A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 04 de Dezembro de 2016

16/11/2011 14:43

Projeto usa o cinema para discutir assuntos indigestos

Laís Latta
Sessão de hoje é do filme Bicho de Sete Cabeças.Sessão de hoje é do filme "Bicho de Sete Cabeças".

Sangue, tripas, facas, cortes, excrementos, assombro, medo, espanto, maquinação, humilhação, inveja, desespero, discórdia… São palavras comuns e de significados bem conhecidos, mas nem por isso as pessoas gostam de falar sobre elas.

Veja Mais
Astrologia védica mostra o futuro, mas também ensina a aceitar o destino
Como mágica, o amor encontrou o palhaço e romance vive liberdade em belas fotos

Agora imagine o seguinte cenário: escurinho do cinema, pipoca, amigos, namorada, um filme cheio de tramas e dramas, uma história que emociona… Mas você para e pensa, reflete sobre a mensagem que o filme quer passar? E se for um filme cheio de cenas violentas e angustiantes? Prefere esquecer o que viu? Isso te afeta? Faz diferença na sua vida? Muda seu modo de ver a vida? Te influencia?

É pensando nessas questões e a dificuldade de encarar alguns conceitos que o Cinema de Horror traz à tona polêmicas da sociedade e a violência em suas diversas formas. A iniciativa tem como objetivo “oferecer acesso gratuito e democrático aos acadêmicos e à comunidade geral à arte cinematográfica e aos debates críticos e analíticos sobre os filmes exibidos pela equipe”, afirma Carolina Satomen, coordenadora do projeto.

A exibição ocorre toda quarta-feira, às 17h30, no anfiteatro do Centro de Ciências Humanas e Sociais, da Universidade Federal e o debate acontece depois, mediado por Giovanna Pagano e Mariana Sayuri, acadêmicas do Curso de Letras, UFMS.

Hoje, a sessão é do filme “Bicho de Sete Cabeças”, com Rodrigo Santoro dirigido por Laís Bodanzky, baseado no livro de Austregésilo Carrano Bueno “Canto dos Malditos”.

“Bicho de sete cabeças” conta a história de Neto (Rodrigo Santoro), um jovem de classe média que é internado por seu pai em um manicômio após ser descoberto com um cigarro de maconha no bolso de seu casaco.

O Cinema e Horror já está em sua quarta versão É uma parceria entre a UFMS e a Fundação de Cultura de Mato Grosso do Sul e está cadastrado no CNC – Conselho Nacional de Cineclubes. A programação do projeto também está disponível na agenda nacional dos cineclubes do grupo Clube de Cinema do Circuito Fora do Eixo.

A Vila, Ensaio Sobre a Cegueira, O Clube da Luta, A Morte pede Carona, Labirinto do Fauno, Laranja Mecânica, são alguns dos títulos famosos no cinema que já foram temas de discussão no Cinema e Horror.

Carolina conta que os filmes escolhidos “tratam da violência, da morte, da miséria, do preconceito e temas afins na intenção de pensar, criticar e conscientizar o público sobre os problemas que assombram a sociedade e, muitas vezes, acontecem sem serem percebidos pelos sujeitos”. A programação da semana pode ser vista no endereço http://cinemadehorror.wordpress.com




imagem transparente

Compartilhe

Classificados


Copyright © 2016 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.