A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 09 de Dezembro de 2016

23/04/2014 07:24

Sapateiro há seis décadas, ele vive de fazer calçados dentro de hospital

Elverson Cardozo
Sapateiro esbanja carisma e se diz feliz com a profissão. (Foto: Cleber Gellio)Sapateiro esbanja carisma e se diz feliz com a profissão. (Foto: Cleber Gellio)

João Fernandes Damascena tem 76 anos e há 6 décadas trabalha como sapateiro, boa parte desse tempo no Hospital São Julião, em Campo Grande. O senhor que, logo de cara, brinca com o próprio nome, dizendo que é “rodeado pelas brancas e desprezado pelas morenas”, é puro carisma e, na função que exerce, um profissional de excelência, daqueles que utiliza o talento não só para ganhar dinheiro, mas para fazer o bem.

Veja Mais
Aos 56 anos, Márcia é parceira do filho do tênis de LED ao Pokémon Go
Papai é a estrela, mas Mamãe Noel pode fazer toda diferença no Natal

No São Julião, a Sapataria do seu João, que existe desde 1974, é um dos locais mais conhecidos por funcionários, médicos e pacientes, isto porque o sapateiro, que completa 40 anos de empresa no dia 2 de agosto deste ano, fabrica calçados para pessoas acometidos pela hanseníase, doença infecciosa que atinge várias partes do corpo, entre elas, os pés.

“Tem muitos que ficam com os pés tortos, perdem a sensibilidade e tem que usar sapatos especiais para não machucar”, comenta.

Seu João aprendeu ofício ainda menino, aos 11 anos. (Foto: Cleber Gellio)Seu João aprendeu ofício ainda menino, aos 11 anos. (Foto: Cleber Gellio)
Trabalho é manual e demora dias. (Foto: Cleber Gellio)Trabalho é manual e demora dias. (Foto: Cleber Gellio)

No hospital, referência para tratamento desse tipo de enfermidade na América Latina, seu João trabalha de segunda a sábado, 8 horas por dia, moldando calçados especiais, fazendo palmilha sob medida e, com isso, aliviando, de certa forma, o sofrimento de muitos “clientes” que, no final, acabam virando amigos.

Ele não consegue estimar uma média de produção, porque isso, argumentou, varia de acordo com o movimento e as prescrições médicas, mas conta que o trabalho é totalmente manual, cansativo e, geralmente, leva dias.

O paciente que procura a sapataria, depois da recomendação médica, precisa ter paciência, mas o produto final, cujo custo fica por conta do hospital, é um alívio e tanto, garantiu.

O primeiro molde é feito com uma faixa embebida em gesso, enrolada nos pés do paciente, e que depois de seca gera o que ele chama de negativo.

Sapateiro vive entre réplicas de pés e garante o alívio de muita gente. (Foto: Cleber Gellio)Sapateiro vive entre réplicas de pés e garante o alívio de muita gente. (Foto: Cleber Gellio)

Com essa base em mãos, fazendo uso do mesmo material, o sapateiro cria uma réplica do pé defeituoso e, a partir daí, vai construindo o novo calçado.

“Aí a gente começa a costurar o couro, fazer o forro... Demora, porque sapato ortopédico não é fácil, mas quando eu começo a fazer um, o doutor já manda outro. Eu vou anotando”, conta.

A sala onde João trabalha é lotada de “pés” de gesso, um cenário que ele, no início da carreira, nunca imaginou viver.

A “missão” veio por acaso, assim como a profissão, que começou a aprender aos 11 anos. “Ninguém da minha família é sapateiro”, disse.

Depois de passar pelas principais sapatarias de Campo Grande, na época em que esse tipo de negócio ainda era lucrativo e viável, seo João resolveu trabalhar em casa.

“Fiquei pegando consertos das irmãs que, na época, tomavam conta da Santa Casa, foi quando conheci a Irmã Silvia, diretora São Julião. Ela ouvir falar de mim e me chamou para tomar conta do espaço que era tocado por uma jovem alemã”, relembrou.

Hoje, seu João sente-se um homem realizado porque, nas palavras dele, “ajuda os outros a melhorar e caminhar”. “Só pretendo mudar de profissão quando entrar no caixão”, brinca, ao dizer que o retorno pelo que faz vem em forma de amizade e gratidão.




Grande João Damacena. Parabéns pelo trabalho excepcional. Pena que não tive tempo de conhecer esse senhor que fez parte, inclusive, da infância de meu pai, meus tios e tias, que lhe mandam felicitações. Os desígnios de Deus são incríveis. O "velho paulista - Cirilo" nunca poderia imaginar que o ofício ensinado por acaso por ele iria evoluir para se transformar nessa benção. Parabéns João. Felicidades sempre.
 
Adriano Magalhães em 28/04/2014 13:55:32
Sr. João Damascena trabalhou na Sapataria Balaton, do meu avô, que ficava na Calógeras entre a Maracaju e Marechal Rondon, há uns 40 anos atrás.
 
Helena Patay em 23/04/2014 15:12:58
imagem transparente

Compartilhe

Classificados


Copyright © 2016 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.