A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 09 de Dezembro de 2016

28/12/2014 07:24

Tributo aos Novos Baianos reúne 30 artistas, incluindo cantora de MS

Elverson Cardozo
Thamires escolheu “Na cadência do samba”, de Ataulfo Alves. (Foto: Divulgação)Thamires escolheu “Na cadência do samba”, de Ataulfo Alves. (Foto: Divulgação)

A cantora sul-matro-grossense Thamires Tannous, que começou a carreira cantando em barzinhos de Campo Grande, mas foi para São Paulo em busca de novas oportunidades, participou, este ano, de um tributo aos Novos Baianos.

Veja Mais
"Toma aqui uns 50 reais", Naiara Azevedo abre fim de semana eclético
Ludmilla é uma fofa e mostra o que o funk pode ensinar ao nosso sertanejo

O trabalho, idelizado pelo coletivo musical Jardim Elétrico, co-realizado pelo site Rock in Press e pela produtora Jazz House, foi lançado este mês. São dois discos - Tinindo e Trincando - , que somam 30 músicas.

Cada canção foi reinterpretada por um artista da atualidade. Thamires cantou “Na cadência do samba”, de Ataulfo Alves, mas com uma versão, segundo ela, super conhecida pelos Novos Baianos.

“Sentei ao piano com o Peter Mesquita, amigo e baixista que toca comigo, e começamos a brincar com melodias, até que surgiu o riff que deu início ao arranjo. Foi de forma bem natural e acredito que assim pude trazer minha identidade à versão também”, disse, em entrevista por e-mail.

O arranjo e a gravação foram finalizados pela própria cantora, pelo amigo, Peter, e pelo bateirista Gabriel Guilherme. O resultado final agradou. As versões, diz, ficaram com a cara de cada artista convidado.

Thamires diz que a iniciativa foi uma oportunidade de mostrar um novo lado do trabalho que desenvolve. “Fiquei muito feliz com o convite. Admiro muito os Novos Baianos, banda que, na década de 70, misturou ritmos como samba, frevo, bossa nova, baião e rock' n' roll, de uma maneira muito original”, comentou.

Capa dos discos. (Foto: Divulgação)Capa dos discos. (Foto: Divulgação)

Plural - Em entrevista ao jornal Correio Brasiliense, um dos idealizadores do projeto, Carlos Nascimento, afirmou que o trabalho foi feito na “guerrilha”.

Não houve, segundo ele, custos envolvidos em nenhum momento da produção, que começou em janeiro deste ano. Para Carlos, o saldo do trabalho, que envolveu mais de 120 músicos de todo o Brasil, foi totalmente positivo. “O resultado ficou a cara do Jardim Elétrico: plural”, declarou.

As músicas que compõem os albúns “Tinindo e Tricando” estão disponíveis para download na página do coletivo Jardim Elétrico. Para acessar, clique aqui.




imagem transparente

Compartilhe

Classificados


Copyright © 2016 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.