A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 07 de Dezembro de 2016

12/07/2016 06:25

Na era da selfie, latas de sardinha ainda viram câmeras fotográficas

Thailla Torres
Entre latas e olhares, crianças criam, fotografam e participam de exposição em Museu. (Foto: Fernando Antunes)Entre latas e olhares, crianças criam, fotografam e participam de exposição em Museu. (Foto: Fernando Antunes)

Enquanto recorta um pedaço de papelão e olha para a lata de sardinha, Yasmin, de 13 anos, demonstra a incerteza na voz. "Eu ainda duvido que isso daqui vai fazer uma foto", descreve, mas sem desistir de finalizar sua própria câmera.

Veja Mais
No Tiradentes, brasão do Chapecoense surge na rua como uma homenagem do bairro
Com quadros de amigos e fotos do passado, casa de Isac é pura recordação

Com a latinha na mão, ela e mais 20 crianças e adolescentes não tiram os olhos do agente social que dá instruções de como fazer o equipamento. A ação faz parte do projeto Entre Latas e Olhares, do grupo Fronteira Social no espaço Casa Azul em Campo Grande. 

Entre tantos projetos, a ideia é desmistificar a fotografia, ensinando de uma maneira lúdica e didática. Sem equipamentos profissionais, o grupo de voluntários e fotógrafos mostra que é muito fácil se expressar com imagens.

O projeto nasceu na Argentina e o cineasta Evandro Sudré decidiu trazer a referência para o Brasil. (Foto: Fernando Antunes) O projeto nasceu na Argentina e o cineasta Evandro Sudré decidiu trazer a referência para o Brasil. (Foto: Fernando Antunes)

O projeto foi idealizado na Argentina pelo missionário Jhonatan Cesar Bpn, mas chegou ao Brasil pelas mãos do cineasta e missionário Evandro Sudré, que participou da primeira edição durante um ação voluntária. O trabalho começa pela construção das próprias câmeras, chamadas pinholes, produzidas com latas. 

Evandro mostra que a maneira de fazer é simples e permite a garotada sair a campo para fazer os registros se divertindo. "As latas abrigam o filme que também servirá como câmara escura. Um buraco é feito com um alfinete na frente da lata, por onde entrará a luz, e um pedaço de papelão na parte externa fecha e abre o buraco, quando movido pelo fotógrafo faz o papel de obturador, expondo o filme à luz", explica. 

Utilizando materiais simples, o resto é tudo customização. Além da lata, na frente é um ralo de pia que simula a lente. Por dentro, são colocados os filmes. Na parte superior da latinha, está uma bucha de parafuso, que vai girando e fotografando.

Tudo é produzido com o auxílio dos voluntários e, depois de pronta, os alunos saem a campo para fotografar na região da Vila Aimoré. Após uma tarde de olhares, no fim do dia, os filmes de cada máquina são recolhidos e encaminhados para revelação.

A lata de sardinha e o ralo de pia foram alguns dos objetos utilizados. (Foto: Fernando Antunes) A lata de sardinha e o ralo de pia foram alguns dos objetos utilizados. (Foto: Fernando Antunes)
Por dentro o filme que vai garantir os retratos. (Foto: Fernando Antunes)Por dentro o filme que vai garantir os retratos. (Foto: Fernando Antunes)
Objetos utilizados para produção da câmera, foram doados por um laboratório de fotografia. (Foto: Fernando Antunes)Objetos utilizados para produção da câmera, foram doados por um laboratório de fotografia. (Foto: Fernando Antunes)

E é aí que surge a emoção e o desejo de sonhar cada vez mais. Quem nunca teve contato com a fotografia, segura nas mãos a liberdade de mostrar os seus próprios valores e a realidade onde vivem. "O resultado mostra a realidade da criança que as vezes a gente não conhece e o trabalho artístico. Porque fica uma fotografia um pouco abstrata, depois de revelada, ela não fica totalmente nítida", conta o professor.

Mesmo sem intenção, o olhar sempre mostra algo.  "O que a gente percebe é que são os valores delas. Porque quando você fotografa sem nenhuma intenção, você fotografa de coração aberto. E depois de reveladas, a gente percebe a realidade, os valores e a educação que eles têm", pontua. 

Segundo Evandro, é também uma maneira revelar a pureza que se perde na vida adulta. "Por exemplo, quando a gente vê um córrego todo sujo, não enxergamos com a mesma beleza. Mas para criança ainda é um rio. São bem interessantes para perceber as coisas que fazem parte do sentimento e do olhar delas", descreve.

O passo a passo desperta curiosidade. (Foto: Fernando Antunes)O passo a passo desperta curiosidade. (Foto: Fernando Antunes)
Agentes sociais ajudam no manuseio de cola quente. (Foto: Fernando Antunes)Agentes sociais ajudam no manuseio de cola quente. (Foto: Fernando Antunes)

Depois de reveladas, as fotografias serão selecionadas. Cada aluno vai ter uma foto escolhida e todas as imagens serão expostas no dia 02 de agosto no MIS (Museu da Imagem e do Som).

O que se espera é um impacto social, envolvendo toda a família. "Aproximar a criança dos familiares, mostrar que elas são motivo de orgulho, trazer dignidade e quem sabe até instigar essas crianças a fotografar profissionalmente", comenta. 

Depois dessa experiência, a vontade é retornar, agora utilizando câmeras profissionais. "A gente quer aproveitar essa dinâmica mais didática para criar esse amor pela fotografia", explica. 

Além da fotografia, outros projetos como teatro e música também serão realizados com as alunas. A ideia do Fronteira Social é trazer profissionais para perto do voluntariado e trabalho social, não só aqui em Campo Grande, mas para qualquer lugar do mundo. "Queremos profissionalizar e contribuir no desenvolvimento humano. Essa câmera não tem valor de venda, mas dentro projeto ela já ensina a fotografar e a construir. Então o que a gente quer dar, são coisas de valor humano", destaca Evandro. 

A exposição será realizada no dia 02 de agosto no MIS (Museu da Imagem e do Som) que fica na Avenida Fernando Corrêa da Costa, 559, Centro. 

Veja na galeria os primeiros registros das crianças do projeto na Vila Aimore, região sul da Capital. 

Curta o Lado B no Facebook.

imagem transparente

Compartilhe

Classificados


Copyright © 2016 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.