A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 03 de Dezembro de 2016

07/09/2013 07:21

Para acabar com curiosidade, jovem produz documentários com artistas de rua

Anny Malagolini
Para acabar com curiosidade, jovem produz documentários com artistas de rua

Os artistas de rua que se apresentam no semáforo entre as avenidas Afonso Pena e Ernerso Geisel, com malabares e mágicas, ganharam um documentário. O projeto surgiu da curiosidade durantes os minutos de espera de um motorista.

Veja Mais
Despedida dominou a web na semana em que todo mundo coloriu de verde o coração
Datilografado, pedido de casamento revelou primo apaixonado em 1980

A pergunta que sempre ficou na cabeça do acadêmico de publicidade e propaganda, Rodrigo Marieto, 22 anos, foi: “Quem são eles?”.

Então, com a ajuda de mais dois amigos, formou um grupo e produziu "Do outro lado da rua", com pouco mais de 11 minutos. Os personagens são os artistas Diego - do Chile, Luara e Josué - de Minas Gerais e o argentino Ignácio Maurino. Na produção, os artistas contas as histórias pessoais e o porquê de terem ido para as ruas.

Luana, é formada em Biologia e após a graduação não quis seguir a carreira, arrumou as malas e veio a Campo Grande. Só avisou a mãe e alguns amigos sobre o novo caminho.

Aqui, ela começou a namorar Diego, mas depois das gravações do documentário, brigou com o namorado e voltou para a casa, em Minas Gerais.

Rodrigo conta que queria saber o porquê deles estarem nos semáforos, se passavam dificuldades, como fome. Se tinham casa, se era uma escolha, ou até mesmo se eram usuários de drogas. “Não via como uma arte", lembra

Na rua, encontrou uma lição sobre desprendimento material e de padrões adotados pela sociedade. "Não foi falta de oportunidade, foi o que eles escolheram isso é de dentro deles".

A visão pré-concebida do que é liberdade e valores, que destoam do que é “comum”, caíram por terra, com os exemplos desses artistas.

Em Campo Grande, os artistas dormem em albergues e o dinheiro que ganham nos semáforos é para alimentação.
Com a conversa, Rodrigo jura ter mudado, “Eu era apegado a coisas materiais, a emprego e conceitos padrões. Perde o valor, o que importa é o sentimento verdadeiro, é o amor”.




Muito lindo mesmo... abrir nossa visão para esses artistas que com coragem vivem sua liberdade... nós nos aprisionamos ao sistema consumimos, pagamos impostos... Esse outro olhar nos faz refletir sobre o que vivemos na realidade! Parabéns, força! Sempre quando assisto esses artistas só penso no prazer que eles me proporcionam naqueles segundos em frente aos semáforos... obrigado!
 
Ney Souza em 11/09/2013 16:22:54
Que lindo!!! parabéns pela obra, olhar sensível...
 
Farid Fahed em 11/09/2013 12:28:53
Chileno, com cara de Marcos Mion, mas comparações a parte, parabéns ao Rodrigo Marieto , pelo documentário muito bom e abre a nossa visão para um olhar diferente em relação à esses artistas de rua, com certeza depois de assistir o vídeo eu também irei olha-los com outros olhos eu também tinha uma curiosidade muito grande de saber quem são de onde vem, porque fizeram essa escolha, agora eu sei a escolha chama-se LIBERDADE mas é uma liberdade diferente escancarada coisa que a maioria de nós nunca iremos ter coragem suficiente de buscar. Artista de rua falta maturidade e discernimento de nós brasileiros para compreensão.
 
Sueli Helma Silva Souza em 07/09/2013 17:07:21
Parabéns aos documentaristas pela abordagem do tema,interessante o que foi mostrado e nos faz refletir nas nossas ações.
 
marcos cesar em 07/09/2013 11:08:51
Belíssima obra!!! o documentário sintetiza não só a história dos artistas de rua, mas o interior dessas pessoas que, independente da origem e naturalidade, nos encantam cotidianamente. Parabéns.
 
Flavio Alves em 07/09/2013 09:58:03
Muito legal a matéria! Obrigado! espero que gostem =)
 
Rodrigo Marietto em 07/09/2013 09:47:51
ESSES ARTISTAS DE RUA SÃO PESSOAS DE BEM E DIGA-SE DE PASSAGEM, MUITOS DELES FALAM MAIS DE DUAS LÍNGUAS E TÊM CURSO SUPERIOR. É OPÇÃO DE VIDA, MESMO! PELO FATO DELES SE VESTIREM FORA DOS PADRÕES COMUNS, MUITOS OS VEEM COMO MARGINAIS. LEDO ENGANO! CERTA VEZ, ABORDEI UM HIPPIE EM AQUIDAUANA SOBRE DETERMINADO PRODUTO DE SEU ARTESANATO QUE DEPOIS DE MUITO DIÁLOGO, ELE MOSTROU SUA IDENTIDADE COMO SENDO FILHO DE UM MINISTRO MUITO CONHECIDO DO STJ.
 
ITAMAR BARROS em 07/09/2013 07:55:52
imagem transparente

Compartilhe

Classificados


Copyright © 2016 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.