A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 04 de Dezembro de 2016

15/03/2011 12:24

Bloqueio de ruas na região do Cabaça causa tumulto diário na Spipe Calarge

Ricardo Campos Jr.

Fila quilométrica de carros se forma até a esquina com a Zahran

Motoristas enfrentam congestionamentos para chegar à via arterial. (Foto: João Garrigó)Motoristas enfrentam congestionamentos para chegar à via arterial. (Foto: João Garrigó)

Durante os horários de pico, uma fila quilométrica de veículos se forma ao longo da rua Spipe Calarge, deixando o trânsito até a avenida Eduardo Elias Zahran tumultuado e lento. Isto porque a abertura do parque linear do Cabaça bloqueou ruas que iam direto dos bairros para a via arterial.

O taxista Manoel Dageno da Cruz, 54 anos, trabalha em um ponto quase no cruzamento da Spipe com a Zahran e conhece bem a região. Para evitar o congestionamento ele opta por trafegar pelas ruas menores e estreitas, dentro dos bairros. “Às vezes você anda de dois a três quilômetros a mais para chegar até aqui”.

No entanto, segundo ele, dependendo do destino, não há outra opção e são várias as regiões que tiveram o trânsito alterado por causa dos bloqueios. “Rita Vieira, Coopharadio, Albuquerque, Rouxinóis, caiu tudo aqui. O semáforo fecha e abre três vezes e você ainda fica parado”, reclama o taxista.

Uma das ruas que ajudavam a escoar o trânsito da Spipe era a Planalto, no bairro Vilas Boas. Se não tivesse sido bloqueada após a construção do parque linear daria na Zahran. Agora, os moradores pegam a avenida Fábio Zahran, ao longo do parque, e seguem até a Spipe ou contornam pelo bairro até a Costa e Silva.

A dona de casa Terezinha Ferreira de Jesus, 69 anos, comenta que a rua Planalto, pouco antes da avenida recém aberta, ficou “morta”. “Isso aqui era linha de ônibus, que agora estão tendo que dar a volta. Antes ele parava em frente da minha casa. Minha filha pegava essa rua e saía certinho no trabalho. Agora tem que fazer a volta”, conta a moradora.

O caminhoneiro Reginaldo Nunes dos Santos, 40 anos, filho de Dona Terezinha, diz que não há escolha, principalmente nos horários de pico. “Ficou muito ruim. Ou sai antes do horário de pico ou você enfrenta”, reclama.

A dona de casa Roseni Silva Ramos, 44 anos, mora na esquina da Planalto com a avenida ao longo do parque linear. Ela diz que a falta de acesso é ruim, mas para abrir novamente o acesso seria necessário um semáforo para evitar acidentes. “Se não fica muito perigoso”, comenta.

Rua Planalto, que antes dava acesso direto à Zahran, foi bloqueada pelo parque linear. (Foto: João Garrigó)Rua Planalto, que antes dava acesso direto à Zahran, foi bloqueada pelo parque linear. (Foto: João Garrigó)

Piora - Por ser uma avenida estreita e movimentada, a Zahran é cenário de constantes acidentes. Pela manhã um ônibus, ao fazer a curva na esquina com a Spipe Calarge, atingiu um poste e permaneceu durante algum tempo bloqueando a via.

O trânsito no local ficou bastante confuso. Os motoristas que seguiam pela avenida no sentido bairro-centro e se deparavam com a interdição, tinham que usar a Spipe Calarge para acessar as ruas menores do bairro Jardim TV Morena.

Quem vinha pela Spipe tinha como única opção o sentido centro-bairro da Zahran, tornando o caminho um pouco mais longo para alguns motoristas.

“As ruas secundárias ficaram intransitáveis, mas aqui é assim mesmo: o fluxo de veículos é grande. Se acontece um acidente na Zahran trava tudo”, explica o taxista Luiz Antônio Ramos Ferreira, 38 anos.

Paciência e adaptação - Para o diretor de trânsito da Agetran Janine de Lima Bruno, os motoristas precisam entender que alterações no trânsito são feitas para facilitar o fluxo em vias maiores ou para garantir a segurança dos condutores, impendido-os de cometerem infrações.

No caso da Fábio Zahran, segundo Janine, houve melhora no trânsito da região. “Quando você projeta uma avenida maior, às vezes é obrigado a fazer um canteiro um pouco mais longo e bloquear uma via secundária para dar uma fluidez em uma via com transito maior. Senão tem muito cruzamento”, diz o diretor.

Na opinião dele o motorista também precisa ser compreensivo. “Às vezes você perde um minuto para andar cem metros e procurar um retorno”, comenta.

Motociclista sofre várias fraturas após colidir moto em poste
O motociclista Rolson Ribeiro, 34 anos, sofreu várias fraturas após colidir a motocicleta que pilotava contra um poste, por volta das 4h deste doming...
Motorista escapa de capotamento com ferimentos leves
Acidente aconteceu na rua Fernão Dias. Motorista bateu em carro estacionado....



Atenção senhores engenheiros, o dinheiro de uma obra é dinheiro público.
Exemplos de dinheiro jogado fora é a reconstrução da rotatória na entrada do Tiradentes/extra/forte/atacadista e outra burrice o PI-Hercules Maymone(pontão inoperante) e agora o bloqueio da Rua Planalto, que dava acesso a vários bairros.
 
fernando rodrigues em 26/03/2011 09:20:20
concordo com o Paulo !! Em campo Grande o que tem de motorista irresponsavel não é brigadeira !! é uma falta de respeito, não existe o Bom censo, a educação, temos que adivinhar o que o irresponsavel, irá fazer, não usa a sinalização, para em baixo do semafaro, o sinal abre e o irresponsavel, não sai do lugar, vc não sabe se o carro estragou, se o cara morreu dentro do carro, porque não faz nada, e ai, quem está atraz, tem que esperar a boa vontade deste Imbecil, Reclamar é facil, a Boa Educação e Bom Censo não existe mais no Transito.
 
vitor eduardo cesar Rojas em 16/03/2011 07:42:10
acho que os tecnicos que projetam obras em Campo Grande, são importados de outro estado ou pais, pois não olha o problema e não consultam ninguem. A Rua Planauto sempre foi um opção e que ajudava a fluir o transito naquele local. Contruiram um parque que nunca termina, piorou o transito em todas as vias proximas, numa cidade que cada dia aumenta o numero de veiculos, desapropiarm pessoas, chamaram o Lula para inaugurar, foi nosso dinheiro e não resolveu nada. consultem a comunidade antes de projetar e executar obras, talvez poderia gerar até uma economia para os cofres publicos
 
gilberto granja em 15/03/2011 06:52:02
Essa via morena é muito mal feita pois quase não ha contorno nela o que obriga o motorista dar um volta imensa congestionando outras vias, esse é o planejamento do sr Rudel e seus engenheiros de tráfego, outro caso é na rua Joaquim Murtinho em frente ao antigo grêmio enersul tinha rotatória tiraram ela dizendo "é pra melhorar o fluxo" agora vão recolocar a rotatória novamente, cade o tão aclamado planejamento....... quem paga a conta é a gente com o IPTU estrondoso........ como diz o Manoel Afonso..."de leve"
 
Pedro Fernandes em 15/03/2011 04:49:45
Uma coisa engraçada nessa cidade é motorista reclamando de via X ou Y, de falta de semáforo, etc. A imprudência, a falta de solidariedade e paciência no trânsito regem o dia a dia do condutor campo-grandense. Se você precisar pedir passagem, ninguém te dá. Se você bater o carro, não põe o triângulo. Se você vai fazer conversão, não sinaliza. Como reclamar é fácil, é isso que eles fazem. Trânsito decente depende de motorista decentes, o que anda em falta em Campo Grande. Paciência! (mas isso também não há).
 
Paulo Rodrigues Cunha em 15/03/2011 02:24:59
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions