A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 03 de Dezembro de 2016

30/06/2011 15:44

Bióloga briga para mudar trajeto de obra e salvar nascente de córrego

Paula Vitorino

Nascente e toda vegetação podem ser extintas e geraram briga judicial

Ao lado do resto das árvores, a bióloga mostra clareira em meio a nascente. (Fotos: Marcelo Victor)Ao lado do resto das árvores, a bióloga mostra clareira em meio a nascente. (Fotos: Marcelo Victor)

Há mais de um ano a nascente do córrego Fiíca, localizada em uma APP (Área de Preservação Permanente) de 7 hectares na Fazenda Santa Fé – zona rural de Campo Grande, é ameaçada e alvo de disputa judicial. A proprietária, a bióloga Marina Bacha, diz que pelo local irá passar a continuação de uma rede de energia elétrica de transmissão, mas para isso, a fauna e flora nativa já estão sendo modificadas e correm o risco de serem extintas.

“Só queremos que a obra desvie o curso para não passar pela nascente. Pode passar pelo resto da minha fazenda, não sou contra o desenvolvimento do Estado, mas não acho que para isso a natureza tem que ser sacrificada”, explica.

Dois processos correm na Justiça desde o início de 2010, sendo um deles uma ação pública pedindo o desvio da obra em no mínimo 300 metros do local e o outro uma ação movida pela empresa alegando que o impedimento da obra traz prejuízos para todo o Estado.

Em março deste ano, sentença determinou que ninguém mais poderia entrar na área sem autorização ou modificar o ambiente sem que antes houvesse um estudo para averiguar os impactos na área. A audiência para definição da análise foi marcada para novembro.

Mas o problema se agravou no início deste mês, quando a proprietária foi surpreendida por uma área desmatada de aproximadamente 30 metros de comprimento por 4 metros de largura dentro de sua fazenda, em meio ao curso da nascente.

“Desrespeitaram a sentença, isso é invasão, crime. Devem ter feito em um dia, porque no Dia do Meio Ambiente – 5 de junho – fui até o local tirar foto para anexar ao processo e fiquei indignada com a clareira que abriram na minha propriedade, sem a minha permissão. E ainda deixaram a prova jogada ao lado. Esses troncos tem mais de 25 anos”, denúncia.

Ao menos oito árvores de espécies nativas foram cortadas. A área toda verde, com mata fechada, agora tem um clareira aberta, além de pedaços de troncos e galhos secos espalhados pelo local.

A bióloga afirma que a mata é a “casa” de macacos, pássaros, tamanduás-bandeira, répteis e outros animais da região.

“Esse é praticamente o único resto de ecossistema para esses animais, já que os arredores daqui são quase todos explorados por pastagens e plantações”, diz.

De acordo com o advogado Roberto Borges, a empresa cometeu dois crimes: desmataram uma área de APP e desobedeceram uma decisão judicial. A clareira aberta em meio ao mato, segundo o advogado, é o indício de que o local já está sendo preparado para a passagem dos fios de alta tensão, que ligam as duas torres já instaladas em áreas vizinhas.

Para a bióloga, a ação feita na área “é um suicídio coletivo”.

“Tudo isso aqui é uma fonte de ar, de vida. Todos nós precisamos de ar puro para respirar. Mas para muita gente isso não significa nada e só vão dar valor quando perderem todos os bens naturais, a vida, mas aí já vai ser tarde demais”, destaca.

Torres de energia elétrica já foram instaladas ao redor da nascente. Torres de energia elétrica já foram instaladas ao redor da nascente.

Disputa - O impasse envolvendo a nascente do córrego começou em março de 2010 quando Marina encontrou o cadeado da fazenda arrombado e diversas placas de marcação dentro da propriedade.

A bióloga registrou boletim de ocorrência por invasão e, então, descobriu que a empresa Brilhante Transmissora de Energia tinha licença do Imasul (Instituto do Meio Ambiente de Mato Grosso do Sul) para instalação a rede de transmissão energética na área, passando dentro da nascente.

A ação pública foi instaurada e a proprietária também acionou o MPE (Ministério Público Estadual) para apurar as responsabilidades da empresa, como também a licença ambiental concedida.

Segundo o advogado, a empresa descumpriu a cláusula 8 da licença, que exige cuidados especiais e estudos quando a obra tiver que passar por APP.

A empresa moveu ação alegando Servidão para o Estado, já que a obra é de interesse público e conta com recursos federais e estaduais, além de ter prazo para conclusão.

No processo, a bióloga pede que a linha de instalação seja desviada por 300 metros, assim não passaria dentro da APP. Ela afirma que área no futuro será extinta se o local da nascente se tornar de uso público e caminho da linha transmissão de energia elétrica.

“Se eles ganharem esse processo já podemos considerar tudo isso aqui extinto”, frisa.

Uma petição pública também foi aberta nesta semana pela bióloga com o objetivo de recolher assinaturas para anexar aos processos e entregar a órgãos ambientais. Os interessados podem deixar sua assinatura por meio do link http://www.peticaopublica.com.br/PeticaoVer.aspx?pi=NASCENTE

Riscos para o verde - Como exemplo do que pode acontecer na área, ela afirma que situação semelhante aconteceu na região da Avenida Guaicurus e diz que “meu medo é que aconteça o mesmo na nascente”.

“O que me preocupa é o futuro. Daqui há 20, 30 anos eles podem resolver que precisam passar uma rodovia, uma estrada por aqui e tudo vai virar cimento”, diz.

A bióloga lembra que “era tudo cerrado na Guaicurus. Tenho uma fazenda lá e aí resolveram que uma parte viraria Servidão para o Estado e passaram avenida depois”.

Outro risco para a nascente, segundo a bióloga, é o campo magnético da linha de alta tensão e as constantes modificações e manutenções que são necessárias fazer na rede.

“Aqui ao lado já estão fazendo modificações na rede. E eles mesmos sabem que tem o risco de um desses fios cair. Aí toda vez que forem mexer vão desmatar tudo?”, questiona.

Soluções - Quando comprou a fazenda, há cerca de 4 anos, a bióloga tinha o objetivo de fazer do local uma área de educação ambiental. Para tentar diminuir os prejuízos já causados na área, esta semana várias mudas de árvores nativas foram plantadas ao redor.

A reportagem tentou conversar com um dos diretores da Brilhante Transmissora de Energia, mas não conseguiu contato.




Acho uma situação muito preocupante, devido o descaso das autoridades responsáveis que não fiscaliza e deixa acontecer está situação incabível para nossa atualidade, onde já vivemos numa estufa e um desiquilíbrio notório que não precisa dizer mais nada.
 
osvaldo Alves Pinto em 17/09/2011 01:11:12
Estamos 100% com você Marina. Parabéns por sua luta em prol do Meio Ambiente. Que DEUS te dê muita força e saúde para continuar batalhando e preservando sempre nossa Terra. Esperamos que as autoridades não fechem os olhos para esta causa tão nobre que é a preservação desta nascente.
 
Adriana Rodrigues em 12/07/2011 08:14:51
Marina,é isso ai,estamos contigo nessa luta,se for preciso enfrentarmos esta empresa de cara o faremos,afinal o futuro de parte do cerrado está ai!
estamos contigo nessa!
 
Thamires Rombi Azuaga em 10/07/2011 01:43:24
Até quando os orgaos que deveriam fiscalizar para preservar ,vao se omitir de suas funçoes ,enquanto a natureza e seu bem maior ,a agua,perdem seu direito de existir?Essa é uma pequena propriedade,sim,MAS QUEM NÃO PRESERVA O PEQUENO,QUEM DIRÁ O GRANDE RECURSO.
Parabens aos proprietarios pela luta que estao travando,isso tambem serve de exemplo para todos que tem seus direitos serciados por intereces financeiros SEM O MINIMO ESCRUPULO AMBIENTAL.!!!!!!!!!!!!!!
LUTEM SEMPRE.
 
joao herberto gawlinski em 07/07/2011 06:12:38
Espero que o poder publico possa analisar melhor esta questão ambiental, pois a sociedade deve cobrar das autoridade que faça valer a lei que rege o país.Parabéns Biologa Marina por estar lutando por um mundo melhor.
 
Paulo Augusto da Costa em 04/07/2011 12:24:12
Onde esta o poder publico quando precisamos dele, pois todos nós esperamos que a lei seja comprida, mas neste caso a nescessidade da humanidade por recursos naturais não pode esperar.Vejo que a uma urgencia ambiental neste caso, espero que as autoridades vejam desta maneira para que não haja prejuiso para todos.
 
Simony Ap. Rodrigues da rosa em 04/07/2011 12:18:15
Que futuro meus filhos vão ter se quem deveria fazer valer a lei é quem esta ajudando a destroir o meio ambiente. ACORDA PODER PÚBLICO. Todos devem ajudar esta causa, pois são pessoas com esta iniciativa que faz o mundo ainda ser melhor.
 
Natalia da Costa em 04/07/2011 12:09:04
Olá Marina estou junto com voçe nesta causa peço às autoridades que tem a responsabilidade de fiscalizar e cuidar do meio ambiente que tome às medidas cabiveis para o crime cometido por está empresa ok.
 
Maria Rosa Fontoura em 04/07/2011 02:50:35
é isso Marina vamos lutar pra defender o meio ambiente, além do mais o que estão fazendo é invasão, se a gente não defender essa causa como será o futuro , a fauna , a flora alem de que eles não tão fazendo valer a lei ,tamos juntos com voce nessa causa.a nascente precisa ser preservada sim, eles pode desviar a obra
 
Ester A. da Silva Dal Zot em 02/07/2011 11:34:54
Parabéns por sua coragem e disposição dessa luta senhora Marina. Minha assinatura já esta la e vou convidar outros para assinarem também.
 
Fernando Silva em 01/07/2011 12:02:03
Marina, somente com atitudes como essa consiguiremos melhorar as condições do nosso país. Este caso demonstra a total falta de compromisso e de respeito das intituições com relação a propriedade alheia e com o meio ambiente.
Vamos mobilizar a população e evitar que não só este caso, mas outros diversos exemplos de agressões que ocorrem como este, não aconteçam novamente.
 
Weld Carlos em 01/07/2011 08:38:42
Vamos nos unir, em pról dessa causa! Pessoas vamos espalhar o pedido de petição pelos "4 cantos dos ventos", via redes sociais. Veja a campanha "abasteça com 0,50" como surtiu efeito! Cheguei a pagar 2,27 o litro da gasolina, sendo que o valor estava no teto de 3,11! Vamos lá!
 
Rodrigo Alves em 01/07/2011 08:13:09
Existe um desrespeito generalizado com esta atitude da empresa termelétrica tanto com a constituição federal que prioriza o meio ambiente quanto com legislação federal e estadual e municipal. Ainda bem que temos ação do Ministério Público e Polícia Militar Ambiental que são instituições que trabalham em prol do cidadão; porque hoje a sustentabilidade não é mais uma questão de bandeira verde, a vivência é a de cuidar do nosso recurso mais vital, a água e como bem falada na canção tomara que a terra continue sendo o mais bonito dos planetas; também deixo aqui minha indignação e parabenizo a biologa Marina Bacha
 
Mairla Neves de Queiroz em 01/07/2011 07:53:50
Parabéns Marina pela luta. Não é fácil, mas temos que nos unir para conseguirmos algum resultado eficaz.
Que possamos cada vez mais denunciar a falta de descaso com a natureza.
 
Líliam Angelo em 01/07/2011 07:23:20
Parabéns Marina pela iniciativa, fico feliz em saber que ainda existe pessoas como você preocupada com o meio ambiente, afinal temos que pensar em nosso futuro.
 
Fátima Pereira em 01/07/2011 06:38:23
Pois é Marina, esse tipo de atitude revolta. Onde estão as leis que garantem o direito a propriedade? O que fizeram em sua área foi invasão! Quando os interesses afloram não existe lei nem ética nem muito menos dignidade. Esse tipo de coisa acontece aos montes pelo país, a Amazônia serve de cortina de fumaça aos absurdos como esse que está acontecendo com vc. Estão moendo o cerrado, a caatinga, os manguezais, a floresta atlântica e ninguém dá bola, só se fala da Amazônia, não que isso não seja importante, claro que é, mas estão abandonando a importância dos outros biomas.
Pau neles Marina!!!
 
Glaucon Horrocks em 01/07/2011 05:55:09
TRISTE CONSTATAÇÃO !
Ante as reiteradas notícias veiculadas nos jornais e nos meios científicos, que dão conta da crescente degradação do ambiente , é lamentável concluir que em pleno século 21 continuamos a tratar com descaso o meio ambiente, os quais desde tempos imemoriais nos dão subsídios para viver. O que é pior, não percebendo que sem eles não subsistiremos.
A preservação é o meio que temos para as gerações futuras, e se deixarmos o" progresso" com suas maquinas passar por cima de tudo ,onde vão parar?
A desculpa é o interesse público!
Marina continue com sua luta!
 
edna salomão em 30/06/2011 11:36:57
O que deixaremos para o futuro?


Na luta diária de nós humanos pela sobrevivência, não temos tido tempo de parar e pensar no futuro de nossa Terra, mesmo sabendo que plantamos gerações e somos responsáveis por suas vidas. Nossas preocupações com o agora, deixa-nos esquecidos de que temos que pensar no futuro ambiental. Este nosso imediatismo de vida tem nos impedido de ver qual o grau de degradação que nossas ações estão causando, ao mesmo tempo que distancia nossa noção de responsabilidade futura.
O que deixaremos para o futuro? Esta é a primeira e grande reflexão a ser feita.
A cidadania deve ser exercida a todo momento para que sejam corrigidas as distorções na administração da coisa pública.

Parabéns Marina pela sua iniciativa !
 
Cinthya Fontoura em 30/06/2011 11:23:16
caso queiram apoiar a causa no link abaixo você pode entrar no abaixo assinado para o desvio das torres.
http://www.peticaopublica.com.br/?pi=NASCENTE
 
marçal francisco em 30/06/2011 10:58:45
vou colar aqui uma coisa, que possa grescerr muiiiito, obrigado por ter descoberto isso Carlos Hory. Não podemos se entregar pros homens dejeito neum amigos companheiros
 
luiz antonio bispo em 30/06/2011 10:17:22
ABSURDO!!! Será que o IMASUL esqueceu o que é uma APP? Que são protegidas? Nenhuma árvore pode ser derrubada? Então de que adianta transformarmos uma área em APP, se o órgão responsável pelas licenças faz uma barbárie dessas? Mas quando nós, pobres mortais, precisamos de uma licença.... ihhhh, leva anos. Para conseguir? Só "molhando a mão". É revoltante.
Parabéns pela sua luta, Marina. Mantenha-se firme.
 
Ana Maria Rohr em 30/06/2011 09:51:30
autoridades acordem !!! será preciso acabar com todas as arvores, rios , do planeta para que se faça cumprir o que determina a lei, ou sera que a lei não existe para quem tem o poder?, para os grandes ? Vamos governantes o povo assinou uma PROCURAÇÃO EM SEUS NOMES QUANDO VOTOU EM VOCES, FAÇAM VALER O NOSSOS VOTOS. vamos preservar o que sobrou , e pensar nas gerações que viram.
Parabens Marina pela luta em favor do planeta e principalmente das pessoas que vão viver nele.
 
Rosangela Aparecida Rombi em 30/06/2011 08:59:00
Gostei da reportagen , eu achhei bem interessante até por que a nascente pode ser destruida, o governo do MS tem que fazer algo a respeito urgentemente para preservar a nascente.
 
Luigi Rombi Taveira em 30/06/2011 08:50:54
Se eu quiser cortar uma árvore na frente de minha casa, tenho que pedir uma autorização, se fizer o contrário, na mesma hora chega um fiscal e me multa.Andando pela cidade, percebo que não estão nem aí para os rios, para as nascentes, para a vegetação, para a natureza em geral.É só passar pela via park e observar como tudo está.É um absurdo ver tudo isso e ninguém toma providência.
 
Marcia Souza em 30/06/2011 08:43:46
MEUS RESPEITOS A ESSA SRA POR DEFENDER
O ECOSISTEMA , E ALERTAR AS AUTORIDADES
PARA QUE ,NÃO PERMITA , ESSE TIPO DE ABUSO
POR PARTE ,DESSAS CONTRUTORAS, QUE EM
NOME DO PROGRESSO ESTÃO DESTRUINDO
TUDO POR ONDE PASSAM, E FAZENDO OBRAS
QUE DEIXA MUTO A DESEJAR
 
ROMARIO LEVI PRADO em 30/06/2011 08:34:15
muito bem gostei de sua defesa pelo meio ambiente , sou policial ambiental , e gosto de pessoas assim com determinação vai em frente . um grande abraço
 
elias bacha de souza em 30/06/2011 07:57:19
Parabéns pela atitude e exemplo de cidadania! Pode contar com nosso apoio nesta luta!
A alegação desta empresa é tão absurda, que chega a ser ridícula.
Se o Estado está sendo lesado pela demora, porque não desvia a obra?????
Isso só demonstra o descaso e incompetência administrativa a que estamos subordinados!!!
 
Carol Sakamoto em 30/06/2011 07:47:16
Isso mesmo dona Marina estou do ao seu lado nessa briga, o que esta fazendo esta muito certo ,ainda bem que temos pessoas no mundo assim ainda,que pensao nu futuro porque se nao daqui uns tempos ninguem mais vai conheçer nada a nao ser asfalto,predios e poluiçao temos que cuidar das nossa matas,bichos e rios ainda mais um lugar de nascente onde ja se viu fazerem isso, cade os orgaos publicos que nao veem uma barbaridade dessa ou se fazem de cegos querem so ficar atras de mesas assinando papeis sem ao menos tomar conciençia da devastaçao que causa a natureza nao querem arremangar as mangas e ir atras de saber o que realmente aconteçe no mundo fora do escritorio concordo e acho que esta certa.
 
Henrique Montano em 30/06/2011 07:47:02
O interesse público ambiental, por ser de natureza difusa, deve prevalecer ao interesse econômico particular da empresa energética, que não goza de isenção legal para ofender a natureza. Desse modo, segundo a Constituição Federal (art. 225, §1º, inc. IV), para assegurar a efetividade desse direito, incumbe ao poder público (IMASUL), exigir da empresa o estudo prévio de impacto ambiental, em razão de obra ou atividade potencialmente causadora de significativa degradação do meio ambiente, que neste caso agrava-se, ainda mais, por se tratar de área de preservação permanente (APP), onde existe uma nascente d'água, água esta, que é um bem considerado como Direito Humano Universal e vital para a sobrevivência de todas as espécies, inclusive a humana!
 
ROBERTO BORGES RODRIGUES DA COSTA em 30/06/2011 07:27:26
Parabéns pela iniciativa, que venha o progresso, mais que se preserve o meio ambiente.
 
Nery Ribeiro em 30/06/2011 07:09:54
José Junior
Fico muito contente em ver sua preocupação com o meio ambiente.
Gostaria de sugerir a vc que tire fotos do local e denuncie na Promotoria de Justiça do Meio Ambiente, bem como para Prefeitura. Nesse caso, pode ser feito por email: gabinete@semadur.capital.ms.gov.br. Eu denunciei um terreno baldio que está servindo como depósito de lixo e recebi um email, dizendo que o proprietário já foi notificado.
Temos que acreditar, né?! O site do MP é http://www.mp.ms.gov.br/portal


 
Ana Almeida em 30/06/2011 06:11:47
Alguém se lembra do mangueiral da Avenida Tamandaré ? Quantos motoristas não fizeram as provas do Detran no local ? E as árvores que ficavam ao lado do antigo Grêmio Enersul ? ACABARAM . Estão acabando com as áreas verdes da cidade, tudo em nome do desenvolvimento ! Depois não querem que a natureza derrube pontes (Av. Ceará) e acabem com o asfalto ruim da cidade . Qualidade de vida não é feita de concreto e aço.
 
george conrado em 30/06/2011 06:09:00
Estamos com você Marina! A minha propriedade também foi invadida da mesma maneira que na sua.Na primeira vez eles entraram e demarcaram, mesmo com o protesto do meu funcionário , que era o único que se encontrava naquele momento na propriedade.Disseram que eles tinham esse direito , pois era uma obra de interesse publico e eles não precisavam de autorização do proprietário.Depois se desculparam dizendo que foi erro dos funcionários menos esclarecidos. Dias a traz novamente um caminhão da empresa Brilhante invadiu a minha propriedade, que também está com proibição judicial e danificou dois mata-burros.Nas duas vezes registrei boletins de ocorrência. E interessante que na propriedade vizinha , eles desviaram a rede, porque o proprietário alegou que ali era uma areá de experimentos de sementes e que ele seria prejudicado pela radiação.Tenho provas disso. Estamos na luta com você!
 
Janio Santos pereira em 30/06/2011 06:06:19
considerando que as futuras gerações irão precisar de qualidade de vida as nascentes têm papel fundamental para ter o ar mais puro com umidade, e mesmo que o local for cidade daqui a 30 ,40 anos a luta é para que estas pessoas tenham o mesmo direito de conhecer esta nascente. Parabéns MARINA POR SUA LUTA PENSANDO NÃO NO AGORA MAIS NA GERAÇÃO DO FUTURO. Senhores ÁGUA É VIDA VAMOS PRESERVAR NOSSAS NASCENTES. CONTE COMIGO Profª Joanita Rodrigues
 
joanita rodrigues da rosa em 30/06/2011 05:58:32
A Obra pelo jeito é de uma certa importancia para o desenvolvimento do estado, como diz a materia, porem, é preciso buscar alternativas sustentaveis e avaliar o que deve ser feito para que não seja comprometido nem o meio ambiente e nem o direito de saneamento da população, no mais, o interessante dessa materia é mostrar a ação das grandes empresas sobre o meio ambiente, mesmo que seja de interesse publico eles não veem medidas para conseguirem o que querem e nem se esforçam pra buscar alternativas, e o engraçado é que não vemos nenhuma ONG como o greenpeace fazendo algo contra isso, agora quando é o pobre do trabalhador rural que muitas vezes tem que usar o seu unico palmo de terra pra plantar e garantir a propria sobrevivencia, os ambientalistas caem matando.
 
Gabriel Felix em 30/06/2011 05:52:09
é isso aí não deixa barato essa falta de escrupulos dessa empresa, é inaceitavel que além de demonstrar um total descaso co mo meio ambiente eles ainda se aproveitem de uma situação ainda indefinida pela justiça.
"A natureza pode suprir todas as necessidades do homem, menos a sua ganância" - Gandhi
 
Ingrid Fatima Dal Zot em 30/06/2011 05:39:41
É isso aí Marina, não deixe de lutar contra esse povo que acha que o dinheiro pode tudo! Temos que lutar para preservar o que ainda resta dos nossos recursos naturais, infelizmente muita gente ainda não se consientizou da importancia do meio em nossas vidas, mas essa realidade ainda vai mudar. me despeço com esse proverbio indígena. "somente quando for cortada a ultima arvore, pescado o ultimo peixe, poluído o ultimo rio, o homen descobrirá que não pode comer dinheiro"
 
Carlos Hory em 30/06/2011 05:33:45
A situação é gravissíma em todos os sentidos visto que a área realmente é um corredor ecológico para diversas espécies da fauna e a flora é um fragmento de cerrado com toda a biodiversidade ainda não estudada; a nascente em si já estava em processo de recuperação com o surgimento de novas espécies vegetais em diversos dósseis de cobertura; e o afloramento do aquifero guarani ja deveria estar protegido por legislação especifica mas como ocorre a visivel falta de politicas publicas serias para o setor de recursos hidricos, resta-nos a mobilização social para o despertar de consciências quanto aos cuidados com o planeta terra. A afronta pela empresa deve ser repudiada, pois a área é do entorno de campo grande e nós merecemos e devemos não ser omissos.
 
EDER DITTMAR em 30/06/2011 05:15:08
É isso Marina, já assinei o abaixo assinado! Estamos na torcida.
 
Suellem Petilim Gomes em 30/06/2011 04:46:20
Eu gostaria de colocar um ponto de invasão tambem, em frente a rotatória da coca cola estão desmatando e aterrando o leito do corrego que passa por la sou morador da região e vejo que aos poucos o corrego está se acabando.
Gostaria de chamar a tenção do meio ambiente em relação a isso.
 
jose junior em 30/06/2011 04:07:26
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions