A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 09 de Dezembro de 2016

10/10/2013 07:03

Que tal escorregar com papelão no parque durante o feriado? Veja algumas dicas

Lado B
Kauê experimentou pela primeira vez a brincadeira com o papelão. (Foto: João Garrigó)Kauê experimentou pela primeira vez a brincadeira com o papelão. (Foto: João Garrigó)

Em plena quarta-feira, no Parque das Nações Indígenas, Kauê Mattos, de 9 anos, foi desafiado pelo Lado B a brincar como criança. O material não poderia ser mais simples: uma caixa de papelão, que logo se transformou em um tapete. O resultado está na foto aí no alto, uma alegria contagiante de quem nunca na vida desceu uma pequena ladeira como se fosse eum super herói.

Veja Mais
Ludmilla é uma fofa e mostra o que o funk pode ensinar ao nosso sertanejo
Coletivo de DJs organiza festas com música para 'dançar mais e reparar menos'

Fica a lição, porque é incrível como um feriado prolongado pode acabar com o humor de alguns pais. Muitos ficam loucos por não saber “o que fazer” com os filhos que terão pela frente a sexta, o sábado, o domingo e a segunda-feira para não fazer nada. Como o feriado do Dia dos Professores foi antecipado, lá vem 4 dias de desafio.

Para quem trabalha com arte educação, shopping definitivamente não é a alternativa, muito menos televisão ou jogos eletrônicos. A chance é boa para romper a rotina e fazer do Dia das Crianças algo bem produtivo. Para ajudar os pais sem muita criatividade, o Lado B foi buscar sugestões de especialistas no assunto.

A arte educadora Lia Matos começa abrindo os olhos para o óbvio: o melhor lugar para um feriado de sol são os parques e praças da cidade. Mas também indica um roteiro não convencional e com poucos gastos. “Leve um corda para o parque, um papelão para a criança escorregar nos morros”.

São brincadeiras simples e com ambiente perfeito no Parque das Nações Indígenas, por exemplo, onde há desníveis que produzem os tais “morros” de grama, indicados para o “tobogã com papelão”. “O contato com a natureza muda até a relação das pessoas com o Meio Ambiente. Shopping não tem textura, não tem ar puro, é um espaço padronizado”, defende.

A mãe Ana Claudia Figueira, de 33 anos, também ficou experiente em diversão quando ganhou a segunda filha, Ana Luiza. “Antes ficava só com a maior, a Júlia, então era mais fácil administrar o consumo dentro de um shopping, por exemplo”, brinca. A mudança veio mesmo pelo custo da diversão. “Quando saia com as duas, era bala, brinquedo, livrinho, um horror de gastos”, conta.

Como a dupla, com diferença de idade de 3 anos, também costumava brigar bastante entre 4 paredes, a mãe resolveu um dia organizar uma turminha de 5 amigas das meninas e fazer um “Piquinique de Barbies” no Parque do Prosa. “Fiz um caixote grande, com várias bonecas e uma casinha, as meninas brincaram a tarde toda no meio do mato. Quando vi, já estavam até subindo em árvores e terminamos com um lanche na toalha. Agora, elas e a turma é que inventam o que fazer no parque”, conta.

Com o tempo, a mãe foi descobrindo formas de se divertir até em dia de chuva. "Dá pra levar as crianças para a cozinha, fazer brigadeiro, bolinho. O melhor, é que até a gente se diverte, não é um fardo", completa Ana.

Para Lia Matos, os pais têm de sair da zona de conforto e insistir, mesmo que os filhos não queriam logo de saída. “Criança não vai para parque ou para praça sozinha, o adulto tem que levar. Isso é muito importante, principalmente, até os 7 anos”, orienta.

A dica para animar a garotada é lembrar o que nos fazia feliz na infância. Lia lembra que muitas vezes as crianças ficam arredias a princípio, não gostam de colocar o pé na terra, de se sujar, mas tudo muda com o contato. “A partir do momento que você oferece, ela passa a gostar”.

No dia 19 de outubro, o Espaço Imaginário, projeto criado por Lia, vai mostrar no Parque das Nações Indígenas que esse tipo de atividade é possível e transformador. Das 9h às 17h, haverá brincadeiras, feira de trocas de livros e gibis e conversas sobre consumo conscientes.

E para quem quer programar as noites do feriado, nos dias 10, 11, 12 e 13 de outubro a Feira Central de Campo Grande abre a "IV Estação Criança". Haverá ateliê em serigrafia, contação de histórias e brincadeiras.

O projeto cultural Praça Bolívia faz uma edição especial no próximo domingo em comemoração às crianças e ao aniversário de criação do Estado. As atividades serão das 9h às 14h. A praça fica na rua das Garças, no bairro Coophafé.




parabéns pela matéria!
as vezes bom senso vale a pena,
mostrar o lado bom da vida!
uma luz no fim do tunel!
estamos fartos de saber coisas da real politica de cg, as tragédias cotidianas,, e os eminentes descasos publico que assolam nosso povo trabalhador!!!!
 
matrcos cezar santos de salles junior em 10/10/2013 21:46:03
Enquanto isso, o gramado que não é dos melhores, seja no Parque ou na Orla é detonado de vez. As plantas, só vêem água quando chove e a população não colabora.
 
Juan Charlymoon em 10/10/2013 12:00:36
No fundo do Palácio Popular da Cultura - parque dos poderes tem um ótimo lugar para esse esporte.
levei muitos meus filhos lá!
nei salviano
 
nei salviano em 10/10/2013 10:37:01
É temos que ir para o parque mesmo e levar papelão pra escorregar, porque praça central já não existe mais brinquedos,parque soter abandonado, só resta ir tomar banho de rio lá em Jardim com as crianças , ou ir escorregar lá nas nações indígenas.
 
elisângela lemes em 10/10/2013 09:27:15
nusssss...
jaa escorreguei mtoo assim,
num estádio de futebol em Paranavaí PR
o estacionamento éé subsolo e tem uma "ladeira" de grama,
atéé hj os primos se diverte, outra... idade de adulto, algumas atitudes de criança, para relembrar o nosso passado!
hihi
adorava demais brincar assim!
 
Abimael pereira Mendes em 10/10/2013 09:25:02
imagem transparente

Compartilhe

Classificados


Copyright © 2016 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.