A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 08 de Dezembro de 2016

14/12/2012 08:00

Em área nobre, o parque do Itanhangá já foi mais bonito

Elverson Cardozo
Beleza de uma nascente fotografa por Ari Lopes. Beleza de uma nascente fotografa por Ari Lopes.

Todo fotógrafo profissional sabe que um registro bem feito, que alia técnica e sensibilidade, pode fazer da cena mais desprezível e do cenário mais incompleto uma bela fotografia. Mas a arte de escrever com a luz também capta a realidade.

Veja Mais
Ludmilla é uma fofa e mostra o que o funk pode ensinar ao nosso sertanejo
Coletivo de DJs organiza festas com música para 'dançar mais e reparar menos'

Ari Lopes da Rosa, de 59 anos, registra o real há 40 anos. Faz poesia com ele. Revela a beleza escondida, ao vivo e cores. Mostra a graça do comum, mas faz o trivial saltar aos olhos a cada novo enquadramento.

Localizado em uma das áreas nobres de Campo Grande, o Itanhangá Park, no bairro que leva o mesmo nome, é um dos pontos mais visitados por Ari, que se especializou em fotografias da natureza.

As imagens feitas por ele, divulgadas em sua página na internet, mostram a beleza plástica do local. Retratam a tranquilidade harmoniosa que garante momentos únicos aos espectadores da natureza e da flora Sul-Mato-Grossense. Oferece margem a reflexões.

Mais uma nascente do Itanhangá registrada há meses por Ari Lopes.Mais uma nascente do Itanhangá registrada há meses por Ari Lopes.

As nascentes aparecem como verdadeiros espelhos d’águas, cobertos por flores e cercado de folhas secas. Os movimentos dos peixes, moradores antigos, garantem a beleza do cenário que, num clique, fica eternizado no tempo.

Verdes como esmeraldas, as folhas, de alto a baixo, escondem as maravilhas que muitas vezes passam despercebidas. Mas o olhar apurado, aliado às lentes, deixa à mostra a perfeição.

Dentre os pássaros que costumam frequentar as árvores do parque, o Ferreirinho-relógio recebeu destaque. A ave de peito amarelo foi flagrada em cima do ninho, terminando de construir a “casa”. Um gato branco, que parece à vontade em meio às flores nascidas no mato, também foi fotografado.

Os registros são recentes, deste ano, mas de um período em que a área parecia mais apresentável aos frequentadores. Inevitável uma comparação de antes e depois.

Especializado em fotografia de natureza, Ari Lopes afirma que a praça que rendeu tantos registros está descuidada. (Foto: Rodrigo Pazinato)Especializado em fotografia de natureza, Ari Lopes afirma que a praça que rendeu tantos registros está descuidada. (Foto: Rodrigo Pazinato)

Abandono - A equipe do Lado B visitou o parque. Os sinais de que alguma coisa está errada começam pela entrada. O mato alto cerca as placas da própria prefeitura, que exibem um pedido no mínimo contraditório: “Preserve a natureza e cuidem de nossa praça”.

Adiante, a poucos metros dali, nota-se que a manutenção há dias não dá as caras. Não faltam evidências: Fora o mato, que por si só tira a beleza do espaço, há papéis, plásticos, garrafas pets e copos descartáveis jogados por maus frequentadores.

Grande parte das lixeiras estão lotadas. Os lixos parecem largados no tempo. Nos fundos, alguns dos bancos de madeiras, que deveriam estar à mostra, estão escondidos, atrás do mato.

Bancos estão encobertos pelo mato. (Foto: Rodrigo Pazinato)Bancos estão encobertos pelo mato. (Foto: Rodrigo Pazinato)
Lixeiras estão lotadas. (Foto: Rodrigo Pazinato)Lixeiras estão lotadas. (Foto: Rodrigo Pazinato)

A parte inferior de um deles foi colocada ao lado de uma nascente, que perdeu todo o seu brilho, tamanha sujeira em cima da água, mesmo antes da chuva, que caiu só depois da reportagem.

Na área infantil, a falta de limpeza mostra que o parquinho também está descuidado. Uma gangorra quebrada, deixada de lado, confirma a suspeita.

A quadra esportiva está largada. Os buracos nas telas que cercam o espaço e nas grades ao redor do parque pioram o aspecto. A sujeira é vista por toda parte, da entrada às pistas de caminhada.

Funcionário de uma lanchonete localizada ao lado do Itanhangá, Téo Martins, de 32 anos, lembra que a área já foi mais cuidada. Há alguns anos, moradores e comerciantes se juntaram à causa e se tornaram os “amigos da praça”, mas a iniciativa chegou ao fim.

Agora, são poucos os que se preocupam com o espaço. As nascentes, destaques do local, estão perdendo a beleza. Na entrada da galeria principal, que cruza o terreno, toda vez que chove forma uma espuma branca. Os peixes acabam morrendo. “Vem do esgoto. Acho que é veneno”, supôs.

Téo é um dos poucos frequentadores que tenta cuidar do espaço. O trabalho não rende muita coisa, mas ele é insiste. Há 3 meses, faz questão de passar 30 minutos do dia, após o expediente, pescando lambaris da área mais afetada pela “espuma branca”. Pega de 20 a 30 por vez. Depois, solta os peixes em outra nascente, que não apresenta o problema.

Lago perdeu a beleza do espelho d'água. (Foto: Rodrigo Pazinato)Lago perdeu a beleza do espelho d'água. (Foto: Rodrigo Pazinato)

Para o fotógrafo que já viu o parque mais bonito, é preciso uma ação rápida para evitar que a área volte, novamente, à situação de abandono. Mas não é só limpar, disse. A preservação do meio ambiente deve ser a primeira preocupação.

“Precisa da presença de um biólogo, de acompanhamento para ver o impacto que uma limpeza radical iria causar. É importante fazer a limpeza, mas não agredir a natureza”, disse.

Na avaliação de Ari, o responsável pela manutenção deveria ser uma pessoa física, para facilitar o acesso e comunicação com os frequentadores. “Alguém que tenha nome, CPF, não um órgão. Alguém que a gente saiba que fulano de tal é responsável. Que tenha voz ativa, que tenha trânsito, poder de mando”, afirmou.

Preservar um espaço público é uma responsabilidade de todos, não só da prefeitura. Ele sabe disso, mas acredita que o governo, além dos cuidados com a área, deveria investir em conscientização.

Com mato alto, parque parece abandonado. (Foto: Rodrigo Pazinato)Com mato alto, parque parece abandonado. (Foto: Rodrigo Pazinato)

“Eu queria ver essa praça bem cuidada, com valorização do meio ambiente. Os biólogos poderiam fazer um trabalho bacana aqui dentro, orientar o povo de como se deve cuidar de uma praça. Pode ser feito até palestras com as pessoas que freqüentam a praça”, sugeriu.

“É um lugar bacana. Um lugar bonito que pode ser bem cuidado. É um cartão postal da cidade”, acrescentou.

Limpeza - A prefeitura de Campo Grande informou, por meio de sua assessoria de imprensa, que a manutenção do Parque Itanhangá está sob a responsabilidade da Solurb, empresa que venceu licitação e é responsável pela limpeza urbana da cidade.

O órgão informou ainda que a demanda de serviços referente à área citada na reportagem já foi repassada à concessionária.




Ok.
Ótimo.
 
Hernandes dos Santos em 18/12/2012 10:22:53
Ok.
Ótimo.
HS
 
Hernandes dos Santos em 18/12/2012 10:20:50
Parabéns pela matéria!
 
Thuany Rezende Valadares em 18/12/2012 08:06:09
Há muito tempo que a "praça do Itanhanga" tem uma administração feita pela comunidade. a manutenção era custeada pelas pessoas que moram no bairro e que, mensalmente, pagavam uma certa quantia. Se está abandonada é porque as pessoas que adminstravam os gastos se cansaram de fazer a coleta, porque nem todos cooperavam, e muitos desses só estavam para criticare apontar o dedo. Se depender-mos do poder publico, apesar de ser obrigaçao deles, nao chegaremos a lugar nenhum.
 
Alessander Pinto em 15/12/2012 21:38:28
Parabéns pela reportagem!! Excelente matéria! O parque Itanhangá realmente é muito bonito! Quando você está lá parece que nos transportamos para outro espaço! Infelizmente, nossos gestores públicos não tem a menor preocupação com praças e parques, pois não temos um só que seja bem cuidado e que tenha vida. É preciso dar vida aos lugares para que seja bem cuidado pela população, é preciso o sentimento de pertença... e isso se consegue cultivando a beleza, atividades culturais que valorizem as relações entre as pessoas, etc.
 
Bartolina ramalho Catanante em 15/12/2012 08:47:52
N~eo e por falta de aviso, cobrança pedido oficial para que se resolva esse problema: http://www.silasfauzi.blogspot.com.br/2012/10/o-lixo-do-parque-itanhanga.html
 
Silas Fauzi em 14/12/2012 22:10:58
A praça do Itanhangá se chama na verdade Lúdio Martins Coelho Filho e não Itanhangá Park, apesar de assim ser popularmente conhecida em função do nome do Bairro. Esta foi uma homenagem que foi feita há uns trinta anos pelo então prefeito Juvêncio ao jovem brutalmente assassinado. Na gestão do Nelsinho, foi reformada e revitalizada por iniciativa de uma emenda parlamentar do vereador Celso Ianaze. É uma pena o abandono desta e de outras praças da nossa cidade, que poderiam ser lugar de alegria e convívio das crianças e famílias, e não palco de sujeira e violência, até. Há um gasto enorme para reformar e depois gasta-se de novo para refazer. Manutenção é fundamental pra conservar e evitar mais despesas futuras. Fica o caso da Praça Ary Coelho que acaba de ser reformada. Boa matéria!!
 
Edmar Neto em 14/12/2012 14:50:21
Isso porque é região nobre, vem pra região pobre pra ver como anda as coisas.
Faz uma visitinha no Aírton Senna. Jaques da luz e outros
 
wesley mattos em 14/12/2012 10:55:57
Bela reportagem, é muito importante a concientização de todos para a manutenção dos nossos parques e praças, a mídia tem um papel importante nesse processo, meus sinceros parabéns a iniciativa do Campo Grande News e da equipe de reportagem responsável por essa matéria!!
 
Ari Lopes da Rosa em 14/12/2012 10:39:56
REALMENTE É UM DESCASO MUITO GRANDE..

PARQUES ABANDONADOS, CHEIOS LIXO, MATO. RIOS SEM TRATAMENTOS...

SEM CONDIÇÃO DE LEVAR A FAMILIA PARA UM PASSEIO OU UM PEQUENIQUE...

PURO ABANDONO
 
VIVIANE DA ROCHA em 14/12/2012 10:15:31
Que bom que vocês fizeram essa matéria, pq realmente o parque anda abandonado. Inclusive há meses atrás havia um banner pedindo a colaboração financeira dos frequentadores para a limpeza do local.
Há uns dois meses a colaboração dos moradores próximos rendeu a limpeza do parque, porém após isso voltou o abandono. O lixo no local é jogado por poucas pessoas que vão ao parque para outros fins, além de lazer e prática de esporte, pois sou frequentadora do local e sei que a grande maioria cuida e ajuda na preservação do parque.
Ahh a iluminação também está precária, partes do parque ficam muito escuras à noite chegando a impossibilitar a pratica de esportes.
 
Priscilla Peres em 14/12/2012 09:54:12
essa praça é considerada nobre de campo grande! imagina as da periferia como por exemplo: a da coophatrabalho
 
osvaldo willian da silva em 14/12/2012 09:34:20
ENTÃO IMAGINEM SÓ ÁS ÁREAS "NÃO NOBRES"......ALGUM FOTOGRAFO PARA FAZER ESTE REGISTRO ???????
 
ricardo terra lemos em 14/12/2012 09:29:15
Esta praça é cuidada pela nossa incansável Diadema, que é moradora do Bairro, e nutre uma paixão por este espaço, brigando junto a prefeitura, encaminhando pedidos e solicitações que inclusive forem entregues a várias autoridades politicas. Sou testemunha de seu empenho pessoal, inclusive retirando lixos, que os visitantes deixam em qualquer lugar, e cuidando das plantas, antes alguns moradores da região através de uma "associação" contribuíam financeiramente para a manutenção deste local, mas infelizmente isto não ocorre mais, pois a contrapartida da prefeitura também deixou de ser cumprida. Precisamos tomar posse dos espaços públicos e mais que isso exigirmos o seu devido cuidado pela administração pública e pelas pessoas que os frequentam, pois o bem público é de todos nós.
 
Vanessa Lopes em 14/12/2012 09:24:54
A responsabilidade é desse gestão ineficiente da municipalidade.
E a culpa é dos moradores do entorno, que ao invés de se associarem e tomarem o park, com a desculpa e a arrogância dos insensíveis, logo se verão refém de vândalos e outros.
Vai vendo.
 
Madalena Arre Pendid em 14/12/2012 09:21:12
Se as praças das areas "nobres" estão assim, imagine as das "não nobre".
 
CARLOS CRUZ em 14/12/2012 08:48:19
imagem transparente

Compartilhe

Classificados


Copyright © 2016 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.