A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 08 de Dezembro de 2016

24/04/2014 06:50

O que aconteceu com as antigas casas de fliperama de Campo Grande?

Edson Godoy
O que aconteceu com as antigas casas de fliperama de Campo Grande?

Para todos que viveram a adolescência no final dos anos 80 ou durante a década de 90, ao pensar nas grandes casas de fliperamas da época, ótimas lembranças inevitavelmente invadem a mente. Como não sorrir ao lembrar dos áureos tempos do Playland no Shopping Campo Grande e da Brinks na 13 de Maio, no centro da cidade. Pelo saudosismo nas minhas palavras já se percebe que esse tipo de diversão não está mais disponível, né? Surge então o Lado B para tentar explicar as razões pelo qual isso aconteceu.

Veja Mais
The Last of Us 2, novo Uncharted e tudo mais que rolou na PlayStation Experience
Last Guardian e Mario Maker no 3DS puxam lançamentos de dezembro

Antigamente as casas de fliperama (arcades) eram os únicos locais onde se poderia jogar aparelhos de ponta, pois os console caseiros eram muito mais simples, sendo que na maioria das vezes contavam apenas com versões empobrecidas dos maravilhosos jogos disponíveis nos arcades. Como era grande a diferença de jogar Tartarugas Ninja no “fliper” ou jogar no Nintendinho, né?

Essa grande diferença de qualidade entre os arcades e os consoles caseiros começou a mudar no meio da década de 90 com o lançamento do Sony Playstation e do Sega Saturn, que possuíam versões muito próximas das encontradas nos fliperamas (tais como Tekken e Virtua Fighter) e acabou se consolidando alguns anos depois (1998), com o lançamento do Sega Dreamcast.

O Dreamcast nesse sentido foi extremamente revolucionário, pois trazia versões idênticas aos arcades para dentro de casa. Soul Calibur, Sega Rally 2, Sega Bass Fishing, Virtua Striker 2 e muitos outros. Inclusive várias casas de fliperama da época tinham gabinetes que no seu interior rodava um dreamcast ao invés do arcade original, tamanha era a semelhança dos jogos arcades com os desse console. A partir daí os arcades foram aos poucos abandonados no Brasil.

Outro fator que contribuiu para a queda do interesse do público aos árcades foram as lan-houses, principalmente quando da febre do jogo Counterstrike, que levava milhares de gamers a ficar horas a fio grudados nos monitores. Hoje as lan-houses também estão extintas, principalmente pelo aumento da qualidade da jogatina online, mas isso é assunto para outra matéria.

Hoje o único mercado aquecido de arcade é o mercado japonês, pelas peculiaridades existentes naquele país. Aqui no Brasil não se vê mais lançamentos de novos fliperamas e as casas especializadas no ramo que conseguiram se manter ou possuem aparelhos antigos e pouco atrativos ao público ou simplesmente mudaram o foco do seu negócio, apostando em brinquedos voltados ao público mais infantil, como fez o Playland do Shopping Campo Grande. A brinks, que era ícone em se tratando de fliperamas em Campo Grande/MS fechou as portas já há quase 10 anos.

Porém, nem tudo é notícia ruim. Apesar de praticamente não existirem mais lançamentos na área de fliperamas, temos toda a qualidade dos arcades à disposição em nossa casa, com consoles maravilhosos que possuem gráficos e jogabilidade de primeira, tais como os da atual geração: Xbox One, Playstation 4 e o Wii U.

E ainda temos a emulação, que possibilita jogar praticamente todos os arcades de antigamente no conforto de nossas casas, sem gastar um tostão sequer, destacando-se o emulados MAME – Multiple Arcade Machine Emulator (http://mamedev.or/). Se lembrarmos o tanto que gastávamos em “fichas” na época de ouro dos fliperamas, isso dá uma bela economia.

É isso aí, amante dos games. Ficamos por aqui com mais uma matéria especial no Lado B. Na terça-feira que vem, atendendo ao pedido do leitor Andre Luiz Godoy Lopes, vamos falar sobre a PSN, a rede online da Sony para seus consoles, bem como as diferenças entre a rede brasileira e americana. Um grande abraço e até lá.

Para matar saudade, gameplay do Tartarugas Ninja arcade:




Fernando da Silva, conheço alguém que aluga máquinas de fliper. Chama Maurilio: fone (67) 9217-6686.
 
Edson Godoy em 05/05/2014 23:12:12
aonde eu posso alugar ou comprar umas maquinas de fliperama dessas ai ???
alguém tem o telefone de um lugar que venda ou faça alugueis ?
 
Fernando da Silva em 24/04/2014 17:47:03
Ótima Matéria, Parabéns! Bons tempos da Brinks!
Aguardando a próxima!
 
Diego Junior em 24/04/2014 15:33:00
Parabéns!!! Boa matéria.

Aguardando matéria sobre PSN.
 
Silvio A.A Silva em 24/04/2014 10:37:14
Bela matéria, bons tempos da Brinks.
 
maximiliano rodrigo antonio nahas em 24/04/2014 09:41:54
Realmente os fliperamas fazem uma falta enorme na vida de quem é gamer, antes toda a nossa diversão se resumia em uma ficha de 25 centavos, coisa que hoje em dia não acontece, com jogos de 200 reais e que não trazem a mesma sensação de antes, queria que tivesse casa de jogos como antes ):
 
Lucas Matheus em 24/04/2014 08:18:59
Nossa nostálgico no ultimo, lembro da brinks quando era na 13 só que na frente da praça Ari Coelho ainda, entrei e fiquei fascinado quando joguei Double Dragon pela primeira vez. No Shopping Campo Grande ia todo sábado para jogar Tartaruga Ninja e comer pizza hehehehe ;)))
 
Argos Camilo Silva em 24/04/2014 08:07:07
imagem transparente

Compartilhe

Classificados


Copyright © 2016 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.