A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 05 de Dezembro de 2016

16/02/2015 06:45

Preocupados em não engravidar, jovens vão só na pílula e camisinha vira raridade

Paula Maciulevicius
Este comportamento que a gente vê nas ruas contribuiu para o aumento de 11% dos casos de infecção pelo vírus HIV. (Foto: Marcos Ermínio)Este comportamento que a gente vê nas ruas contribuiu para o aumento de 11% dos casos de infecção pelo vírus HIV. (Foto: Marcos Ermínio)

Em pleno Carnaval, ao mesmo tempo em que os órgãos de saúde distribuem preservativos aos foliões, o chão passa a ser tomado por camisinhas ainda embaladas. A preocupação dos jovens tem sido apenas em não engravidar e como neste quesito o anticoncepcional cumpre o seu papel, a camisinha parece ter virado raridade. De início, ninguém quer admitir para a reportagem que já transou sem, como se a pílula fosse a proteção contra tudo e a única consequência do sexo fosse de uma gravidez indesejada. Como o tema ainda é tabu, boa parte dos entrevistados não quis se identificar.

Veja Mais
A pé, Tulia faz percurso de 10 km até biblioteca onde aprendeu a ser feliz
Passada "nuvem negra" que trouxe o câncer, rosa tatuada no braço une 4 mulheres

Estudante, uma jovem de 24 anos, admite que já deixou passar algumas vezes e que foi apenas confiando na pílula. "Já aconteceu sim, às vezes eu até falo para colocar, às vezes não. Mas depois eu fico preocupada", conta. Só que no caso a primeira situação que vem à cabeça não é nem o quadro de doenças sexualmente transmissíveis, mas sim a possibilidade de ter engravidado.

Manicure, Caroline conta que só foi incluir a camisinha após 2 gestações não programadas. (Foto: Marcos Ermínio)Manicure, Caroline conta que só foi incluir a camisinha após 2 gestações não programadas. (Foto: Marcos Ermínio)

E é só quando a gente da equipe sugere o risco da transmissão de doenças é que os personagens passam a avaliar isso também, mas ainda assim, em segundo plano. A estudante de 20 anos admite que não pegou nenhuma das camisinhas distribuídas durante o Carnaval, mas justifica que elas não teriam nenhum uso agora. Há muito tempo ela diz ter adotado o anticoncepcional, mas deixa claro que não há substiuição de um pelo outro, exceto em casos raros.

"Nã tenho namorado para dar essa relaxada, se tivesse, talvez rolaria a coisa da confiança", opina. Outro risco é o de acreditar que só por ter parceiro fixo se pode abrir mão do preservativo.

Manicure, Caroline Mello tem 27 anos e só depois dos dois filhos nascerem é que encarou a importância da camisinha. "A gente vacila, eu vacilei duas vezes e engravidei, mas não é só isso. Engravidar é uma benção e doença é o pior", opina.

Mãe de adolescente acompanha esta geração que se preocupa em evitar filhos e não doenças. (Foto: Marcos Ermínio)Mãe de adolescente acompanha esta geração que se preocupa em evitar filhos e não doenças. (Foto: Marcos Ermínio)

Mãe de uma adolescente de 13 anos, Eliane Araújo de 35, diz que percebe o cenário de incidência de gravidez na adolescência e relaciona diretamente ao fato de que a meninada não tem usado o preservativo. "Acho que deixam de lado, porque tem mais facilidade com a pílula, que torna tudo mais prático", acredita a mãe. A filha adolescente ainda não menstruou, mas ela afirma que tem conversado e muito com a menina sobre o assunto.

Administrador, Augusto Vincki, de 22 anos, disse que no Carnaval não pegou, mas mostrou que carrega a sua consigo na carteira. "Faz sim, menina deixa só na píulula ou ainda toma a do dia seguinte para segurar a barra". Ele admite que namorando, fica mais "de boa", confiando ainda mais na pílula.

"Você acha que nada vai acontecer. O meu maior médo é engravidar, aí acaba com a sua vida", comenta.

E é este comportamento que a gente vê nas ruas e nas conversas que contribuíram para o aumento de novas infecções pelo vírus da AIDS. Um relatório publicado ano passado mostra que enquanto diminuiu 28% o número de novos casos em todo mundo, no Brasil este percentual aumentou e foi para 11%.

Na carteira do jovem Augusto ele exibe o preservativo, mas crê que pode dispensá-lo quando o namoro é fixo. (Foto: Marcos Ermínio)Na carteira do jovem Augusto ele exibe o preservativo, mas crê que pode dispensá-lo quando o namoro é fixo. (Foto: Marcos Ermínio)



Pegar e transmitir doença pode, só não pode engravidar, o Papa que deve estar orgulhoso desse bando de burro que sai com uma pessoa que nunca viu na vida sem nenhuma camisinha no bolso.
 
Max em 16/02/2015 17:21:22
imagem transparente

Compartilhe

Classificados


Copyright © 2016 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.