A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 03 de Dezembro de 2016

16/05/2014 14:47

Cooperativas querem montar rede de catadores de recicláveis em MS

Viviane Oliveira
Catadoras abrem o encontro cantando e mostrando como é o dia-dia de trabalho nas Cooperativas. (Foto: Viviane Oliveira) Catadoras abrem o encontro cantando e mostrando como é o dia-dia de trabalho nas Cooperativas. (Foto: Viviane Oliveira)

Catadores de materiais recicláveis de todo o Estado se reuniram, nesta manhã, no auditório da Funasa (Fundação Nacional de Saúde), em Campo Grande, para discutir a criação de uma rede de cooperativas. Ainda hoje, a categoria vai aprovar o estatuto, a identidade visual e o nome da nova rede.

Veja Mais
Promotora e peritos da Polícia Civil fazem vistoria no lixão
Fim de semana em MS terá tempo instável com possibilidade de chuva

Além da Capital, representantes de 18 municípios marcaram presença no 1º Encontro Estadual de Catadores e Coletores de Material Reciclável do MS. O assessor técnico da Unisol Brasil, Ari José de Souza, explica que depois de criada a rede, os trabalhadores vão poder contar com um representante para reivindicar recursos do Governo Federal e parcerias. “Hoje as cooperativas enfrentam várias dificuldades e muita burocracia para conseguir qualquer tipo de recursos”, diz.

Em todo Estado existem em média 45 cooperativas, sendo seis na Capital. No entanto, os trabalhadores reclamam que falta infraestrutura e investimento por parte das Prefeituras. “Hoje apenas 3% dos bairros em Campo Grande tem coleta seletiva”, reclama um dos cooperados da Coopernova, Eduardo César Cardoso. Ele critica ainda que, falta educação ambiental adequada, para que o sistema de coleta seja, cada vez mais, ampliado na cidade.

O jovem Adalto Pereira, 18 anos, deixou o emprego em uma rede de fest food para trabalhar com reciclagem. Ele começou ontem e está confiante no ramo que escolheu. “Agente ganha pela produtividade e com o novo emprego vou ganhar mais”, comemora.

Compartilha da mesma opinião Fábio Cardoso, 32 anos. Ele trabalhou por 19 anos no lixão e pouco mais de 2 anos faz parte da Coopernova. “Nós fizemos curso e somos capacitados. Hoje eu tenho vários direitos trabalhistas, que antes não tinha”, diz.

O superintendente estadual da Funasa, Aristides Ortiz, diz que o órgão tem sido parceiro e está pronto para prestar assessoria técnica para as associações e cooperativas. “O repasse financeiro deve acontecer depois que for constituída a rede no Estado por meio do programa do Governo Federal Cataforte”, diz.

A Lei 12.305 de 2010, que prevê o fim dos lixões até agosto deste ano, institui a Política Nacional de Resíduos Sólidos, porém em Campo Grande esta questão está na justiça. O consórcio CG Solurb assumiu a coleta, transporte e destinação do lixo, em 2012. De acordo com o contrato, a Solurb deveria receber R$ 1,3 bilhão da prefeitura, ao longo de 25 anos, para gestão dos resíduos sólidos na Capital.

Em fevereiro deste ano, o MPE (Ministério Público Estadual) pediu a anulação do contrato, com prazo de 180 dias para que o poder público assuma a gestão dos resíduos sólidos ou faça nova licitação. Esse prazo, portanto, vence em agosto. Se não for cumprido, o MPE deve entrar com ação civil pública e ação de improbidade administrativa contra o gestor municipal.




Mas demorou demais para que algo do tipo ocorresse em nosso estado, temos mania de estufar o peito e falar que o MS é um estado verde, mas na pratica isso não ocorre, durante dois anos fiquei levando o lixo reciclavel em pequenas empresas que aceitavam o material mas com o tempo estas empresas fecharam e acabei por parar de reciclar por falta de incentivo, tinha custo da gasolina e tempo para levar o material até um local que o recebesse e como uma andorinha só não faz verão, hoje, infelizmente, não separo mais o lixo.
 
maximiliano rodrigo antonio nahas em 16/05/2014 15:36:38
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions