A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 04 de Dezembro de 2016

22/09/2015 06:45

Grupo cria horta onde qualquer um pode plantar e depois colher orgânicos

Lucas Arruda
A horta começou há seis meses no Octávio Pécora e já atrai moradores de bairros distantes (Foto: Fernando Antunes)A horta começou há seis meses no Octávio Pécora e já atrai moradores de bairros distantes (Foto: Fernando Antunes)

Sair de casa no domingo de manhã é uma tortura para muita gente, ainda mais se for para "carpir um lote", mexer com terra e ficar sob o sol. Mas para conscientizar a população e produzir alimentos orgânicos, um grupo de aproximadamente 30 pessoas sai toda semana de todos os cantos da cidade rumo ao bairro Octávio Pécora para cultivar uma horta comunitária.

Veja Mais
Estilistas criam coleção especial para quem tem algum tipo de deficiência física
Referência em Medicina, cursinho abre inscrições para bolsas de até 100%

Lá é plantado de tudo, desde hortaliças, como couve e mandioca; frutas, como amora, banana e abacaxi; e até ervas medicinais. “Quanto mais variedades de plantas, melhor a qualidade do solo e também mais alimentos são produzidos”, explica o artista plástico Luciano Alonso, que mora no bairro Aero Rancho e frequenta o lugar há quatro meses.

O artista Luciano Alonso frequenta a horta há quatro meses e mora no Aero RanchoO artista Luciano Alonso frequenta a horta há quatro meses e mora no Aero Rancho

O espaço começou depois da revitalização do Centro Comunitário do bairro, organizado por um biólogo e algumas pessoas ligadas a permacultura, o tipo de cultivo ambientalmente sustentável, socialmente justo e financeiramente viável. O grupo ofereceu ajuda para fazer do terreno de trás uma área verde e então surgiu a horta. Ela, apesar de já ter seis meses, ainda está em fase inicial, mas já rende frutos.

“Tem bastante gente vindo conhecer aqui, poucas são do bairro, mas é legal essa adesão de fora, mostra que o pessoal está se interessando pelo desenvolvimento sustentável. Precisamos de mais hortas pela cidade”, diz Luciano.

Ainda há mato no terreno, mas ele está sendo deixado lá propositalmente. “O mato retém a umidade, por isso não podemos retirá-lo totalmente de uma só vez”, explica.

No último domingo, o estudante Bruno Diniz estava bastante animado. Pegou uma enxada e começou a carpir um pouco do mato para depois plantarem mandioca. Ele vai à horta há pouco tempo, apenas um mês, mas não pretende deixar de comparecer.

“Fui numa atividade num centro de economia solidária e fiquei sabendo daqui. Mesmo morando no Centro venho sempre porque acho importante aprendermos a plantar nosso próprio alimento, é algo que podemos fazer em casa. Sai barato, é mais saudável e ajudamos o ambiente”, reflete.

Já a representante comercial Eliane Ferreira, que mora no bairro Pioneiros, conheceu o lugar por meio da irmã, que era aluna de um dos organizadores. Agora ela, que está indo há um mês e meio à horta, já vai até sozinha. “Eu vim pela primeira vez e gostei, vale a pena o esforço”, frisa.

O estudante Bruno Diniz vai ao local há apenas um mês e não pretende parar de irO estudante Bruno Diniz vai ao local há apenas um mês e não pretende parar de ir
Eliane Ferreira passou a comer mais alimentos orgânicos depois de começar a ir para a hortaEliane Ferreira passou a comer mais alimentos orgânicos depois de começar a ir para a horta

Sua rotina até mudou depois disso. “Comecei a comer mais alimentos orgânicos, que é muito melhor do que tudo que consumimos normalmente, é até mais gostoso, dá para sentir a diferença. Também parei de sair um pouco para estar inteira aqui nos domingos. Estou levando uma vida muito mais saudável”, relata.

Para deixar os domingos mais atrativos o grupo geralmente faz um café da manhã e também almoço. “Nem sempre ficamos o dia todo aqui, depende do calor também, mas às vezes ficamos até o fim da tarde”, aponta Luciano.

Depois de colhidos, os alimentos são distribuídos pelos participantes do projeto e também para algumas pessoas do bairro. Mas Luciano lembra que deve ser tudo na base da troca.

“Já passaram aqui durante a madrugada e levaram nossas abóboras. Por enquanto está aberto, mas estamos fazendo uma cerca viva que irá inibir isso. Nós não queremos que a produção daqui fique só entre nós, pelo contrário, pretendemos distribuir. Em troca só queremos um pouco de ajuda”, comenta.

Alguns moradores da região também passam na horta e trocam alguns alimentos por mudas. No entanto, o artista plástico lembra que a principal função do lugar não é a produção e sim a conscientização de todos. “Queremos que as pessoas entendam que espaços assim são importantes para continuarmos no planeta”, conclui.

A horta é aberta a todos os campo-grandenses. Todos os domingos pela manhã é realizado um mutirão no local. Ela fica na avenida Prefeito Heráclito Figueiredo, esquina com a rua Corrupião.

Frutas, hortaliças e ervas são plantados no mesmo canteiro para melhorar qualidade do soloFrutas, hortaliças e ervas são plantados no mesmo canteiro para melhorar qualidade do solo



Parabens a todos!!!
 
Max em 22/09/2015 15:27:18
imagem transparente

Compartilhe

Classificados


Copyright © 2016 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.