A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 03 de Dezembro de 2016

15/12/2012 19:56

Campo Grande recebe projeto que visa diminuir violência no trânsito

Nyelder Rodrigues e Viviane Oliveira

Campo Grande recebeu neste sábado (15) o projeto Vidas no Trânsito, que entre outros temas, discutiu as formas como as notícias sobre acidentes podem ter um cunho pedagógico, colaborando no combate à violência no trânsito.

Veja Mais
Desde de janeiro, 120 pessoas morreram no trânsito da Capital
Carro capota após colisão no cruzamento da Bahia com a Barão do Rio Branco

Fontes de informações ligadas ao trânsito, como o comandante da Ciptran (Companhia Independente de Policiamento de Trânsito), coronel Alírio Villasanti, o chefe da Divisão de Fiscalização e Segurança de Trânsito da Agetran (Agência Municipal de Transporte e Trânsito), Éder Vera Cruz.

Durante a oficina dada a jornalistas de vários veículos de comunicação, foi aprofundado o tema trânsito na perspectiva da saúde pública. Entre os palestrantes, esteve Victor Pavarino, da Organização Pan-americana de Saúde, e Eduardo Biavati, especialista em Segurança no Trânsito.

Outras autoridades no assunto também compareceram ao evento, entre elas a perito examinadora de trânsito do Detran-MS, Almachia Maria Zwarg. Para ela, além dos temas discutidos, é fundamental que o condutor mude o comportamento no trânsito.

“Um exemplo é o grande índice de pessoas avaliadas no exame psicológico do Detran que já pilotam ou dirigem há muito tempo. Isso mostra que tem muita gente sem habilitação conduzindo veículos nas vias públicas”, conta Zwarg, que acredita que o trânsito na Capital é um problema tanto das autoridades como também da sociedade.

Já a major Itamara Romeiro, da Ciptran, reforçou a opinião de Almachia, ao mostrar dados relativos à notificações de condutores em Campo Grande. Sendo a major, 3 mil pessoas foram notificadas este ano na cidade por conduzir veículos sem habilitação, e 1,5 mil foram autuadas por desobedecer o sinal vermelho.

Conforme a gerente técnica do Núcleo de Vigilância de Acidentes e Violência da Sesau (Secretaria Municipal de Saúde Pública), Sueli Nogueira, há um estudo do grupo, ainda a ser concluído, que verifica as informações de mortes no trânsito, vendo a proporção destes acidentes no último semestre.

O estudo organiza os dados entre se a vítima era ciclista, motociclista, pedestre, condutor de carro, entre outros, e se o acidente foi em uma colisão entre carro e moto, caminhão, fazendo a identificação da vítima e o local onde aconteceu, sendo possível assim identificar os pontos de maior incidência de acidentes e mortes no trânsito.

Quando aos horários e dias que registraram o maior índice de acidentes, segundo Sueli, grande parte deles acontecem a partir de quinta-feira, das 18h em diante, até o domingo. O principal fator de risco apontado pela gerente técnica foi a velocidade.

O projeto Vidas no Trânsito já foi realizado em outras quatro capitais, sendo elas Belo Horizonte (MG), Curitiba (PR), Palmas (TO) e Teresina (PI). Campo Grande foi a quinta escolhida para receber o projeto por estar entre as com o trânsito mais violento do país.

Desde de janeiro, 120 pessoas morreram no trânsito da Capital
Durante a oficina do projeto Vidas no Trânsito, que reuniu jornalistas e autoridades de trânsito nesta tarde em Campo Grande, foram discutidos o tema...
Motorista escapa de capotamento com ferimentos leves
Acidente aconteceu na rua Fernão Dias. Motorista bateu em carro estacionado....



Tem só um jeito de acabar com os mortos no transito: mais fiscalização efetivo.
Educação adianta pouco, TODOS ja sabem que não se pode dirigir bebado ou furar sinal. Enquanto não levam multa, continuam fazendo.

A solução:
- cada fim de semana Blitz da lei seca.
- os 20 cruzamentos com sinal onde ocorrem mais acidentes: instalar olho vivo
- as vias onde acontecem mais acidentes por perda de controle do veiculo: instalar radar.
- flagrado dirigindo sem CNH? Veiculo leiloado na hora, e multa, como preve o CBT.

Enquanto leis existem mas podem ser ignorados por falta de punição, nada muda. É preciso que cada infração gera multa, so assim algo vai mudar.
 
Marcos da Silva em 16/12/2012 12:14:02
Parabéns pela iniciativa. Todos temos pontos negativos a destacar no trânsito da nossa capital. Contudo, projetos como este podem combater efetivamente a violência no trânsito e melhorar a qualidade de vida nas vias desta cidade.
 
Dioniso Silva em 15/12/2012 22:53:13
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions