A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 07 de Dezembro de 2016

19/05/2015 06:45

Para reunir a turma que faz dança de salão, festa tem clima dos tempos de escola

Aline Araújo
O tema dessa festa foi Black e White (Foto: Fernando Antunes)O tema dessa festa foi Black e White (Foto: Fernando Antunes)

Na falta de lugares para dançar como antigamente, eles resolveram fazer a própria festa. Na pista, o DJ toca os ritmos mais variados, para agradar todo mundo, do samba à lambada, do forró ao bolero. E ninguém fica parado, já que todos ali sabem muito bem dançar. São alunos e professores dos cursos de dança de salão da UFMS (Universidade Federal de Mato Grosso do Sul).

Veja Mais
Com poucas opções, veja onde curtir as festas de fim de ano em Campo Grande
Procura-se um padrinho que ajude na guinada de um cantor sertanejo

Para entrar, é preciso contribuir com "um prato de salgados" e levar a sua bebida, como nas festinhas de colégio. A ideia mesmo é confraternizar e já virou tradição. São três encontros por ano, desde 2005.

Cada um leva um quitute para colocar na mesa.(Foto: Fernando Antunes)Cada um leva um quitute para colocar na mesa.(Foto: Fernando Antunes)

Quem dá força para a tradição não parar é o coordenador do projeto, Leonardo Lopes da Silva. Ele é acadêmico de Educação Física e descobriu na dança uma profissão. “Eu danço há três anos. Quando entrei na faculdade, vi que o curso tinha uma matéria de dança, eu não dançava nada! Eu não tinha um norte do que seguir, foi quando eu entrei para o projeto e não parei mais”, relata.

A ideia não é ter lucro, então nada é vendido no evento, e cada baile tem um tema. No último, no sábado passado,o figurino era preto e branco.

Todo mundo entra no clima e contribui. A noite também serve para integrar quem já passou pelo projeto com quem ainda está em uma das 11 turmas, 5 delas de nivel básico e 6 de avançado.

Por ser um projeto de extensão da UFMS, é aberto a comunidade, mas é preciso ficar atendo. As inscrições são feitas na página do projeto, uma semana antes do inicio das aulas, e costumam esgotar em poucos dias.

No salão vários ritmos. (Foto: Fernando Antunes)No salão vários ritmos. (Foto: Fernando Antunes)

Luciana Almeida, de 30 anos, saiu do curso em 2013, mas continua frequentando a festa para dançar. “Eu queria aprender para ir aos bailes, e sempre participo porque é muito bom, todo mundo colabora”, conta.

Na sede de ADUFMS, a associação de docentes da universidade, os ritmos vão mudando e o pessoal se reveza na pista. Outros pares são formados e a dança continua. É claro, também rola paquera! Mas tudo com muito respeito, a primeira intenção sempre é de dançar.

Leonardo coordena o projeto. Leonardo coordena o projeto.

“É uma festa de confraternização do pessoal da dança e o legal é que aqui tem muito respeito, cavalheirismo, não que não tenha paquera, mas o objetivo de quem vem é dançar, não tem briga e é muito divertido”, conta a professora de Educação Física, Ozeania Lima, de 35 anos.

Mesmo despretensiosa e com a cara de encontro entre amigos, a festa ao longo dos anos ganhou papel importante na vida dos bailarinos de Campo Grande, sejam eles profissionais ou não. É um momento de fortalecer o trabalho.

“É muito bom, você conhece pessoas e isso é fundamental para fortalecer a dança no Estado. E por ser colaborativo, ele quebra o jeito dos outro bailes”, comenta Rafael Souza, de 21 anos, que é professor de dança. 

 




imagem transparente

Compartilhe

Classificados


Copyright © 2016 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.