A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 04 de Dezembro de 2016

29/10/2014 10:48

Saída para evitar AVC que matou 207 este ano em MS é ter vida saudável

Aliny Mary Dias
Exercícios físicos ajudam na prevenção de AVC (Foto: Marcos Ermínio)Exercícios físicos ajudam na prevenção de AVC (Foto: Marcos Ermínio)

Comemorado nesta quarta-feira (29), o Dia Mundial do AVC (Acidente Vascular Cerebral) busca chamar atenção da população para ações que podem prevenir o derrame, que só nesse ano, segundo dados da SES (Secretaria Estadual de Saúde), matou 207 pessoas em Mato Grosso do Sul.

Veja Mais
Clínica realiza palestras para sanar dúvidas sobre infertilidade conjugal
Peregrinos não precisam ir tão longe, nosso "Caminho de Santiago" fica a 60km

O cardiologista Marcos Paulo Tiguman explica que muitas pessoas estão suscetíveis a ter o AVC, mas não imaginam que podem ser mais uma vítima. “Ainda temos uma incidência muito grande de doenças cardiovasculares em geral, a hipertensão é uma das doenças iniciais que podem causar do derrame, mas metade das pessoas não sabe que têm, outra metade não trate e dos que tratam, metade faz acompanhamento irregular”, explica.

Os números do SIM (Sistema de Informação sobre Mortalidade) assustam, em todo o ano passado, morreram 490 pessoas no Estado vítimas de acidente vascular cerebral com hemorragia ou isquêmicos. O AVC hemorrágico é o mais grave porque nesses casos os vasos sanguíneos estouram e a possibilidade do paciente morrer é grande.

“Quando é isquêmico, o vaso fecha, e a pessoa geralmente fica com parte do corpo paralisado. No caso do hemorrágico, a gravidade é muito maior pela violência do derrame, geralmente os pacientes entram em coma e a recuperação é muito mais lente”, diz.

Apesar de ter caracterísitas hereditárias e ocorrer “de uma hora para outra”, há como evitar o derrame, que é mais comum entre os 40 e 60 anos. Indicada por médicos como prevenção de muitas doenças, a vida saudável também é a saída para quem não quer sofrer um AVC.

A dependência ao fumo, o excesso de stress, a falta de acompanhamento e tratamento de doenças como a diabetes, o colesterol e a obesidade, são alguns dos fatores que aumentam as chances de ser vítima de um derrame.

“É um conjunto que pode levar ao AVC, por isso orientamos os pacientes a levar uma vida saudável e principalmente fazer exercício, a gente sabe que podemos morrer a qualquer momento, como ao atravessar uma rua, por exemplo, mas podemos tomar alguns cuidados para ficar longe de algumas doenças”, completa o cardiologista.

No país – Por ano, segundo levantamento do Ministério da Saúde, 100 mil pessoas morrem no Brasil vítimas de AVC. Pesquisas mostram que mulheres têm maior probabilidade de sofrer o derrame e o que preocupa é que 1 em cada 10 brasileiros sabem os sintomas do derrame.

O Ministério da Saúde deve investir, até o fim do ano, R$ 437 milhões para ampliar a assistência a vítimas do derrame. Boa parte do valor, R$ 370 milhões, será destinado ao financiamento de leitos hospitalares em 151 cidades. O restante vai ser aplicado no tratamento trombolítico, quando medicamentos são usados para desfazer o coágulo sanguíneo no cérebro.




imagem transparente

Compartilhe

Classificados


Copyright © 2016 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.