A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 19 de Janeiro de 2017

02/12/2016 07:49

Super-heroi, Pedro precisa de ajuda para continuar salvando a alegria da família

Paula Maciulevicius
Pedro tem 4 anos e é estimulado diariamente a voar para ir além das limitações da paralisia cerebral. (Foto: Arquivo Pessoal)Pedro tem 4 anos e é estimulado diariamente a voar para ir além das limitações da paralisia cerebral. (Foto: Arquivo Pessoal)

Pedro é um menino lindo e que tem consigo uma família mais linda ainda. Primogênito do casal Ciro e Milena, hoje ele tem 4 anos, mas a história de luta diária começou ainda no nascimento. Prematuro, os pais acreditavam que o desenvolvimento mais lento era por conta dos meses em que Pedro se antecipou. Engano. Antes de completar 1 ano, o menino foi diagnosticado com paralisia cerebral.

Veja Mais
Guardiã de João, por uma semana repórter cuidou do Fusca sem freios de Júlia
Na novena que atrai milhares, até padre vai em busca de graça

Nesta quinta-feira ele passou por uma das intensas sessões de fisioterapia que realiza a cada três meses. São quatro horas dentro do método "TheraSuit" e de onde surgiu a foto de super-heroi. Montagem feita pelo tio, o menininho fica naquela exata posição, como se estivesse voando para salvar o mundo de vilões. 

"É um movimento de fortalecimento do tronco, na verdade onde está o "S", é um coletinho cinza preso no corpinho dele", explica o pai, o operador de áudio Ciro Alex Pereira, de 37 anos. Na quarta sessão deste método, o tratamento se utiliza de um colete com vários pontos que ativa movimentos que o corpo de Pedro não faz. "É como se o cérebro entendesse essa mensagem e começasse a reproduzir", traduz Ciro.

São-paulino, menininho começa a andar. (Foto: Arquivo Pessoal)São-paulino, menininho começa a andar. (Foto: Arquivo Pessoal)
Em pézinho e todo vestidinho para a festa. (Foto: Arquivo Pessoal)Em pézinho e todo vestidinho para a festa. (Foto: Arquivo Pessoal)

Pelas limitações da paralisia cerebral, Pedrinho não anda e nem engatinha, mas rola de um lado para outro e já desce da cama. Ele ainda não fala, mas já começou a balbuciar algumas palavras e tem o cognitivo também afetado.

À época, a família ouviu que Pedro poderia nem segurar a própria cabeça sozinho e dependeria de um colete cervical para o resto da vida. "A gente saiu dessa primeira consulta com esse impacto. Foi muito forte, só que a gente tinha uma fisioterapeuta que falou que via traços de evolução nele", conta o pai. O que levou a família a procurar outro especialista.

A segunda consulta trouxe um alento. "Não se podia determinar o que o Pedro ia ou não conseguir, se ia ou não existir evolução. Mas depois disso, fomos atrás de todos os tratamentos específicos", lembra o pai.

Pedro tem uma rotina intensa, tal qual a de um super-heroi. Médico, fisioterapeuta, terapeuta ocupacional e fono. "Ele já senta e está quase num processo de andar, mas isso é porque a gente não fica satisfeito e vai atrás", frisa o pai.

Com isso, Ciro e Milena meteram as caras, pesquisam e correm atrás de qualquer tratamento que possa trazer avanços ao super-heroi. "Minha esposa é inquieta e não aceita as situações. Ela descobriu uma clínica no Paraná, com tecnologia avançada, que vai ajudar muito ele", explica.

A consulta será agora, dia 19 de dezembro e junto dela, se começa um tratamento. Pelo que a família soube passar, é algo que está sendo estudado paralelamente às células-tronco e relacionado à tecnologia ortomolecular. "Vai fortalecer a imunidade dele, ajudar no sistema cognitivo e eles falam em melhora de vários aspectos. Nós vamos atrás e se a evolução for de 10%, já é válido", desabafa Ciro. 

Pedro tem o diagnóstico da paralisia desde os 11 meses de idade. (Foto: Arquivo Pessoal)Pedro tem o diagnóstico da paralisia desde os 11 meses de idade. (Foto: Arquivo Pessoal)

Só essa ida custará R$ 10 mil e aí que Pedro e a família precisam da ajuda. Como Ciro trabalha de operador de áudio no laboratório de Comunicação Social da Uniderp, todo ano recepciona com uma banda os calouros e teve a ideia de realizar um show em prol do filho.

O evento cresceu, muita gente de peso abraçou a ideia e neste domingo (4), um festival de blues acontece para salvar o menino. De atrações serão: Clayton Sales, no voz e violão, Zé Pretim, Luis Henrique Ávila, MP Blues, Gessy & The Rhivo Trio. Os ingressos serão vendidos a R$ 20,00, na hora. O local da festa também foi doado para ser palco dos músicos, Espaço Figueira e toda a renda será revertida para o tratamento de Pedro.

Sobre o menino ser super-heroi, o pai deixa a brincadeira de lado para falar o quanto aprende com o filho. "A gente vê o mundo de outra forma depois que o Pedro nasceu e cada conquista dele é muito comemorada. Antes ele não comia sozinho, agora só o fato de pegar o pãozinho e por na boca, é motivo de comemoração", exemplifica Ciro.

Na verdade, o super-heroi veio para salvar a família e mostrar onde está o sentido da vida. "Ele ensinou a gente a ver a vida, o que é o cotidiano normal, de levantar, andar e falar, para a gente não é automático. Ele aprende na fisioterapia e começa a aplicar no cotidiano e representa, para nós, essa lição de vida. Aprendemos com o Pedro a comemorar a conquista das pequenas coisas".

A festa será neste domingo, dia 4, na Rua Ana Basília, 683, no Rita Vieira. Informações de convites e como chegar com Ciro, o pai de Pedro, pelo número: 9-8409-0556.

Curta o Lado B no Facebook

Com o irmãozinho Thiago. (Foto: Arquivo Pessoal)Com o irmãozinho Thiago. (Foto: Arquivo Pessoal)



imagem transparente
Busca

Compartilhe

Classificados


Copyright © 2017 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.