A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 05 de Dezembro de 2016

22/06/2016 06:15

Turma encanta ao dançar quadrilha sentada, como Manuella na cadeira de rodas

Paula Maciulevicius
Lúdica, colorida e encantadora. Foi assim que seguiu a quadrilha do Jardim III, com Manuella na cadeira de rodas. (Foto: Oselame Produções)Lúdica, colorida e encantadora. Foi assim que seguiu a quadrilha do Jardim III, com Manuella na cadeira de rodas. (Foto: Oselame Produções)

O exercício prático de se colocar no lugar do outro. No último sábado, crianças do Jardim III, que têm entre 5 e 6 anos, praticaram a empatia sem nem ao menos saber o que o nome quer dizer. Durante a dança da quadrilha na festa junina da escola Nova Geração, uma das coleguinhas que está na cadeira de rodas teve companhia das outras meninas. A professora ensaiou a turma toda para dançar com as mãos e braços. O resultado encantou quem assistiu e emocionou a mãe.

Veja Mais
A pé, Tulia faz percurso de 10 km até biblioteca onde aprendeu a ser feliz
Passada "nuvem negra" que trouxe o câncer, rosa tatuada no braço une 4 mulheres

Manuella tem 5 anos, um sorriso lindo e uma espuletice típica da idade. Vê graça até em estar numa cadeira de rodas. "Eu sei girar, rodar, olha, olha", demonstra a pequena. A família descobriu com 2 anos e 8 meses que a menina tinha displasia no desenvolvimento do quadril e desde então essa já é a terceira cirurgia pela qual ela passa e exige repouso. 

A cadeira é temporária, só seis semanas, para que ela "sossegue" um pouquinho e deixe o corpo se recuperar. Mas o período já foi suficiente para colher frutos da experiência na escola e na família.

Manuella e a mãe, Terezinha, descrevendo na escola como foi o grande dia. (Foto: Alcides Neto)Manuella e a mãe, Terezinha, descrevendo na escola como foi o grande dia. (Foto: Alcides Neto)

"Ela levou de boa, voltamos da viagem da cirurgia num domingo e no dia seguinte ela já queria vir na escola. Para ela, a cadeira de rodas é brincadeira", conta a mãe, Terezinha Pereira Araújo, de 40 anos. Terezinha já é formada em Pedagogia, mas depois do problema da filha, começou a cursar Fisioterapia.

Quando o bilhete avisando da quadrilha chegou na agenda, a mãe perguntou se a menina queria dançar, mesmo na cadeira. Claro que a resposta foi positiva e ela então questionou a possibilidade na escola. "Eles disseram que ia arranjar algo que fosse acessível para ela dançar. Eu imaginava que ficaria lindo mesmo, porque ela gosta muito", descreve a mãe. 

Para a menina, o "diferente" da quadrilha não foi nem a cadeira de rodas. Foi o vestido. "Colorido, eu que escolhi", diz Manuella. A cadeira também ganhou adereços, fitas e rendas feitas por Terezinha. 

Manuella tem 5 anos, um sorriso lindo e uma espuletice típica da idade. (Foto: Alcides Neto)Manuella tem 5 anos, um sorriso lindo e uma espuletice típica da idade. (Foto: Alcides Neto)
Professora do Jardim III, Kemy quem coreografou quadrilha para Manu e a turma. (Foto: Alcides Neto)Professora do Jardim III, Kemy quem coreografou quadrilha para Manu e a turma. (Foto: Alcides Neto)

Professora Kemmy Rocha de Caravalho, de 32 anos, foi a responsável por arquitetar, junto da coordenação e direção da escola, uma coreografia que atendesse Manuella. "De início não foi fácil, era diferente, eu nunca tinha feito. As músicas das apresentações são sempre agitadas, mas não era um empecilho", conta Kemy.

A mestre levou em conta o conforto e bem estar da aluninha e dos demais, para que todo mundo se sentisse à vontade na dança. A música escolhida foi um forró das antigas, onde as meninas se sentavam em cadeiras e os meninos, como espantalhos, estavam adormecidos.

Lúdica, colorida e encantadora. Foi assim que seguiu a quadrilha do Jardim III. "Colocamos as cadeiras para que todas, de início, ficassem iguais. Quando movimentava, eu levava ela. Mas trabalhamos mais os braços e as mãos.

Os meninos estavam adormecidos, ao aguardo de serem despertados. (Foto: Oselame Produções)Os meninos estavam adormecidos, ao aguardo de serem despertados. (Foto: Oselame Produções)
O diferente aí para Manuella foi o vestido, todo colorido. (Foto: Oselame Produções)O "diferente" aí para Manuella foi o vestido, todo colorido. (Foto: Oselame Produções)

Na caixa estava o espantalho, os meninos adormeciam e para despertá-los, foi ela quem tocou na cabeça de todos", reproduz Kemmy.

Manuella foi novidade na escola durante todo o mês de junho e ainda será até metade de julho, por conta da cadeira. "Todos perguntavam por que, foram rodas de conversa na sala para explicar que era uma cirurgia e era temporário, mas neste momento eles querem é ajudá-la", descreve a professora.

Para organizar as crianças, toda saída da sala é em fila, mas dessa vez na imaginação deles, todos saem num trem onde Manu com a cadeira é a maquinista.

A quadrilha, no fim das contas, rendeu elogios, a ponto de ser eleita, por Manu, como a melhor de todos os anos. "Ela gostou tanto que disse: - mãe, acho que esse foi o melhor ano, de ter dançado na cadeira, foi o mais bonito", repete Terezinha a comemoração da filha.

Curta o Lado B no Facebook. 

Para despertar os espantalhos, foi Manuella quem tocou na cabeça de cada um. (Foto: Oselame Produções)Para despertar os "espantalhos", foi Manuella quem tocou na cabeça de cada um. (Foto: Oselame Produções)



imagem transparente

Compartilhe

Classificados


Copyright © 2016 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.