A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 19 de Janeiro de 2017

24/03/2014 06:48

Colônia Paraguaia resgata tradição dos grandes almoços e mantém "clima família”

Elverson Cardozo
Porco no tacho era o prato principal no almoço deste domingo. (Foto: Cleber Gellio)Porco no tacho era o prato principal no almoço deste domingo. (Foto: Cleber Gellio)

Mais de uma tonelada de carne de porco frita no tacho, vinagrete, maionese, salada, mandioca, arroz branco, bebida, chamamé ao vivo e muita animação. O domingo (23), na Colônia Paraguaia, em Campo Grande, foi assim e contou com a presença de aproximadamente 2 mil pessoas. É a volta dos grandes almoços promovidos pela entidade que aproxima amigos, resgata e preserva a cultura que vem do outro lado da fronteira.

Veja Mais
Tem de ter coragem para encarar um "The Voice" no Centro de Campo Grande
Quem conhece diz que só preocupação com filho pode manter BBB longe de “tretas”

Pensando em oferecer uma opção àqueles que não se sentem à vontade nos bailões, por exemplo, o organizador, Marcos Alves Pereira, 42 anos, o Marcão do Gugu, como é conhecido, resolveu investir no evento, que mantém um ar mais família e, por isso, faz sucesso.

Ele ficou três anos parado, mas agora volta com a intenção de promover um almoço grandioso a cada 60 dias. “Já fiz o porco no tacho em Terenos e duas vezes aqui. O povo gosta bastante”, disse, ao citar, também, o “costelão”, o “boi no buraco” e, claro, os churrascos.

A entrada, na hora, custava R$ 30,00, mas o valor dava direito ao almoço, servido das 12h às 14h, e uma tarde inteira de animação, com muito arrasta-pé e música ao vivo. Na lista de atrações, grupos como Eco do Pantanal, Laço de Ouro e músicos como Alex e Ivan e Dino Rocha.

Com música ao vivo, salão de dança ficou lotado. (Foto: Cleber Gellio)Com música ao vivo, salão de dança ficou lotado. (Foto: Cleber Gellio)

O salão ficou lotado de casais que, juntinhos, caíram na dança ao som da sanfona. Alguns foram a caráter, com chapéus, botas e adereços típicos da cultura Paraguai, enquanto outros apareceram mais despojados, mas nem por isso deixaram de curtir.

Debaixo das tendas, famílias inteiras aproveitaram o domingo. A microempresária Sheisi Alves, 47 anos, foi acompanhada do marido, genro, irma e a sobrinha de 7 meses. Pela primeira vez na colônia, a mulher, que não tem descendência Paraguaia, sentiu-se à vontade.

“Soube por uma amiga da faculdade. Achei bem organizada. Não tem bagunça. É bem família”, relatou.

Michele e Giovana foram pela primeira vez à Colônia e já pretendem voltar. (Foto: Cleber Gellio)Michele e Giovana foram pela primeira vez à Colônia e já pretendem voltar. (Foto: Cleber Gellio)

A irmã dela, Shossimeri Schiave, 37 anos, também destacou a tranquilidade e disse que já considera o espaço um lugar de lazer. “Dá para se divertir e serve para todo mundo”, comentou.

A auxiliar administrativa Michele Ferreira, de 24 anos, concorda. “Estou adorando porque é um evento bem alegre”. A amiga, Giovana da Silva Gonsales, 26 anos, reforça o discurso e afirma que, para quem gosta de dançar, a atração é excelente.

Veterano nos eventos promovidos por Marcão, o pecuarista Valdivino Sandim, de 70 anos, considera os almoços uma tradição do lugar que, segundo ele, é o ponto encontro de amigos.

Na Colônia Paraguaia, diz ele, “O chamamé comanda e o tereré refresca”.

Serviço - A entidade fica na Rua Ana Luiza de Souza, 668, bairro Pioneiro, em Campo Grande.

Sanfoneiro animou os frequentadores. (Foto: Cleber Gellio)Sanfoneiro animou os frequentadores. (Foto: Cleber Gellio)



Muito bom, recomendo!!!
 
Mara Lescano em 25/03/2014 16:33:06
Pensa no lugar bom de frequentar...
 
RODRIGO RODOLFO BARROSO em 24/03/2014 07:51:25
imagem transparente
Busca

Compartilhe

Classificados


Copyright © 2017 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.