A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 10 de Dezembro de 2016

26/04/2016 06:20

"Enfiando linha na agulha", peruano quer voltar para casa depois de roubo

Adriano Fernandes
Depois de ser roubado durante viagem, peruano vende o apetrecho para juntar dinheiro e voltar para o Peru. (Foto: Marcos Ermínio)  Depois de ser roubado durante viagem, peruano vende o apetrecho para juntar dinheiro e voltar para o Peru. (Foto: Marcos Ermínio)

Releve a ignorância, mas quem vive muito mais no computador do que na vida real nunca imaginou que existia no mercado um objeto criado apenas para enfiar linha em agulha. Só descobrimos isso graças ao peruano Elme Ramos, de 37 anos. No Centro da cidade, ele  chama a atenção pelo letreiro no peito, no cruzamento da Avenida Fernando Corrêa da Costa, com a 13 de Maio.

Veja Mais
Oficina oferece de graça curso básico sobre veículos para mulheres
Escola para crianças de até 6 anos não vai fechar nem nas férias

Há três dias, o rapaz viu na venda do objeto curioso uma forma de arrumar dinheiro para voltar para casa. Ele conta uma história de fazer qualquer um desembolsar alguns trocados e ajudar. Diz que foi assaltado no Paraguai e perdeu tudo. A viagem tinha como destino final a cidade de São Paulo, onde ele iria reencontrar a irmã, que já não vê há 8 anos, garante.

Com um “portunhol” nada fluente, Elme fala um pouco sobre os últimos anos entre o abre e fecha do semáforo da Rua 13 de Maio. Ali, e no cruzamento com a Rua 14 de Julho, são os principais pontos de venda.

Elme conta que comprou uma grande quantidade do aparelhinho colorido em uma lojinha da 14 de Julho e revende cada um por R$ 5,00, com o manual explicando passo a passo o uso.

Junto com cada enfiador de linhas, ele vende um manual com um passo a passo de como utilizar o produto. (Foto: Marcos Ermínio) Junto com cada enfiador de linhas, ele vende um manual com um passo a passo de como utilizar o produto. (Foto: Marcos Ermínio)

“Mas o movimento anda fraco. As pessoas não estão muito interessadas em comprar meu produto”, se queixa.

Elme diz que antes de vir para Campo Grande trabalhava como segurança em Lima, cidade onde nasceu. “Eu ia reencontrar a minha irmã depois de oito anos. Mas enquanto eu passava pela cidade de Assunção eu fui assaltado”, reforça.

Segundo o rapaz, os ladrões roubaram dólares e pesos bolivianos, o que equivale a R$ 2.380,00. Eles levaram também um aparelho celular, mas sobrou um pouco de dinheiro para chegar até aqui.

Hoje, em Campo Grande, é só ele e os "enfiadores de linhas". Até o destino mudou, depois do azar pelo caminho. Ele pretende arrecadar pelo menos R$ 600,00 para comprar a passagem até o Paraguai e em seguida voltar para o Peru. “Sai mais barato do que tentar ir para São Paulo”, comenta.

Curta a página do Lado B no Facebook.




imagem transparente

Compartilhe

Classificados


Copyright © 2016 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.