A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 09 de Dezembro de 2016

24/08/2016 09:15

Manoel Secco Thomé, um construtor de Campo Grande dos anos 30

Ângelo Arruda
Thomé ao centro, com a sua família.Thomé ao centro, com a sua família.

Manoel Secco Thomé foi um eminente construtor de Campo Grande nos anos 1930 e 1940. Tinha licença do CREA – SP n. 1.425 e nasceu no dia 17 de abril de 1886, em Figueira da Foz, cidade litorânea, próxima a Coimbra, em Portugal. Veio para o Brasil em 1910 e fixou-se na região de Terenos, próximo de Campo Grande, como serrador de madeiras.

Veja Mais
Um ano de conversa sobre Campo Grande e muitas experiências novas
O 1º Plano Urbanístico de Campo Grande veio há 80 anos, com Eduardo Olímpio

Em 1914, mudou-se para Campo Grande e em 5 de junho de 1915 casou-se com Maria Luisa Trevisan Franciscato, filha de italianos. Em 1920, fundou a empresa Thomé & Vendas Ltda, em sociedade com Antônio da Silva Vendas, imigrante português que tinha grande propriedade na altura da Rua Joaquim Murtinho, e entrou na construção civil, atuando no ramo de serraria e de cerâmica de olaria.

Sede da empresa Thomé, na Rua 14 de julhoSede da empresa Thomé, na Rua 14 de julho

Em 1924, a empresa mudou de nome para Thomé & Irmãos, agora em sociedade com seus dois irmãos Joaquim e Antônio Thomé. “Usaram o primeiro lucro para comprar uma área de vários hectares, onde hoje é a Rua 14 de Julho, depois do Colégio Dom Bosco e da Rua General Melo, que ia até os trilhos... Ali não havia rua, apenas uma porteira que dava acesso ao parque industrial dos Thomé. Os galpões eram todos de madeira, à exceção da residência do tio Joaquim, que era de alvenaria” me disse sua neta Miska Thomé em entrevista.

Em 1954, mais uma vez a empresa mudou de nome passando para Thomé & Filhos Ltda. Como cidadão de origem portuguesa, Thomé representou sua terra natal no cargo de vice-cônsul de Portugal em Campo Grande, de 1933 até 1954, e ajudou a organizar e difundir a cultura daquele país.

Como empresário participou da fundação a Associação Comercial de Campo Grande, em 14 de março de 1926 - fez parte da Diretoria, como membro do Conselho Fiscal, em 1934, na gestão de Augusto Wulfes - e o Clube Português, cuja sede era na Rua Barão do Rio Branco, atual Banco Real.

Sede da empresa Thomé na Dom Aquino.Sede da empresa Thomé na Dom Aquino.

Manoel Secco Thomé possuía, no final dos anos 20, uma empresa especializada no ramo da construção com um considerável patrimônio.

Sua empresa tinha escritório na Rua Dom Aquino n. 565, atual 1483, e a sua estrutura operacional era muito grande com serraria completa com capacidade de desdobro de madeira de 10 m3 diários, inclusive com a fabricação de portais e portas, localizada na saída para São Paulo, em chácara próxima ao atual Jardim Moema.

Tinha ainda carpintaria completa para fabricação e montagem de esquadrias, carrocerias etc; fábrica de pisos de ladrilhos cerâmicos; cerâmica com produção de tijolo comum, tijolo de 6 e de 8 furos, telhas francesa, telha comum, manilha de 3” a 18” e utensílios domésticos, tais como, moringas, vasos e bebedouros; oficina de manutenção completa em torno, solda e unidade de serralharia, na Rua 14 de Julho; máquina de beneficiar arroz, café e moinho de fubá; pedreira com britadeira para exploração de pedras de todos os tamanhos.

Edifício construído por Thomé, na Rua 14 de Julho esquina coma Rua Dr. Themistocles.Edifício construído por Thomé, na Rua 14 de Julho esquina coma Rua Dr. Themistocles.

Segundo depoimentos de Alexandre Tognini, a empresa Thomé & Irmãos chegou a ter mais de 200 empregados, desde pessoal de obra, administrativo e aqueles que trabalhavam nas empresas. Aliás, em 1925, quando voltou de Portugal ao fazer sua primeira viagem, ele trouxe entre 10 e 20 artífices portugueses da região da Freguesia de Lavos, especificamente de um lugar chamado Carvalhais, entre os quais podemos citar Antônio Damião, Manoel Pereira, Joaquim Pereira, Maia e talvez até o José Maria Ascenço.

Diferentemente dos outros construtores de Campo Grande, Manoel Secco Thomé possuía obras em outras cidades do Estado de Mato Grosso e, com a participação de sua empresa na empreitada das obras dos Quartéis de Campo Grande, em 1922, ganhou prestígio dos militares e daqueles que comandavam o setor de engenharia da 9a. Região Militar.

A essa experiência alia-se o fato de que Thomé exerceu uma influência social muito grande, administrou e executou obras públicas, enquanto concorrentes da época – Manoel Rosa, José Luiz Louzinha, Inácio Gomes, Joaquim Nogueira Pinto ou Alexandre Tognini – executavam muitas obras particulares.

Santa Casa de Misericórdia foi erguida pela empresa Thomé.Santa Casa de Misericórdia foi erguida pela empresa Thomé.

Com a criação do Conselho Federal de Engenharia, Arquitetura e Agronomia-(Confea), e da lei que regulamentava as profissões, Manoel S. Thomé foi obrigado a buscar sua licença de construtor em São Paulo, e a sua empresa teve de contratar um profissional responsável técnico.

Entre 1933 e 1939, respondeu tecnicamente pela Thomé & Irmãos o arquiteto Frederico João Urlass; entre 1940 e 1946, o engenheiro civil Otávio Mendonça de Vasconcelos, formado na Politécnica do Rio de Janeiro em 1939. Esses profissionais, além de responsáveis técnicos pela empresa, encarregaram-se de elaborar os projetos de arquitetura, estrutura, instalações, quantificações, orçamentos e planilhas para licitação de obras.

Muitas das obras construídas por Manoel Secco Thomé encontram-se na cidade de Campo Grande e no interior do Estado, salvo o Hotel Colombo, da Rua Dom Aquino e a base do Relógio da Rua 14 de Julho, já demolidos. Um de seus maiores orgulhos era a fábrica de ladrilhos.

Laje do prédio dos CorreiosLaje do prédio dos Correios
Thomé adorava pescar.Thomé adorava pescar.


No currículo de obras de sua empresa, constam, dentre outras, as seguintes: a) Agência da Empresa de Correios e Telégrafos (1934), localizada na Rua Dom Aquino esquina com a Rua Calógeras. Obra federal construída por empreitada, cujo projeto veio pronto do Rio de Janeiro, com 2 pavimentos e um terceiro foi agregado anos depois, segundo depoimentos de Paulo Coelho Machado; b) Cine Santa Helena (1936), localizado na Rua Dom Aquino, próximo às Lojas Americanas, foi projetado por Frederico João Urlass e era de propriedade de Alexandre Saad; c) Hotel Colombo (1934), de propriedade de Emílio Giugni, localizado na Rua Dom Aquino, ao lado do Banco do Brasil e demolido nos anos 70; d) Sede da Associação dos Criadores de MT-Acrimat (1940), projetada por Otávio Mendonça de Vasconcelos, na Rua 13 de Maio próximo a Av. Afonso Pena; e) Sede da Associação Comercial de Campo Grande (1934), na Rua Dom Aquino, que depois se transforma na Associação de Proprietários de Imóveis de Campo Grande; f) Leprosário São Julião (1942), localizado na saída para Cuiabá, atual Hospital São Julião, inaugurado pelo presidente Getúlio Vargas; g) Educandário Getúlio Vargas(anos 40), na saída para Cuiabá, obra da Sociedade Eunice Weaver; h) Auto Peças Chacha, (1939), projeto de Frederico Urlass, com cobertura em arco de madeira, localizado na Rua Dom Aquino, ao lado do escritório da sua empresa; i) Obelisco de Campo Grande e Relógio da Rua 14 de julho (1933), obras possivelmente projetadas por Frederico Urlass, de acordo com as intenções do coronel Newton Cavalcanti, comandante da 91. Região Militar; j) Obras militares (anos 20 e 30), Anexo ao Quartel General da 9a. Região Militar; Vila dos Oficiais nas Ruas Barão do Rio Branco, Duque de Caxias e Praça Newton Cavalcanti; Colégio General Malan; Cassino dos Oficiais na Base Aérea; l) Obras do Pavilhão “B” da Santa Casa de Misericórdia de Campo Grande, (1939) na Av. Mato Grosso projetada pelo engenheiro Firmo Dutra; m) Praça Cuiabá (1934), localizada na continuidade da Rua João Rosa Pires, inaugurada na mesma época da Praça Newton Cavalcanti; n) Edifício comercial (1938), localizado na Rua 14 de Julho esquina com a Rua Dr. Themístocles, próximo a estação ferroviária; o) Edifício São Thomé (1942), residencial e comercial na Rua 14 de Julho entre a Av. Mato Grosso e a Rua Antônio Maria Coelho, dentre tantas outras.

Manoel Secco Thomé faleceu em 28 de julho de 1962, na cidade do Rio de Janeiro, de problema renal. Teve onze filhos e muitos netos e netas e uma delas, Emilcy Thomé Gomez, foi uma importante fonte de informação para este trabalho.

 




imagem transparente

Compartilhe

Classificados


Copyright © 2016 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.