A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 19 de Janeiro de 2017

10/10/2013 07:03

Que tal escorregar com papelão no parque durante o feriado? Veja algumas dicas

Lado B
Kauê experimentou pela primeira vez a brincadeira com o papelão. (Foto: João Garrigó)Kauê experimentou pela primeira vez a brincadeira com o papelão. (Foto: João Garrigó)

Em plena quarta-feira, no Parque das Nações Indígenas, Kauê Mattos, de 9 anos, foi desafiado pelo Lado B a brincar como criança. O material não poderia ser mais simples: uma caixa de papelão, que logo se transformou em um tapete. O resultado está na foto aí no alto, uma alegria contagiante de quem nunca na vida desceu uma pequena ladeira como se fosse eum super herói.

Veja Mais
Tem de ter coragem para encarar um "The Voice" no Centro de Campo Grande
Quem conhece diz que só preocupação com filho pode manter BBB longe de “tretas”

Fica a lição, porque é incrível como um feriado prolongado pode acabar com o humor de alguns pais. Muitos ficam loucos por não saber “o que fazer” com os filhos que terão pela frente a sexta, o sábado, o domingo e a segunda-feira para não fazer nada. Como o feriado do Dia dos Professores foi antecipado, lá vem 4 dias de desafio.

Para quem trabalha com arte educação, shopping definitivamente não é a alternativa, muito menos televisão ou jogos eletrônicos. A chance é boa para romper a rotina e fazer do Dia das Crianças algo bem produtivo. Para ajudar os pais sem muita criatividade, o Lado B foi buscar sugestões de especialistas no assunto.

A arte educadora Lia Matos começa abrindo os olhos para o óbvio: o melhor lugar para um feriado de sol são os parques e praças da cidade. Mas também indica um roteiro não convencional e com poucos gastos. “Leve um corda para o parque, um papelão para a criança escorregar nos morros”.

São brincadeiras simples e com ambiente perfeito no Parque das Nações Indígenas, por exemplo, onde há desníveis que produzem os tais “morros” de grama, indicados para o “tobogã com papelão”. “O contato com a natureza muda até a relação das pessoas com o Meio Ambiente. Shopping não tem textura, não tem ar puro, é um espaço padronizado”, defende.

A mãe Ana Claudia Figueira, de 33 anos, também ficou experiente em diversão quando ganhou a segunda filha, Ana Luiza. “Antes ficava só com a maior, a Júlia, então era mais fácil administrar o consumo dentro de um shopping, por exemplo”, brinca. A mudança veio mesmo pelo custo da diversão. “Quando saia com as duas, era bala, brinquedo, livrinho, um horror de gastos”, conta.

Como a dupla, com diferença de idade de 3 anos, também costumava brigar bastante entre 4 paredes, a mãe resolveu um dia organizar uma turminha de 5 amigas das meninas e fazer um “Piquinique de Barbies” no Parque do Prosa. “Fiz um caixote grande, com várias bonecas e uma casinha, as meninas brincaram a tarde toda no meio do mato. Quando vi, já estavam até subindo em árvores e terminamos com um lanche na toalha. Agora, elas e a turma é que inventam o que fazer no parque”, conta.

Com o tempo, a mãe foi descobrindo formas de se divertir até em dia de chuva. "Dá pra levar as crianças para a cozinha, fazer brigadeiro, bolinho. O melhor, é que até a gente se diverte, não é um fardo", completa Ana.

Para Lia Matos, os pais têm de sair da zona de conforto e insistir, mesmo que os filhos não queriam logo de saída. “Criança não vai para parque ou para praça sozinha, o adulto tem que levar. Isso é muito importante, principalmente, até os 7 anos”, orienta.

A dica para animar a garotada é lembrar o que nos fazia feliz na infância. Lia lembra que muitas vezes as crianças ficam arredias a princípio, não gostam de colocar o pé na terra, de se sujar, mas tudo muda com o contato. “A partir do momento que você oferece, ela passa a gostar”.

No dia 19 de outubro, o Espaço Imaginário, projeto criado por Lia, vai mostrar no Parque das Nações Indígenas que esse tipo de atividade é possível e transformador. Das 9h às 17h, haverá brincadeiras, feira de trocas de livros e gibis e conversas sobre consumo conscientes.

E para quem quer programar as noites do feriado, nos dias 10, 11, 12 e 13 de outubro a Feira Central de Campo Grande abre a "IV Estação Criança". Haverá ateliê em serigrafia, contação de histórias e brincadeiras.

O projeto cultural Praça Bolívia faz uma edição especial no próximo domingo em comemoração às crianças e ao aniversário de criação do Estado. As atividades serão das 9h às 14h. A praça fica na rua das Garças, no bairro Coophafé.




parabéns pela matéria!
as vezes bom senso vale a pena,
mostrar o lado bom da vida!
uma luz no fim do tunel!
estamos fartos de saber coisas da real politica de cg, as tragédias cotidianas,, e os eminentes descasos publico que assolam nosso povo trabalhador!!!!
 
matrcos cezar santos de salles junior em 10/10/2013 21:46:03
Enquanto isso, o gramado que não é dos melhores, seja no Parque ou na Orla é detonado de vez. As plantas, só vêem água quando chove e a população não colabora.
 
Juan Charlymoon em 10/10/2013 12:00:36
No fundo do Palácio Popular da Cultura - parque dos poderes tem um ótimo lugar para esse esporte.
levei muitos meus filhos lá!
nei salviano
 
nei salviano em 10/10/2013 10:37:01
É temos que ir para o parque mesmo e levar papelão pra escorregar, porque praça central já não existe mais brinquedos,parque soter abandonado, só resta ir tomar banho de rio lá em Jardim com as crianças , ou ir escorregar lá nas nações indígenas.
 
elisângela lemes em 10/10/2013 09:27:15
nusssss...
jaa escorreguei mtoo assim,
num estádio de futebol em Paranavaí PR
o estacionamento éé subsolo e tem uma "ladeira" de grama,
atéé hj os primos se diverte, outra... idade de adulto, algumas atitudes de criança, para relembrar o nosso passado!
hihi
adorava demais brincar assim!
 
Abimael pereira Mendes em 10/10/2013 09:25:02
imagem transparente
Busca

Compartilhe

Classificados


Copyright © 2017 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.