A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 08 de Dezembro de 2016

06/11/2015 14:31

MP investiga danos causados em córrego pela prefeitura e ex-secretário

Liana Feitosa
Segundo o texto do Ministério Público, a intenção é averiguar a atuação do município em efetivar a fiscalização dos danos existentes. (Foto: Gerson Walber)Segundo o texto do Ministério Público, a intenção é averiguar a atuação do município em efetivar a fiscalização dos danos existentes. (Foto: Gerson Walber)

O MPE/MS (Ministério Público do Estado de Mato Grosso do Sul) instaurou três inquéritos civis para apurar degradação ambiental localizada em áreas de preservação permanente do Córrego Bandeira, em Campo Grande. 

Veja Mais
Em 7 dias, choveu 56% do esperado para o mês em município do interior
Quinta-feira de tempo instável, com chuvas durante todo o dia e máxima de 37ºC

Os editais foram publicados nesta quinta-feira (5), sendo que o alvo da investigação é a prefeitura de Campo Grande, além de dois proprietários de áreas na região: André Luiz Scaff, ex-secretário municipal de Planejamento, e Luiz Alberto Laburu, empresário do setor de engenharia.

Segundo o texto do Ministério Público, a intenção é apurar danos em área úmida e veredas das propriedades dos dois requeridos, além averiguar a atuação do município em efetivar a fiscalização dos danos existentes.

De acordo com o Luiz Scaff, a área se trata apenas de um terreno vazio. "Já recebi a notificação e o MP me deu prazo de 10 dias para apresentar documentos e informações", disse ao Campo Grande News.

"É um terreno na margem do córrego, na frente de uma área da prefeitura. Vou apresentar documentação ao MP e o que mais for solicitado. A área está cercada de obras, inclusive da prefeitura", completou Scaff.

Para o ambientalista Haroldo Borralho, as situações são apenas mais alguns exemplos do descas/o com que a prefeitura trata a preservação do meio ambiente, já que as bacias do Lageado e do Guariroba também enfrentam problemas de degradação.

"O MP tem pegado no pé por que, se for pra contar com a Semadur (Secretaria de Meio Ambiente) e Conselho Municipal de Meio Ambiente, a coisa não anda. Não tem fiscalização, a prefeitura está parada, virou casa de mãe Joana", afirma.

A assessoria da prefeitura de Campo Grande disse ao Campo Grande News que só poderia falar sobre o assunto depois das 13 horas, devido ao horário de almoço, mas até o momento da publicação desta matéria nenhuma nova informação foi dada.

"Só temos como confirmar depois das 13h, mas muito provavelmente se o inquérito foi aberto ontem, a PMCG ainda não deve ter sido comunicada oficialmente. E, quando há um inquérito, a PMCG responde, primeiramente, ao órgão (no caso, o MPE) que a está investigando", disse em nota.

Os editais que anunciam a investigação foram publicados nesta quinta-feira. (Foto: Gerson Walber)Os editais que anunciam a investigação foram publicados nesta quinta-feira. (Foto: Gerson Walber)
Para ambientalista, as situações são apenas mais exemplos do descaso com que a prefeitura trata a preservação do meio ambiente. (Foto: Gerson Walber)Para ambientalista, as situações são apenas mais exemplos do descaso com que a prefeitura trata a preservação do meio ambiente. (Foto: Gerson Walber)



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions