A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 17 de Janeiro de 2017

13/02/2015 20:01

Carnaval de Campo Grande inova com grupos temáticos e espaço para crianças

Daniel Machado
O grupo incentiva a participação infantil e pede aos adultos que levem os meninos e meninas fantasiados e devidamente identificados, para brincar com tranquilidade, sempre acompanhados pelos responsáveis. (Foto: Divulgação)O grupo incentiva a participação infantil e pede aos adultos que levem os meninos e meninas fantasiados e devidamente identificados, para brincar com tranquilidade, sempre acompanhados pelos responsáveis. (Foto: Divulgação)

Confirmando o pioneirismo, o Cordão Valu, que faz seu desfile oficial neste sábado (14), prepara a segunda edição do “Valuzinho”, um bloco dentro do desfile exclusivamente para crianças.

Veja Mais
Dono de hits de Canaval, Leo Santana faz show amanhã em Campo Grande
Tiago Iorc faz show em abril e venda de ingresso começa amanhã

A ideia nasceu no ano passado, dada por uma mãe foliã, que atualmente é a organizadora da atividade para os pequenos. O grupo incentiva a participação infantil e pede aos adultos que levem os meninos e meninas fantasiados e devidamente identificados, para brincar com tranquilidade, sempre acompanhados pelos responsáveis.

Outra iniciativa do Valu é o incentivo à organização de blocos temáticos dentro do cordão, a exemplo da edição anterior, quando um grupo fez homenagem ao presidente da Fundação de Cultura de Ponta Porã, Arnaldo Romero, um dos fundadores do Cordão Valu e falecido em 2013, com o bloco “Viúvas do Arnaldo”.

Além de formações como o Bloco das Noivas, que já sai no desfile há dois anos, neste ano a novidade ficará por conta das “Carmens”, grupo de moças encarnando Carmem Miranda.

Criatividade para a fantasia - Segundo a professora Silvana Valu, fundadora do cordão, é novidade em Campo Grande, mas costume em vários lugares do país a formação de pequenos blocos para a brincadeira.

“Em Olinda, PE, por exemplo, é muito comum três, quatro, dez pessoas se reunirem, criarem uma fantasia simples e caírem na folia em turma. E, mesmo por aqui, isso já acontecia nos antigos carnavais dos clubes”, afirma. A carnavalesca acredita que esse tipo de manifestação acrescenta diversidade e colorido ao desfile, além de deixar as pessoas mais à vontade junto a seu grupo de amigos.
E é sob esse argumento que a

professora insiste no uso de fantasias, pois essa é uma das características do cordão. “Aqui não temos camiseta nem abadá. Bonita é a criatividade dos foliões, que improvisam e vêm fantasiados com o que têm à mão: um chapéu, um lenço, uma flor, uma roupa colorida, e pronto: já se tem um personagem para a brincadeira”, afirma Silvana.

 




imagem transparente
Busca

Compartilhe

Classificados


Copyright © 2017 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.