A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 06 de Dezembro de 2016

09/11/2015 06:56

Depois da bariátrica...a revolução das Calcinhas não será televisionada‏

Liziane Berrocal
Depois da bariátrica...a revolução das Calcinhas não será televisionada‏

Seguinte, esse texto não é recomendado para pessoas menores de 16 anos (ou é, sei lá), gordofóbicos, machistas ou misóginos. Também não é recomendado para meninas que tem vergonha das calcinhas, calçolas ou fios! Hahahha

Veja Mais
Para fazer o mundo sorrir, grupo sai às ruas doando bons sentimentos
Clínica realiza palestras para sanar dúvidas sobre infertilidade conjugal

Quando decidi escrever sobre minhas calcinhas, fiquei pensando onde eu iria chegar. Geralmente eu não me censuro para escrever, mas confesso que dessa vez eu meio que tremi nas bases com o assunto.

Mas gente, é tão gostoso comprar calcinhas e vestir calcinhas, que começo a pensar que agora, que emagreci 65 quilos, ficou melhor ainda. Porque tudo é novo, usar bota, passar na catraca do ônibus (isso eu ainda não fiz por falta de oportunidade), sentar na cadeira do bar, usar uma saia maneira, mil coisas que a galera do grampo fala, mas meninas, vamos falar das calcinhas.

No corpo e fora delas! A revolução das calcinhas não é televisionada – nem internetada, nem divulgada, não sei por que, mas eu quero falar. Mesmo pesando mais de dez arrobas eu tentava comprar umas calcinhas mais bacaninhas, porque nem vamos pensar que gorda não tem vaidade ou não tem líbido. Tem sim, e é alvo de fetiche (como eu já escrevi), tem filme pornô com gordinhas e gordonas e acreditem, fazem sim sexo, como qualquer pessoa e não é só com o que restou da balada. Como eu mesma já contei aqui, nunca tive problemas em arrumar namorados, e sempre me senti uma mulher desejada (fora meus fãs).

Quando engordei muito mais, comecei a buscar roupas intimas que me deixassem feliz, sim, que me agradassem. Eu achava, mas é caro para caramba e eu tinha que mandar vir de SP, mesmo pagando R$ 300 num espartilho ea meia 7/8, imagine aqui em SP. Mas eu buscava as calcinhas revolucionárias.

Então, quando comecei a emagrecer, claro, se a calça não serve mais, as calcinhas começaram a cair, literalmente! E foi aí que a revolução começou! E gente, sim, quando a gente emagrece com a bariátrica as celulites (que graças ao bom Pai eu não tinha um montão, pela genética bacana de mamãe e vovó) ficaram menos evidentes ainda e a pele branquinha sem aquele monte de porcaria alimentar foi ficando cada vez mais bonita!

Daí, sabe o que é senti tesão em si mesmo? Pois é! E como eu sei que não é só comigo e sei que muita gente que emagrece ou muda algo em si, o auto-tesão é presente na vida, tudo começa a melhorar. E com isso, claro, o relacionamento a dois melhora, ô, e como melhora.

E a primeira vez que eu pude comprar uma calcinha G (lembrando que tenho a bunda de nós tudo, logo, não vai servir P nessa encarnação) foi uma festa na floresta! E comecei a tirar as roupas do guarda roupa, para dar lugar as novas até que percebi 45 novas lindas calcinhas, de tudo que é jeito, do jeito que eu sempre quis e claro, pagando muito mais barato! Foi a festa do preço baixo com a despedida do trio preto, bege e vermelho, porque esses fabricantes acham que gordinha não adora uma lingerie né!

Ah, moleque! Quando o marido chega de viagem, cada vez é uma leva diferente. Pra ele sim, por que não? E pode crer, entre as amigas e companheiras de grampo, a revolução das calcinhas, dos sutiãs e das lingeries bonitonas rola solta! Mas aí, essa revolução não vai ser relatada...




Ainda bem que não vai ser televisionada. AINDA BEM!
 
Australiano em 10/11/2015 10:39:54
imagem transparente

Compartilhe

Classificados


Copyright © 2016 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.