A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 17 de Janeiro de 2017

04/09/2014 06:49

O sucesso do primeiro console da Nintendo e de seus clones brasileiros

Edson Godoy
O sucesso do primeiro console da Nintendo e de seus clones brasileiros

Vimos nos capítulos anteriores que o maior mercado de games do mundo, o norte-americano, entrou em grave crise no ano de 1983. Grandes empresas do ramo faliram ou entraram em grave crise e os analistas de mercado da época chegavam a dizer que o produto videogame não teria mais espaço na indústria e no comércio.

Veja Mais
Cansado de jogar sozinho? Veja dicas para fazer seu próprio evento gamer em casa
Maior feira de games da América Latina, BGS 2017 será em outubro

Eis então que surge uma empresa japonesa, chamada Nintendo, que lança no Japão 15 de julho de 1983 o Family Computer, conhecido popularmente como Famicom, juntamente com 3 jogos que faziam sucesso nos árcades da época: Donkey Kong, Donkey Kong Jr. e Popeye. Em pouco tempo o console já se tornou um sucesso de vendas, chegando a marca de 2.5 milhões de unidades vendidas em dois anos, apenas no Japão.

Diante de tamanho sucesso, a chegada ao mercado norte-americano era questão de tempo. A Nintendo tentou já em 1983 lançar o console no Estados Unidos através da Atari, mas não houve acordo e então a empresa decidiu lançar o aparelho por meios próprios. Eis que no final de 1985 chega ao mercado americano em caráter experimental o NES – Nintendo Entertainment System. De início as vendas não foram boas, ainda reflexo do descrédito dos consumidores com videogames, o que fez a Nintendo retardar o lançamento a nível nacional, que ocorreu em setembro de 1986.

A estratégia de Nintendo foi fazer com que o consumidor não pensasse que estava levando pra casa “apenas” um videogame, mas sim um centro de entretenimento. Isso porque a palavra videogame, por causa da crise de 83, ainda soava mal no mercado consumidor. Qualquer coisa com esse nome simplesmente não venderia. Para fazer valer essa afirmação, a Nintendo investiu pesado em marketing e também em tecnologia, como o robozinho R.O.B. e a pistola “Nintendo Zapper”, que acompanhavam alguns modelos do NES naquela época, e davam ao consumidor uma impressão de alta tecnologia ao produto. De fato não parecia ser “apenas” um videogame.

Outra sacada da Nintendo: “Official Nintendo Seal ofQuality” – o selo de qualidade que estampava todos os jogos licenciados da Nintendo, que combatia exatamente uma das maiores causas da crise de 83: a falta de bons jogos. E de fato, aquele selo chamava muita a atenção. Mas não bastaria apenas o selo se o conteúdo da embalagem não tivesse qualidade. Foi aí que o NES caiu nas graças do consumidor: seus jogos eram fantásticos para aquela época. A simplicidade da geração Atari 2600 tinha ficado para trás. O principal game lançado inicialmente para ele tem um nome bastante familiar: Super Mario Bros. Estava criada a maior franquia da Nintendo.

O sucesso foi enorme. Milhões de unidades vendidas e dominação do mercado mundial até o início da década de 90. Seus adversários, o Atari 7800 e o SEGA Master System, não faziam sequer cócegas ao domínio que a Nintendo exercia (o Master System ainda conseguiu grande sucesso no Brasil e na Europa, o que falaremos mais no próximo capítulo). Em determinado momento, o NES chegou a ocupar 30% de todas as casas dos Estados Unidos. No total, o NES (juntamente com sua versão japonesa, o Famicom) vendeu mais de 61 milhões de unidades no mundo todo e continua figurando na lista dos consoles que mais venderam no mundo.

No Brasil o Nintendinho foi lançado oficialmente apenas em 1993, através da Playtronic. Porém, já em 1989 o Brasil começou a ser inundado por clones do famoso console da Nintendo. Lembrando que nessa época ainda vigia no Brasil a Lei de Reserva de Mercado, que proibia a importação de produtos eletrônicos, o que fez com que a indústria nacional, assim como fez com o console Atari 2600, começasse a produzir aqui consoles e cartuchos compatíveis com o NES. Os primeiros clones foram lançados pela CCE (Top Game VG-8000) e Dynacom (Dynavision2). Em seguida saíram o Phantom System da Gradiente e o Bit System da Dismac. Todos eles fizeram bastante sucesso no país. Além desses 4, diversos outros clones foram lançados. Foi então que em 1991, com a queda da Lei de Reserva de Mercado, a Nintendo viu uma brecha para entrar no país de forma oficial.

Foi aí que surgiu o acordo para que a Playtronic (formada em parceria entre Gradiente e a fabricante de brinquedos Estrela), finalmente trouxe, em 1993, o NES para o Brasil, juntamente com diversos jogos. Mas diante do tardio lançamento, o NES oficial não foi um grande sucesso de vendas aqui. Isso porque já existiam consoles mais potentes no mercado, com destaque para o Mega Drive, que assim como o Master System, era comercializado pela TecToy.

Ainda em 1993, era lançado nos Estados Unidos e Japão uma nova versão do NES, mais compacta e mais barata, que tinha o objetivo de popularizar ainda mais o console.

Posteriormente, com o lançamento do Super Nintendo, aos poucos o querido NES foi sendo deixado de lado por consumidores e pela própria Nintendo, que o descontinuou nos Estados Unidos em 1995 e no Brasil em 1996. Porém, no Japão, a Nintendo fabricou o Famicom até 2003 e forneceu serviço oficial de manutenção nos aparelhos até 2007. Realmente incrível!!

Finalizamos aqui o terceiro capítulo da nossa saga!! Na próxima matéria deste especial, falaremos sobre o SEGA Master System e seu antecessor (o pouco conhecido SEGA SG-1000), bem como sobre o Atari 7800.
Ah, e se por um acaso você perdeu os capítulos anteriores, segue o link das matérias:1º capítulo e 2º capítulo.

Visite e curta minha fanpage no Facebook clicando aqui. A coluna de games do Lado B tem o apoio do Museu do Videogame 




imagem transparente
Busca

Compartilhe

Classificados


Copyright © 2017 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.