando a pequena vir ao mundo, mas o esforço, diz ela, valeu a pena. O envolvimento afetivo com a menina é muito maior. Discurso semelhante tem a policial militar Rosane Maciel, de 35 anos, mãe da pequena Giovanna Luiza, de 2 anos e três meses. A menina, filha única, ainda está sendo amamentada.

“Tenho vergonha da minha barriga, que ficou saliente, mas meus peitos vivem de fora para ela mamar”, disse, com segurança, sem o mínimo constrangimento. A vaidade ainda existe, mas a importância maior, hoje, é em ser mãe, sonho que ela só conseguiu realizar graças a um tratamento.

Policial militar, Rosane Macial quer amamentar a filha, que já tem mais de 2 anos, até quando puder. (Foto: Cleber Gellio)Policial militar, Rosane Macial quer amamentar a filha, que já tem mais de 2 anos, até quando puder. (Foto: Cleber Gellio)

Giovanna veio ao mundo pelo processo de fertilização in vitro. “Foi uma luta para gente ter uma filha. Tenho colegas que desmamaram a criança aos 6 meses. Eu acho que tem que mamar até quando tiver vontade”, disse.

O marido dela, o policial civil Kleber Pigosso, de 33 anos, concorda e reforça que vê problemas, e é por isso que incentiva. Hoje acordou cedo para acompanhar a mulher. “É legal a ideia. Tem lugares em que o pessoal discrimina e tem homens que tem certa malícia, mas quanto minha esposa tiver leite, vai amamentar”.

Rosane arrastou quase a família toda, três primos e inclusive a tia, Sônia Pereira, de 43 anos, que deixou de trocar fraldas há tempos. “Não acho o justo o beber nascer e não dar mamar”, disse ela, ao contar que os quatro filhos tiveram esse privilégio.

Não é só um privilégio, dizem os especialistas. É necessidade. É essencial. “O aleitamento materno é o alimento ideal para o recém-nascido, até os 6 meses de vida”, explicou a enfermeira e consultora de alimento, Paula de Oliveira Serafim, de 32 anos, uma das organizadoras do evento.
A pedagoga Rosagela Ferreira, de 37 anos, sabe que essa declaração, que circula aos quatro ventos, é verdade. A segunda filha, Julia Helena, que hoje tem 2 anos e 5 meses, nasceu com problema no coração. Sofria de cardiopatia congênita, uma anormalidade na estrutura do órgão. “Era sopro. Ela tinha 50% do coração aberto”, comentou.

Logo que o problema foi identificado, por volta dos 5 meses, os médicos a alertaram para a necessidade de uma cirurgia, mas a menina, para enfrentar o procedimento precisava ganhar peso e crescer. O leite materno foi essencial, diz a mãe, que seguiu à risca a ordem médica.

Julia enfrentou a cirurgia dois dias depois de completar um ano. Foi operada com 6 quilos, 2 a menos que o ideal, mas agora, felizmente, está longe de perigo. A mãe, que a desmamou há pouco tempo, menos de 1 mês, agradece pelo “milagre” todos os dias. “Deus me deu ela duas vezes”, afirmou.

Rosagela Ferreira não amamenta mais, mas foi para dar apoio. (Foto: Cleber Gellio)Rosagela Ferreira não amamenta mais, mas foi para dar apoio. (Foto: Cleber Gellio)

É por isso que, mesmo sem amamentar, Rosangela resolveu ir ao encontro no Parque das Nações, dar apoio a outras mamães. “Isso, pra mim, é muito importante”, sintetizou.

Amamentar, dizem os especialistas, não é, de fato, uma coisa fácil. A enfermeira Rosangela resume bem esse “ditado popular”: “O bebê sabe, mas a mãe, não. Precisa aprender”. Está aí a importância, na avaliação dela, de um evento como a “Hora do Mamaço”. Compartilhar experiências, trocar figurinhas, receber dicas e aprender novas técnicas, nunca é demais.

A organização do evento diz que a participação do público, este ano, superou as expectativas. Na primeira edição, realizada em uma sala do Comper, na Avenida, Mato Grosso, apenas 10 mães compareceram. A ação de hoje, segundo a advogada Fernanda Gomes de Araujo, de 37 anos, que também está na organização, vai resultar em um vídeo, que deve se juntar a outros registros para uma campanha na internet.

Evento reuniu até quem ainda está esperandoo bebê. (Foto: Cleber Gellio)Evento reuniu até quem ainda está esperandoo bebê. (Foto: Cleber Gellio)



Adorei!!! Muito importante...
Gostaria de saber quando será o próximo... quero estar lá...
 
Letícia Baccin em 05/08/2013 10:02:01
Que lindo isso! Esse movimento tem que crescer, para que assim as mães possam mostrar a importância da amamentação!
Infelizmente, ainda existe a discriminação - inclusive por parte de mulheres - que condenam a amamentação em público.
Tenho dois filhos, e os deixei mamar até onde pude. Minha filha foi desmamada com três anos e meio, e meu filho com três anos e um mês. Todo mundo dava palpite, dizendo que era muita coisa, que era muito tempo, que era feio, mas a minha resposta era uma só: "o peito é meu, eu amamento enquanto tiver leite!"
Também costumava doar leite - e acho que isso é de extrema importância para as mães que não conseguem amamentar por falta dele.
 
Mériele Oliveira Pereira em 05/08/2013 08:48:02
É o momento que o seu filho tem total confiança e segurança, é onde existe uma troca, ele mamando ganha saúde e você carinho, Amor, sensações realmente inexplicáveis.
O meu Benjamim vai fazer 2 anos e ainda mama no peito, a gente que trabalha fora fica o dia inteiro longe, morrendo de saudade, e quando chego, é uma delícia, vem correndo solicitando o que é dele, e ali ficamos um olhando para o outro, é recompensador...Amo Demais...Fica a Dica para as mamães...!!!
 
Sara Almeida Correia em 05/08/2013 07:51:19
Realmente amamentar é um momento ímpar, só a mãe e o bebê sabem a sensação o quão maravilhosa é, a troca de carinho, olhares, é tudo de bom, sinto saudades. Hoje minhas filhas estão com 20 e 16 anos, mas nunca esqueço desses momentos, amava amamentar!!! Por isso futuras mamães não deixem de amamentar!!!
 
Marta de Melo em 04/08/2013 13:47:58
imagem transparente

Compartilhe

Classificados


Copyright © 2016 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.