A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 03 de Dezembro de 2016

09/02/2013 21:42

Muita chuva e sem desfile, e ainda assim a festa continuou no Cordão Valu

Nyelder Rodrigues e Viviane Oliveira
Pelo menos 200 pessoas aproveitaram o sábado de Carnaval no Cordão da Valu (Fotos: Francisco Junior)Pelo menos 200 pessoas aproveitaram o sábado de Carnaval no Cordão da Valu (Fotos: Francisco Junior)

Nem a chuva espantou os foliões de um dos mais populares blocos de Carnaval de Campo Grande, o Cordão Valu, no começo desta noite. Além de fantasias, o guarda-chuva bateu ponto na festa.

Veja Mais
Parque das Nações terá Jota Quest de graça, além de Curimba e Bella Xu
Morre ator e comediante Guilherme Karan aos 58 anos

O desfile que seria feito pelas ruas da esplanada foi cancelado por causa da chuva, mas a festa não parou por isso e a galera ficou na “sede” do evento, na rua General Melo, na Explanada Ferroviária.

Pelo menos 200 pessoas aproveitaram o sábado para festejar. Para a energia não acabar, churrasco e cerveja, além de muita música e alegria.

Já para evitar a chuva forte, muita gente se abrigou nos toldos que ficam nas calçadas. Mas era só a chuva dar uma trégua que muita gente já saia e ia para o meio da rua. Alguns ainda usavam guarda-chuvas para se proteger da garoa.

Entre os foliões, o engenheiro agrônomo Tércio Jackes, 47 anos, se fantasiou e não deixou a chuva levar a animação embora. Ele acompanha o Cordão da Valu há pelos dois anos.

“Esse cordão é de quem gosta desse Carnaval de rua, que é um Carnaval democrático, aberto, livre, e que resgata as marchinhas. Pra mim, festa desse tipo significa liberdade”, opina Tércio.

Já em um grupo de três amigas, estava Rayane Matos, que tem 20 anos e morou 11 em Olinda, cidade pernambucana que é a capital do Frevo. “Me sinto em casa”, conta Rayane, que é estudante de psicologia e estava ao lado das amigas Laura e Isabela Banducci.

Isabela, que é socióloga e tem 29 anos, conta que acompanha a festa desde 2007, e que acredita que o Cordão da Valu resgate a parte cultural do Carnaval. “É quando as pessoas vão para as ruas festejar ao som de marchinhas, fantasiadas, em família”.

Era só a chuva engrossar que o pessoal corria para ficar embaixo do toldoEra só a chuva "engrossar" que o pessoal corria para ficar embaixo do toldo
Mas para outros, um guarda-chuva já era suficiente. Alias, chuva? Que chuva?Mas para outros, um guarda-chuva já era suficiente. Alias, chuva? Que chuva?

E em família foi Rita de Cássia Magalhães, de 36 anos. Ela trabalha como cuidadora de idosos, e levou no carrinho o neto Joaquim, de 1 ano e 3 meses no carrinho, acompanhada da filha Jéssica, de 21 anos. O esposo de Rita toca na banda do Cordão da Valu.

“Gosto do Carnaval porque você deixa a rotina de lado e esquece os problemas”, explica a corumbaense que veio morar em Campo Grande há seis anos, e estava acostumada com várias festas parecidas. “Os campo-grandenses necessitavam de uma folia assim”, disse.

Nada demais – Talvez a fórmula do sucesso do Cordão da Valu esteja justamente na simplicidade, sem fazer nada além, nem aquém, a tradição. Para a fundadora do bloco, Silvana Valu, o Cordão não tem nada demais, porém, faz o resgate das marchinhas e da espontaneidade das pessoas que participam.

“Cada ano mais gente participa. Tem crescido a cada dia porque muita gente gosta de Carnaval em Campo Grande”, comenta Silvana, que já adiantou que a festa vai até meia-noite, e que volta a acontecer na terça-feira (12), quando se não chover de novo, vai ter desfile.

O pai de Silvana, o vendedor Edir Valu, que integra a banda Cordão da Valu, formada por seis pessoas que cantam e tocam, a força da festa está no resgate musical. “Privilegiamos o samba antigo de raiz e as marchinhas, que é o estilo do cordão”, explica.

Para seu Edir, em Campo Grande as pessoas têm necessidade de Carnaval. “Aqui não tem regras. Pode se vestir como quiser, do jeito que quiser. O importante é se divertir”, finalizou.

Fundadora do bloco, Silvana Valu, comenta que cordão resgata marchinhas e a espontaneidade dos foliões, como acontecia no Carnaval antigoFundadora do bloco, Silvana Valu, comenta que cordão resgata marchinhas e a espontaneidade dos foliões, como acontecia no Carnaval antigo
Nem a chuva segurou as amigas Rayane, Laura e Isabela. Rayane, que morou 11 anos em Olinda (PE), disse se sentir em casa Nem a chuva segurou as amigas Rayane, Laura e Isabela. Rayane, que morou 11 anos em Olinda (PE), disse se sentir em casa



PARABENS AOS ORGANIZADORES DESSE BLOCO E PARABENS TB PARA AS PESSOAS QUE SE DIVERTEM E PRESTIGIAM. ISSO MOSTRA QUE AINDA SOMOS CAPAZES DE PRESTIGIAR NOSSA CIDADE E MOSTRAR PARA QUEM SÓ CRITICA E USAM ESSA DATA PARA FAZEREM BADERNA. CAMPO GRANDE MERECE UM CARNAVAL DECENTE E TB UM FUTEBOL DE PRIMEIRA.
 
Edimar Martins de Oliveira em 10/02/2013 15:59:04
A Silvana já sabe,eu sou fã do Cordão Valu.Não deu no sábado,dará na 3 feira,tenho certeza, e eu estarei lá!!!!
Acho q minha identificação com o bloco está mesmo na simplicidade,até pq no meu Bar, na Madah da Vl. Carvalho tb rola assim,amigos, músicos e alegria!!!!
 
renata christóforo em 10/02/2013 11:06:15
parabens ao bloco do valu esperamos que voceis estejam em todos os carnavais animando e encinando o povo campograndese a brincar deixar a vergonha de lado e cair na folia.
 
regina lucia alves varanis em 10/02/2013 08:35:56
imagem transparente

Compartilhe

Classificados


Copyright © 2016 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.