A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 10 de Dezembro de 2016

13/10/2014 06:52

Técnica alia laser a jato de ar para acabar com as varizes mais rápido

Paula Maciulevicius
Nova técnica combina laser, escleroterapia e jatos de ar gelado na pele para dar o adeus às varizes. (Foto: Alcides Neto)Nova técnica combina laser, escleroterapia e jatos de ar gelado na pele para dar o adeus às varizes. (Foto: Alcides Neto)

Menos dolorido e com resultado imediato. O combate às varizes ganhou uma nova aliada, a técnica ClaCs (Cryolaser e Cryo escleroterapia), que combina laser, escleroterapia e jatos de ar gelado na pele. Na prática, se reduz as repetidas agulhadas e se consegue secar os vasinhos bem mais rápido. 

Veja Mais
Para fazer o mundo sorrir, grupo sai às ruas doando bons sentimentos
Clínica realiza palestras para sanar dúvidas sobre infertilidade conjugal

Essa modalidade de tratamento exige um maquinário especial, são três aparelhos interligados que cumprem cada etapa para tornar o procedimento eficaz. A técnica é nova e só pode ser aplicada em consultórios e por médicos.

O laser não é invasivo e ainda traz a vantagem de poder tratar as veias tanto nas pernas como na face, assim como qualquer tipo de pele. O tempo de duração da sessão vai de acordo com a quantidade de pontos, mas leva entre 40 e 60 minutos. Ao Lado B, a cirurgiã vascular Maria de Lourdes Quevedo explica que o primeiro passo vem do aparelho "Vein Viewier". "É a realidade aumentada, ele localiza a veia para então o laser ser disparado. Torna as veias muito mais visíveis", afirma.

Realidade aumentada, aparelho torna as veias muito mais visíveis. (Foto: Alcides Neto)"Realidade aumentada", aparelho torna as veias muito mais visíveis. (Foto: Alcides Neto)
Depois da ampliação, é verificada a área de cada vasinho. (Foto: Alcides Neto)Depois da ampliação, é verificada a área de cada vasinho. (Foto: Alcides Neto)

A olho nu pouco se enxerga quando comparado às veias que aparecem pelo aparelho. Depois da ampliação, é verificada a área de cada vasinho para daí usar o laser. "Ele vai ser disparado onde tem veia e vai direto no pigmento do sangue. O laser vai queimar, esclerosar a veia, mas sem danificar a pele", completa a médica.

Junto do disparo do laser, um outro aparelho aciona jatos de ar gelado para minimizar a dor. A máquina sopra o ar com temperaturas de até – 20ºC sobre a pele provocando uma leve dormência, diminuindo assim a dor e os efeitos colaterais.

Depois dos equipamentos, é aplicada uma injeção de glicose em 30% dos pontos tratados para potencializar a ação da técnica. "O laser causa alterações no fluxo sanguíneo local, deixando mais lento e favorecendo a ação prolongada do medicamento no local. Assim, o tratamento de áreas extensas é mais rápido e efetivo com a combinação das duas técnicas", reforça Maria de Lourdes.

Por fim é aplicada injeção de glicose para potencializar a ação da técnica. (Foto: Alcides Neto)Por fim é aplicada injeção de glicose para potencializar a ação da técnica. (Foto: Alcides Neto)

A eficácia da técnica dispensa repetidas sessões e em poucas idas ao consultório, o paciente já vê o resultado do tratamento. "Você pode fazer praticamente tudo de uma vez, as duas pernas, e assim reduz o tempo e de certa forma a dor também", descreve.

A modalidade é indicada para pequenas veias. A cirurgiã enfatiza que o equipamento emite pulsos de luz que penetram no corpo e são absorvidos 30 vezes mais pelo sangue que pelo tecido cutâneo, ou seja, não causa danos à pele. O paciente sai do consultório apenas com pequenos esparagrapos nos pontos onde foi injetada a glicose. Os cuidados posteriores são orientados pelos médicos, mas não há restrição maior do que um período sem expor à área ao sol. Depois do tratamento pode-se voltar às atividades normais.

A médica explica que o valor do tratamento não é muito mais caro do que a aplicação convencional, feita através de injeções, porque elas precisam ser feitas uma vez na semana ou a cada 15 dias.

O cálculo de cada sessão é feito a partir do número de impulsos, ou seja, dos disparos do laser. 

Junto do disparo do laser, um outro aparelho aciona jatos de ar gelado para minimizar a dor. (Foto: Alcides Neto)Junto do disparo do laser, um outro aparelho aciona jatos de ar gelado para minimizar a dor. (Foto: Alcides Neto)



imagem transparente

Compartilhe

Classificados


Copyright © 2016 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.