A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 06 de Dezembro de 2016

11/01/2013 12:14

Defensoria prega abertura temporária de lixão em Campo Grande

Luciana Brazil
Olga diz que catadores precisam de condições dignas de trabalho. (Foto:Rodrigo Pazinato)Olga diz que catadores precisam de condições dignas de trabalho. (Foto:Rodrigo Pazinato)

A Defensoria Publica Estadual solicitou audiência com prefeito Alcides Bernal (PP) e defende a abertura temporária do lixão de Campo Grande, fechado em dezembro do ano passado. De acordo com a defensora Olga Lemos Cardoso, a intenção é amparar os catadores que estão sem trabalho, até que a UTR (Usina de Tratamento de Resíduos) esteja pronta.

Veja Mais
Jiboia de 1,5 metro é encontrada dentro de armário no Monte Líbano
Sucuri de 4 metros é encontrada em hotel, enrolada a filhote de cachorro

Segundo Olga, a administração anterior não cumpriu os requisitos do acordo com o MPE (Ministério Público Estadual). “Eles fingiram que cumpriram uma ordem judicial, mas não havia nem mesmo um representante dos catadores”, disse.

A defensora afirmou que apenas o prefeito poderá decidir se reabre ou não o lixão. “Ele que vai decidir, já que o acordo com o município não foi cumprido pela outra prefeitura (Nelson Trad Filho). Nós vamos pedir que seja aberto, até que a UTR fique pronta”.

Ela ainda ressaltou que a órgão defende um salário digno aos catadores e a boas condições de trabalho. “Não deram materiais para eles produzirem. Nós queremos que estes catadores possam trabalhar na UTR com o aparato necessário”.




Sabem do que os catadores precisam? Eles precisam receber os materiais recicláveis em um local onde possam separar dignamente! Se os materiais recicláveis continuarem a ser enterrados no Aterro Sanitário Dom Antonio Barbosa I é a falencia do gestor público que tomou a decisão de fechar o lixão e a falência do gestor público que manteve essa decisão!
 
OLGA LEMOS CARDOSO DE MARCO em 11/01/2013 15:50:11
Sr. Claudinei Braz:
Não tem nada de engraçado na situação dos catadores que trabalhavam no lixão, sob as intempéries e da forma como podiam defendendo seu pão de cada dia, sem praticar crime nenhum.
O que é legal tem que ser cumprido!
Existe uma Legislação Nacional que trata o catador com dignidade social e essa lei deve ser respeitada. E todos nós, demais cidadãos nacionais, devemos ter ciência que antes de enterrar o lixo e agredir o meio ambiente, devemos respeitar o direito daquele que sobrevive com a catação, a compra e a venda de 92% do que jogamos fora, que para nós é LIXO (- 8%), e que para os catadores é MATERIAL RECICLÁVEL!
Não fomos nós cidadãos que fizemos a Lei, ela foi feita e aprovada pelo Senado Federal e Câmara de Deputados Federais, e promulgada pelo Presidente "Lula"!
 
OLGA LEMOS CARDOSO DE MARCO em 11/01/2013 15:28:54
Liberar o lixão mesmo que temporariamente é absurdo. Não podemos retroceder. Levou-se 30 anos e graças a uma Lei Federal, foi possível pressionar um gestor público para que ele viesse a tomar a decisão. Chega ser leviano, o fato em afirmar que os catadores merecem condições dignas de trabalho e incentive a abertura o lixão mesmo que temporariamente. Lamentável ler e ouvir esse tipo de coisa, vindo de quem deveria sim, exigir que as Leis fossem realmente cumpridas. A PMCG tem sim uma obrigação com os catadores que atuavam no lixão, bem como a CG Solurb. Agora, é preciso esclarecer a nos população de Campo Grande o que de fato está ocorrendo, pois cada lado tem a sua versão.
 
Flávio Márcio em 11/01/2013 14:17:29
engraçado ate pouco tempo ficavam em situação degradante agora querem condições de trabalho como cobertura para os tempos ruins sol e outros
 
claudinei braz em 11/01/2013 12:52:24
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions