A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 04 de Dezembro de 2016

20/04/2012 15:28

Jovens entre 18 e 25 anos são os que mais se envolvem em acidentes graves

Elverson Cardozo
Índice representa 33% das infrações graves ou fatais. (Foto: Simão Nogueira)Índice representa 33% das infrações graves ou fatais. (Foto: Simão Nogueira)

A maior parte dos envolvidos em acidentes de trânsito graves e fatais em Campo Grande são jovens que tem entre 18 e 25 anos. Os dados foram apresentados nesta sexta-feira (20), pelo secretário da Sejusp (Secretaria de Justiça e Segurança Pública de Mato Grosso do Sul, Wantuir Jacini, durante a audiência pública “Crimes de Trânsito”, realizada na Assembléia Legislativa.

Veja Mais
Carro capota após colisão no cruzamento da Bahia com a Barão do Rio Branco
Motorista escapa de capotamento com ferimentos leves

O índice representa 33% das infrações graves ou fatais; 14% dos envolvidos têm entre 25 e 30 anos; 11%, entre 31 e 35 anos.

Durante pronunciamento, Jacini afirmou que é preciso “diminuir a mortandade”, não só em Campo Grande, mas em todas as cidades Brasileiras.

Entre as causas do grande número de acidentes, Jacini destacou os principais fatores, entre lês a baixa cultura de obediência à lei de trânsito, excesso de velocidade e insegurança de pedestres em vias urbanas.

Fluidez do tráfego e crescimento da frota completam a lista. “Em 4 anos e meio, cresceu 50% e as nossas vias permanecem do mesmo tamanho”, afirmou, acrescentando que já é necessário um novo estudo.

Potencializadores - O consumo de álcool, segundo Jacini, é um dos potencializadores da ocorrência de acidentes, aliado ao excesso de velocidade, descuido com a sinalização e imprudência.

“O excesso de velocidades mais álcool com certeza é responsável pelos maiores índices de acidentes de trânsito”, declarou.

Legislação – Na avaliação do secretário a legislação é “permissível”, quando o assunto é provar a infração cometida pelos condutores, isto porque as duas únicas provas válidas perante a lei no caso de embriaguez ao volante são o teste alcoolemia e o exame de sangue.

“Se o cidadão não quer se submeter a esses testes, é um direito dele”, relatou. “É preciso mudar a legislação”, completou.




Sou Corretor de Seguros, atuo há quase 23 anos no ramo. As Seguradoras tem um preço diferenciado(mais alto) aos segurados(condutores) nesta faixa etária(18 a 25 anos) exatamente por esta estatística. A incidência de acidentes para estas idades são muito grandes. E com certeza assim tem que ser, os números não mentem e não é de hoje que as empresas Seguradoras do mercado agem assim.
 
Éder Cristaldo em 21/04/2012 10:01:30
Deveria colocar no currículo de 2º Grau matéria sobre "Legislação do Trânsito" e ser cobrada rendimento de aproveitamento como qualquer outra matéria durante o curso de 03 anos. Assim dava muito mais tempo para o futuro motorista perceber a amplitude da legislação brasileira. Quando fosse triplicado o número de aulas práticas pelas auto escolas.Hoje se faz motorista de qualquer jeito. O resultad
 
João Alves de Souza em 20/04/2012 05:31:27
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions