A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 09 de Dezembro de 2016

06/08/2013 06:18

Ramadã quebra a rotina em lojas de muçulmanos no Centro de Campo Grande

Ângela Kempfer
Para os empresários muçulmanos, fim de tarde é a hora de quebrar o jejum depois de um dia sem comida.Para os empresários muçulmanos, fim de tarde é a hora de quebrar o jejum depois de um dia sem comida.

Ao procurar o dono da loja na rua 14 de Julho, quase esquina com a Cândido Mariano, a funcionária pede para voltar depois. “É tempo do Ramadã, então ele descansa durante o dia”, explica a mulher sobre época de jejum dos muçulmanos.
Desde o dia 9 de julho e até a amanhã, a adoração islâmica exige ficar sem comer do nascer do sol até o momento em que ele se põe.

Veja Mais
Caligrafia da escola rendeu à Marystella a profissão de designer de lousas a giz
Luis ganhou o título de presidente e hoje é dono da própria cadeira no bar

Como o comércio tradicional no Centro de Campo Grande é feito por famílias de origem árabe, é um período de mudança na rotina. “Eles acordam cedo, 4 horas da manhã para comer, então durante o dia bate o sono, né”, continua a vendedora.

Mas não é só isso. Durante o mês do Ramadã, uma hora antes de fecharem as portas das lojas, os mulçumanos se encontram para comer juntos. O profeta Maomé recomendou quebrar os jejuns com encontros e assim eles fazem.

Na loja do libanês Armando Salem Ali, às 17h20 a mesa é posta com tâmaras secas e algumas frutas frescas da estação, como manga e morangos. Também há um iogurte salgado, misturado com um pouco de água, para reidratar, já que nem beber é permitido a quem leva os ensinamento ao pé da letra.

Armando veio há mais de 20 anos visitar a família em Campo Grande e nunca mais partiu. Foi o último dos 4 irmãos a fixar endereço aqui. De sotaque forte e sorriso persistente, ele conta que nos países de maioria mulçumana, em época de jejum o comércio funciona com carga horária menor, cerca de 5 horas diárias. Seguir as regras de tão longe, tem desvantagem. “Aqui trabalhamos o mesmo que em dias normais, usamos o mesmo esforço, mas sem nos alimentarmos. É difícil”, comenta.

Ramadã quebra a rotina em lojas de muçulmanos no Centro de Campo Grande

O irmão, Mohamed Salem Ali, de 45 anos, mora no Brasil há 25 anos. Ele era pedreiro no Líbano e para não continuar como empregado, resolveu tentar a sorte no Brasil.

De funcionário, passou a ser patrão, com a loja de enxovais infantis também na 14 de Julho. Para ele, a dificuldade na época santa fica evidente na hora de atender as pessoas. “Nós cansamos mais fácil, então o atendimento fica prejudicado”.

Mohamed Rakan, de 41 anos, veio da Síria para o Brasil há mais tempo, lá se vão 28 anos. Dono de loja de roupas no Centro, o comerciante é um dos amigos a quebrar o jejum ao lado de Armando e Mohamed Salem. “Com o jejum nos aproximamos de Deus, temos mais temor a ele. Aprendemos o autocontrole e sentimos na pele a fome dos necessitados”, comenta.

É uma hora para lá de esperada, principalmente, para matar a vontade de tomar água e o cafezinho. “Ando o dia todo, então sinto muita sede, a sorte foi o frio que fez no inverno”, comemora.

Como só as crianças pequenas são poupadas, quando a puberdade vem, o Ramadã entra no calendário dos adolescentes. A estudante Nur Akaro faz o jejum desde os 13 anos e tem de enfrentar algumas tentações mais fortes, principalmente, no recreio da escola. “Vejo os meus colegas lanchando e tenho vontade. Também tenho de usar o lenço na cabeça e, com o calor, sinto muita sede”.

Mas depois que o sol vai embora, a recompensa surge em doses graúdas. Depois do lanchinho da loja, Armando chega em casa para um jantar de rei. “Ontem comi torta de palmito, tabule, ensopado e carne assada. Tem vezes também que frito até um ovo quando acordo”, revela o homem que pula da cama ás 4h para poder comer antes do sol surgir.
A regra também é abstinência sexual e evitar intenções e desejos malignos durante o mês sagrado. Mas apesar do jejum parecer tão severo, nos últimos anos seguir as regras tem sido mais fácil.

“É que seguimos o calendário lunar, então o Ramadã muda de época e só acontece no mesmo dia a cada 33 anos. Quando cai em dezembro é muito pior. O dia é mais longo e o sol só vai embora lá pelas 8h”, explica Armando.




Pode até ser, mas não devemos esquecer dos fanáticos! Moro na Alemanha e o engraçado é que os muçulmanos que vivem aqui respeitam tudo... so não os "infiéis" os cristãos, eles acham que podem fazer o que querem pois acreditam que estão salvos... os jovens, em sua maioria, usam drogas e vendem drogas também, desrespeitam as leis de transito e debocham e perseguem nas escolas os colegas cristão, uma situação que esta piorando nos últimos tempos...
 
Eduardo Cruz em 07/08/2013 00:01:49
Que interessante! Realmente hábitos que estimulam o autocontrole e a serenidade do ser humano, fora a valorização dos bens conquistados passando um pouco pelo aperto que nossos irmãos necessitados passam, parabéns pela matéria e para esse povo que tanto nos ensina!
 
Daniele Prado em 06/08/2013 22:34:01
O islamismo é a salvação real para os povos que não aguentam mais tanta divulgação do erro: ( adultério, sodomia, desrespeito a família tradicional, entre outras) é por isso que é a religião que mais cresce no mundo todo pela valorização a ética e os conceitos morais.
Islam não é o que a mídia mundial conta estude o islam e sejam bem vindos.
 
Elias Araujo em 06/08/2013 11:03:20
Legal irmão Nassim bem lembrado ... Avisando também que todos os sábados estamos na praça Ary Coelho a partir das 14 horas distribuindo material gratuitamente e explicando sobre o ISLAM. Compareçam !!!
 
luxemburgo em 06/08/2013 09:16:45
Agradeço a Campo Grande News pela reportagem sobre os muçulmanos aqui em Campo Grande.
Só um esclarecimento simples; o horário de começar o jejum é da alvorada que é geralmente uma hora antes do nascer do sol.
Quem quer saber mais sobre o Islamismo e os muçulmanos em Campo Grande, curti e nossa pagina no Facebook e saiba mais.
www.facebook.com/Islam.Cidade.Morena
 
Nassim Dhaher em 06/08/2013 08:42:38
imagem transparente

Compartilhe

Classificados


Copyright © 2016 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.