A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 07 de Dezembro de 2016

10/04/2012 08:21

De cafezinho a guarda-chuvas, ambulantes faturam na hora que o tempo fecha

Elverson Cardozo
“O bom é na hora do ‘me dá’, ‘me dá’”, conta ambulante. (Foto: Pedro Peralta)“O bom é na hora do ‘me dá’, ‘me dá’”, conta ambulante. (Foto: Pedro Peralta)

Na hora que o tempo fecha eles faturam, sem medo de ser feliz. Telespectadores assíduos de previsões do tempo, os ambulantes estão por toda a parte. É só o dia mudar de cara que eles entram em ação. De cafezinho à guarda-chuvas, os produtos “emergenciais” na hora do temporal saem como água.

Veja Mais
Chuva rápida alaga residências em bairros de Campo Grande
Defesa Civil emite alerta para ocorrência de chuva forte com trovoadas

Na tarde desta segunda-feira (9), durante a chuva que durou cerca de meia hora, Suelene Miranda, de 43 anos, mais conhecida como “Polaca”, já tinha vendido 30 guarda-chuvas; cada um a R$ 10,00.

Há 20 anos nas ruas, a ambulante sabe até onde vende mais. “Gosto de ficar na porta dos bancos”, conta. As mercadorias ficam no depósito, preparadas para quando o tempo fechar. “O bom é na hora do ‘me dá’, ‘me dá’”, revela.

Rodrigo Rodrigues, de 30 anos, também havia faturado, mas estava torcendo para cair outro pé d’ água. “Se der um vendaval é bom”, disse. “Tem que rezar para chover mais”, completa.

Vendedora de meias, Gládis garante que o movimento aumenta quando começa a chover. (Foto: Pedro Peralta)Vendedora de meias, Gládis garante que o movimento aumenta quando começa a chover. (Foto: Pedro Peralta)
David chega a comprar, para revender, cerca de 500 guarda-chuvas mensais. (Foto: Pedro Peralta)David chega a comprar, para revender, cerca de 500 guarda-chuvas mensais. (Foto: Pedro Peralta)

Para o ambulante não há tempo ruim. Na chuva é guarda-chuvas, mas “se começar a derreter a gente vende protetor solar”. Já o ambulante David Emerson, de 38 anos, explica que “quem grita vende mais”.

Telespectador assíduo de previsões do tempo, David chega a comprar, para revender, cerca de 500 guarda-chuvas mensais. Até agora, este mês, já vendeu 300 unidades. Conta que o trabalho depende do tempo. Esse ano, avalia, choveu pouco.

Já Gladis Meri Toledo, de 60 anos, esperou a chuva passar e correu para vender meias de lã no cruzamento da rua Barão do Rio Branco com a 14 de julho. Pelo menos 10 pares já tinham saído.

Ana Cláudia apostou na chipa, pães de queijo, cafezinho e pingado. (Foto: Pedro Peralta)Ana Cláudia apostou na chipa, pães de queijo, cafezinho e pingado. (Foto: Pedro Peralta)

Apesar do calorão, Gladis garante que o movimento aumenta quando começa a chover. “Eles compram para o inverno já, que está vindo aí”, explica. Quando vê nos telejornais que o tempo vai fechar, corre encher a mochila de meias. “De crianças, adultos e mulheres”, afirma.

Para faturar na hora da chuva, Ana Cláudia Nantes, de 33 anos, apostou nas chipas e pães de queijo. Já sabe que a combinação é o que mais sai. Das 30 unidades que trouxe, só restavam três.

O cafezinho e o pingado são indispensáveis. Conseguiu esvaziar quatro garrafas térmicas. Quando a previsão é de chuva... “Representa que eu vou embolsar um pouco mais”, finaliza.




imagem transparente

Compartilhe

Classificados


Copyright © 2016 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.