A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 10 de Dezembro de 2016

19/09/2012 13:04

Um dia de modelo dentro do presídio, graças a turma de voluntárias da beleza

Ângela Kempfer e Paula Maciulevícius
Voluntária tira fotos de presa, para book fotográfico. (Foto: Minamar Júnior)Voluntária tira fotos de presa, para book fotográfico. (Foto: Minamar Júnior)

Toda terça-feira há uma reunião e um convidado, mas desta vez o programa é um dos mais animados no Presídio Feminino Irmã Irma Zorzi, em Campo Grande. Maquiagem, penteados, fotos e a cena muda. As presas aparecem produzidas, prontas para imagens que vão render books, como os de modelos.

Veja Mais
Uber multado, reajuste de ônibus e cidade sob chuva bateram recordes nas redes
Do Corinthians ao canteiro de obra, zagueiro que virou servente tem nova chance

De cabelos escovados, lápis nos olhos, sombra, batom, unhas esmaltadas, elas vão abrindo o sorriso. A produção depende de voluntárias. A fotógrafa Shirley Pereira, de 35 anos, é uma delas. Com a câmera, passou a tarde no presídio. “O interessante é que nem precisou incentivar. Elas são as artistas e eu na verdade só estou registrando”, conta.

A cabeleireira Eliane Ferreira Nunes, 33 anos, entre uma escovada e outra conversa com o Lado B e admite, estava com receio de passar pelos muros do presídio. “A gente pensa cada coisa, mas se vê de perto, não tem nada demais. É gente como a gente que precisa de oportunidade até pra ficar bonita. O que falta é isso, a oportunidade”.

Elas participam do projeto “Caminhar” que envolve 21 presas com bom comportamento. “Queremos colocá-las em situação de igualdade perante as mulheres lá fora. Ela merece ser feliz. Se elas agirem de acordo com os padrões da sociedade, podem conseguir muita coisa”, diz a coordenadora do projeto, a psicóloga Rosana Aparecida”.

Como em um salão de beleza, as mulheres vão arrumando o visual e contando histórias pessoais, falando sobre motivos, trajetória no crime e a vontade de sair dali.

A mais nova da turma, Andréia Rodrigues, tem apenas 19 anos.A mais nova da turma, Andréia Rodrigues, tem apenas 19 anos.
Voluntárias preparam cabelos para as fotos.Voluntárias preparam cabelos para as fotos.

Margareth Vilela, de 49 anos, tem curso superior. Formada em história, acabou presa pela quarta vez em abril de 2011, por estelionato. Mas apesar dos pesares, ela diz que nunca perdeu a vaidade. “Nos alojamentos, não tem secador como hoje, mas o cabelo está sempre está arrumado e as unhas feitas. “Fazemos unha toda semana, quem se cuida lá fora, também se cuida aqui”.

A liberdade ainda é o sonho da maioria, mas muitas estão ali não pela primeira vez. Aos 54 anos, Nivalda Tolentino já saiu, voltou, e agora será modelo pela primeira vez. No presídio há 1 ano e 10 meses, por tráfico de drogas, o que ela queria mesmo era a liberdade.”Isso não tem. O que dá para fazer aqui dentro, nós fazemos esperando chegar logo o dia de ir embora”.

Mas por alguns instantes a vontade parece se realizar. “Arrumei o cabelo, fiz sobrancelha, não estou me sentindo presa neste momento. Estou linda, poderosa. Só me falta mesmo a liberdade para eu ficar ainda mais bonita”.

A mais nova da turma, Andréia Rodrigues, tem apenas 19 anos. A estudante chegou em fevereiro, também depois de presa por tráfico de drogas, e encontrou o que classifica de “inferno”.

Com o tempo a impressão se transformou um pouco, por conta de momento como os de terça-feira. Só falta alguém para elogiar. “Se eu estou chamando atenção? Posso até estar, mas de quem?”, comenta.




Ter uma visao de ressocializar elevando a auta estima e o ponto de partida para qualquer projeto. Parabenizo a coordenadora Rosana que teve essa brilhante ideia
 
ELIANE NUNES em 26/09/2012 09:25:00
Como Especialista em Neuro-Linguística e Hipnose fui convidado a ministrar uma palestra motivacional no Projeto Caminhar e acredito que todos podemos mudar conceitos e comportamentos com os ensinamentos certos, e este é o objetivo... Reeducar! Parabéns para a organização deste projeto!
 
Jorge Nahabedian em 23/09/2012 06:44:25
Como psicóloga, fui convidada a ser voluntária nesse Projeto em 26/06/12, participei ministrando palestra de "auto estima e amor próprio" com dinâmica de grupo vivencial. Senti no grupo possibilidades de mudança significativa no que diz respeito a valores e conceitos . Tenho a dizer que foi muito gratificante participar do PROJETO CAMINHAR. Reconheço o profissionalismo da companheira de profissão
 
Flora da Costa Raimundo em 21/09/2012 12:35:22
Penso, como coordenadora, que deveria ser feito um trabalho diferenciado com nossas crianças para que elas não precisem passar por esta situação mais tarde. As famílias estão deixando a educação moral e valores para as escolas que além de ministrar os conteúdos, que não são poucos, tem que ensinar seus alunos valores como amar aos pais, respeitar os colegas e os professores e demais funcionários..
 
Ana Corrêa em 21/09/2012 04:00:57
olha eu penso bem diferente para mim essas pessoas nao deveria ter nem um tipo de regalia ,,, ao contrario deveria trabalhar para se manter no presidio fazer hortas ,,, plantar milho , mandioca ,isso sim e reeducar para a sociedade pq aqui fora todos acorda cedo ,,, para trabalha com sol ou chuva ,,,,,,,,,,,
 
ana paula pinton em 20/09/2012 10:47:44
Não sou a favor de bandido, traficante, sequestrador etc... Mas se o objetivo da cadeia é ressocializar, o trabalho feito por esses voluntariados é o caminho certo. Quanto ao comentário infame do leitor Valmir Nogueira, só uma palavra “lamentável” deve estar assistindo muito “DATENA”. Se por algum infortúnio da vida vc tivesse um ente querido nesse "Campo de Férias" sua opinão seria a mesma ???
 
Ferreira da Silva em 20/09/2012 08:44:35
acho que esta tudo errado a pessoa esta presa é porque transgrediu a LEI, então não pode e não deve ter nenhuma regalia. se não perde o sentido da punição.isto é a mesma coisa que der umas cintadas na perna do filho por ter feito uma arte grave e dali a pouco vir pedir desculpa por ter feito isto. NÃO VAI APRENDER NUNCA.o poder JUDICIARIO deveria coibir isto.se não a prisão não vai valer NADA.
 
Haroldo J.F. Nogueira em 20/09/2012 08:35:32
parabéns aos voluntarios e a diretoria do presídio pelas atividades que oferecem as detentas.
 
jose roberto em 20/09/2012 07:45:32
Sr. Valmir Nogueira, seus comentários foram muitos infelizes, essas ações é justamente o certo, o ser humano erra e vc sabe que o perdão vem do pai eterno e não é vc quem vai julgar se perdoa ou não as pessoas, parabéns aos organizadores e notamos a felicidade dessas mulheres nas imagens que vimos e elas merecem sem duvidas outra chance de ressocializar. Nota 10 aos organizadores.
 
Gilmar Marques em 20/09/2012 06:06:47
O projeto Caminhar representa a verdadeira conscientização Humanitária, que anda junto com os Direitos fundamentais e naturais do Homem enquanto Cidadão.
Acreditar em alguém quando ninguém mais acredita é algo muito bonito e de atitude superior, esse projeto coordenado pela psicóloga Rosana Aparecida, ja tem seu sucesso demonstrado na orientação, recuperação e acompanhamentos das internas.
 
Dilson MadMax Walkarez Rodovalho em 20/09/2012 01:39:45
Parabéns aos voluntários, acho que atitude assim ajudam muito essas pessoas, atualmente emprego uma ex-presidiaria e ex-miss presidio. Definitivamente a melhor funcionaria que já tive. Infelizmente nem todas são reincluidas na sociedade, talvez por nossa culpa.
 
Paulo Roberto em 19/09/2012 11:09:42
Parabéns ao serviço voluntariado. O resgate da dignidade humana é essencial para efetiva ressocialização, com valorização da pessoa e conscientização de seu papel na sociedade enquanto cidadão cumpridor de seus deveres e obrigações, para que possa exercer seus direitos na plenitude.
 
Agostinho Ramires em 19/09/2012 10:55:35
gostei muito do vcs estao fazendo parabens que Deus abençoe vcs um forte abraço e um grande beijo au
 
isac oliveira da silva em 19/09/2012 09:45:32
parabens pela iniciativa e que elas possam sair de la e conquistar sua dignidade e o convivio social novamente.
 
tatiane lago rezende vieira em 19/09/2012 09:02:41
Como diz a matéria, elas foram selecionadas por bom comportamento e um dia estarão novamente em sociedade. O que elas passam dentro do alojamento somente elas que sabem e vão carregar pelo longo de suas vidas, porém a ressocialização tem que ser acreditada sempre, pois elas já foram julgadas e condenadas. Isso fará c q elas reflitam e muito como ser humano q merecem igualdade e serem felizes.
 
Rosana Costa em 19/09/2012 07:03:37
Gente essas pessoas estão ai pra pagar uma pena, não pra ficar nessa maravilha toda não, é por isso que esses bandidos fazem o que fazem, um lugar onde se come se bebe dorme bem e ainda tem essas regalias, até eu se tiver que cometer alguma infração algum dia não irei pensar duas vezes, ir para um campo de férias desses é bom demais...
 
valmir nogueira em 19/09/2012 05:32:22
Parabéns pela iniciativa, todos nos merecemos uma segunda chance ...
Que deus abençoe..
 
Renata Alves em 19/09/2012 05:16:14
Parabéns pela iniciativa.
 
lau barcellos em 19/09/2012 04:14:14
Parabéns o trabalho é lindo, elas são como nós e isso trás uma nova auto-estima dentro delas tenho certeza...O trabalho é perfeito, penso que errar é humano e não tem porque ter receio ou coisa assim, elas são lindas e humanas como nós!
 
Déborah Suellen em 19/09/2012 03:27:04
Parabéns às voluntárias! Muito lindo esse projeto...! :D
 
Isabelle Tanji em 19/09/2012 02:52:09
Adorei a matéria! Espero que elas se sintam melhores e mais bonitas, e assim se valorizem mais. Que cada uma tenha uma nova oportunidade na vida, todo dia é um novo recomeço! Parabéns as volutarias pelo trabalho lindo, de levar um afago a esses corações...
 
Ana Paula Pedro Souza em 19/09/2012 02:28:25
Parabéns as voluntárias . todos nos merecemos uma segunda chance ...
 
maikelly soareas em 19/09/2012 02:04:19
imagem transparente

Compartilhe

Classificados


Copyright © 2016 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.