A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 11 de Dezembro de 2016

02/11/2015 07:45

Pelo direito ao bacon, chef reclama de preconceito e defende produção artesanal

Naiane Mesquita
Pelo direito ao bacon, chef reclama de preconceito e defende produção artesanal

Na semana que passou, milhares de jornais reproduziram uma pesquisa da OMS (Organização Mundial de Saúde) que fazia um alerta em relação ao consumo de carne processada, como bacon, linguiça e presunto, que causaria câncer.

Veja Mais
Aproveitando época da guavira, chef ensina petit gâteou e brownie da fruta
Hamburgueria K Burguer traz deliciosas novidades

A polêmica se instaurou nas redes sociais e alguns chefs saíram em defesa dos produtos, ressaltando que o mal está na industrialização e não na carne.

Chef Paulo Machado defende o bacon livre de corantes e conservantes (Foto: Instituto Paulo Machado/Divulgação)Chef Paulo Machado defende o bacon livre de corantes e conservantes (Foto: Instituto Paulo Machado/Divulgação)

Um dos que aderiram a campanha #freebacon foi o campo-grandense Paulo Machado, que há mais de sete anos trabalha com gastronomia nacional e internacional.

“A primeira questão é a maneira como as informações são publicadas. É muito perigosa para a grande população, não só o bacon processado e industrializado que faz mal, mas a grande maioria dos produtos da indústria que as pessoas consomem, como margarina”, afirma Paulo.

Após a polêmica, a OMS soltou outro comunicado na quinta-feira (29) ressaltando que não pede para que as pessoas parem completamente de ingerir a carne processada, mas indica o consumo moderado, o que reduziria o câncer colorretal.

“Quando generalizam o produto causam um furor muito grande para a gente, que usamos o produto artesanal, o bacon feito por mim ou na fazenda é diferente do vendido na indústria. Até a linguiça de maracaju que é processada, é de uma forma que não tem perigo de câncer, porque tem níveis pequenos de conservantes, nitrito, que são os produtos cancerígenos”, ressalta.

Paulo explica que o melhor caminho é a busca por alimentos que são artesanais, que não contém agrotóxicos e conservantes.

“Não podemos ter preconceito com a carne ou um pré julgamento, existe toda uma cadeia de ingredientes, de produção, que dão empregos e é no modelo do slow food, bom, limpo e justo. Já aconteceu a mesma coisa com o glúten, a sofa, o leite, causa um furor e as pessoas começam a rejeitar esses produtos”, frisa.

Se você está em dúvida de como separar os produtos bons ou não, o chef dá uma dica. “Eu sempre ensino para os meus alunos assim. Se você ler um rótulo e tiver mais de três ingredientes que você não conhece, não compre o produto. São esses ingredientes que dão câncer. Pesquise na internet, em pesquisas, estudos. O tartrazina, por exemplo, é o corante que deixa os alimentos amarelados. Ele é proibido em vários países da Europa, mas liberado no Brasil. Aqui, é usado em algumas farinhas de mandioca, gema de ovo e até no bacon. Nesse caso, não é o bacon que dá câncer e sim os corantes”, acredita.

Outra opção seria aprender a defumar o produto ou comprar de pequenos produtores. “No Mercadão você encontra com mais facilidade o bacon sem conservantes ou até a peça do porco. Você pode fazer um curso e aprender como defumar corretamente. Observe também os outros alimentos, tem muito queijo que é uma formulação de queijo com uma pequena porcentagem de leite e outros ingredientes industrializados”, diz.

O chef ainda faz um alerta. “O que acontece cada vez mais é termos que fazer várias alterações no cardápio porque as pessoas estão com alergia ou intolerância de alimentos. Na verdade, elas estão com intolerância aos conservantes, vão ficando com problemas de saúde devido a quantidade de coisa ruim que consome. Se você come duas vezes por semana um fast food, claro que com o tempo você terá o risco de ficar doente”, ressalta.




imagem transparente

Compartilhe

Classificados


Copyright © 2016 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.